CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE

terça-feira, 5 de junho de 2012

Ultimato do Comando Geral do Exército Popular da Coreia

Nos últimos dias, a imprensa sul-coreana controlada pelo governo reacionário e fascista de Lee Myung Bak não teve escrúpulos em atacar as comemorações do aniversário de 66 anos da fundação da União das Crianças Coreanas. Não bastando os exercícios militares, nem a repressão contra todas as tendências para a conciliação nacional e para a reunificação pacífica da Coreia, não bastando a subserviência de seu governo ao imperialismo norte-americano, a camarilha de Lee Myung Bak mostrou que o fundo do poço é mais embaixo e chegou a comparar as comemorações do aniversário da fundação da UCC com as mesmas comemorações feitas pela Juventude Nazista na Alemanha de Hitler. Publicamos aqui o ultimato dado pelo Comando Geral do Exército Popular da Coreia. A República Popular Democrática da Coreia, como Estado socialista e soberano que é, não está disposta a aceitar tais calúnias e as rechaçará pela força das armas, caso necessário. 


Ultimato do Comando Geral do Exército Popular da Coreia



As celebrações do sexagésimo sexto aniversário da União Coreana das Crianças estão acontecendo agora na capital revolucionária de Pyongyang, com grande esplendor. Trata-se de um grande festival político de crianças, sem precedentes não só na história coreana como também na longa história da humanidade.


Cerca de 20 mil delegados das escolas de todas as partes do país foram convidados para virem a Pyongyang. Foi a nobre visão do Presidente Kim Il Sung e do líder Kim Jong Il nas novas gerações que deu às crianças coreanas a condição de “reis do país”. Tal visão está sendo constantemente aplicada, atualmente, pelo respeitado camarada Kim Jong Un.

Todos os trabalhadores e todo o povo do pais encontram-se empolgados e agradecidos com esse grande evento que agora se torna realidade em nosso país.

O mundo agora inveja a RPDC, notando que tal evento pode acontecer somente na Coreia socialista.

Porém, a camarilha traidora de Lee Myung Bak, na Coreia do sul, está contribuindo para acabar com a atmosfera dos eventos feitos pelas crianças. Desde o dia 29 de maio, a camarilha de Lee Myung Bak mobilizou os periódicos Choson Ilbo, Choongang Ilbo, Donga Ilbo, KBS, CBS, MBC, SBS e outros para lançar uma campanha de ódio difamando as tais celebrações. Os traidores tiveram a ousadia de levar a cabo uma nova campanha para atacar a dignidade da liderança suprema da RPDC.

As crianças do jardim de infância da moderna Avenida Changjon estão felizes de poderem se encontrar com Kim Jong Un, e os filhos e filhas comuns do povo trabalhador participam das ditas celebrações. Entretanto, o grupo de Lee perde-se nos insultos e descreve as celebrações como se fossem “armadas” ou “fingidas” pela liderança suprema da RPDC.

O auspicioso evento foi aberto através da alegria e das celebrações de três milhões de estudantes, exaltados por seus pais e mães por todo o país. A camarilha reacionária, contudo, os mostram como “eventos com fins de propaganda”, “eventos para ganhar popularidade”, “eventos de bajulação”. Não teve escrúpulos ao descrever a grande herança do amor pelas jovens e futuras gerações como “uma imitação de gestos de Hitler”, e dizendo que “o norte está fazendo um show político semelhante aos que os nazistas faziam com as brigadas juvenis”.

Trata-se aqui de uma nova forma de atingir a dignidade da liderança suprema da RPD da Coreia. É um ato criminoso que denigre o brilhante futuro de nossa revolução.

Nenhum outro país além da RPDC põe as crianças como reis do país.

Quando os bebês nascem, eles são criados em palácios de crianças, desenvolvendo ao máximo seus talentos e aptidões. Nossas crianças vivem vidas abençoadas através do cuidado dos grandes homens do Monte Paektu, algo raro de ser encontrado em outras partes do mundo.

Foi o Presidente Kim Il Sung quem elaborou o ponto de vista de dar grande atenção e carinho às novas e futuras gerações independente das dificuldades.

Foi Kim Jong Un quem visitou a Escola Revolucionária de Mangyongdae no Ano Novo e pôs as crianças como pilares do futuro.

Foi graças a tais cuidados que as crianças receberam grandes oportunidades no aprendizado, e as bandeiras da União das Crianças são levantadas mais vigorosamente no azul dos céus mesmo nas mais difíceis situações onde o povo é obrigado a apertar os cintos em frente às adversidades.

As crianças são o futuro do país e símbolo da esperança e da vitória.

Os insultos feitos pela camarilha de traidores nada são além de alaridos, feitos ante o desespero de verem o brilhante futuro dado às jovens gerações pelas lideranças da RPDC.

Desde muito tempo, imbecis estão aptos a verem tudo diferente da realidade.

É natural que o grupo de traidores, tolos e imbecis, dificilmente consigam ver o mundo de forma correta.

Se isso não é verdade, como a camarilha consegue descrever a grande herança de nossa nação como uma “imitação” e comparar nossas crianças que são o futuro da nação com a organização juventil do fascista Hitler?

Hitler foi um fascista fanático quem levou a humanidade à beira da destruição, um criminoso de guerra que destruiu seu país e sua nação, um tirano de pior tipo que não tinha qualquer amor por suas crianças.

O povo sul coreano já pôs o pior traidor Lee Myung Bak como um “novo Hitler” e, num protesto, incendiou seu boneco num uniforme nazista por conta das repressões contra as manifestações na base dos fuzis e de seu governo anti povo.

Após ter notícias da agressão à dignidade da liderança suprema da RPDC e dos ataques contra as dignas crianças por parte da camarilha traidora de Lee Myung Bak, os soldados e oficiais do Exército Popular da Coreia estão expressando um enorme ressentimento e estão prontos para acertar contas pela força das armas contra aqueles violaram a lei moral da nação e difamaram os grandes homens que todo o mundo admira.

Os oficiais e homens das forças armadas, divisões e regimentos, estão esperando as ordens do país para cumprir a punição contra aqueles que atingiram a dignidade do país, declarando que os mesmos já têm no alvo as coordenadas do periódico Choson Ilbo, a 37 graus, 56 minutos e 83 segundos da latitude norte, e 126 graus, 97 minutos e 65 da longitude leste, Distrito Central, Seoul; já está no alvo também a sede do periódico Choongang Ilbo à coordenas 37 graus, 33 minutos e 45 segundos da latitude norte, e 126 graus, 97 minutos e 81 segundos da longitude leste, no Distrito Central, Seoul; a Donga Ilbo está na mira nas coordenadas 37 graus, 57 minutos e 10 segundos da latitude norte, e 126 graus, 97 minutos e 81 segundo da longitude leste, no Distrito Jongro, em Seoul.

Nessa grave situação, o Comando Geral do Exército Popular da Coreia manda um ultimato ao grupo traidor de Lee Myung Bak:

As forças armadas revolucionárias da RPDC são o exército do Comandante Supremo e o exército do povo, que defende de forma devota o Comandante Supremo e protege suas ideias, seu povo e suas crianças a quem o mesmo tanto ama e valoriza.

É a vontade de ferro do exército da RPDC fazer com que as provocações que atingem a dignidade da liderança suprema da RPDC sejam rechaçadas, independente de onde venham.

Gostaríamos de pedir à camarilha de Lee para que deixe de lado as provocações e peça desculpas para por a situação sob controle.
Atualmente, é impossível para os oficiais e homens do EPC continuarem guardando ressentimentos. Se os prédios forem explodidos um após o outro, o grupo de Lee será inteiramente responsável por isso.

Caso a camarilha de Lee desafie a dignidade de nosso exército, iremos retaliá-lo sem pena.

Estamos prontos para tudo.

3 comentários:

  1. Agora sim, espero que haja uma ação mais real na luta pela destruição da Coréia do Sul e a unificação revolucionária, com revolução socialista na parte sul, fortalecimento da Idéia Juche e a liderança absoluta do PTC!

    ResponderExcluir
  2. Sem a derrubada do governo reacionário e pró-imperialista de Lee Myung Bak, não se pode sequer pensar em reunificação pacífica na Coreia. As conversações acerca das medidas para a reunificação estão paradas desde que Lee Myung Bak entrou no governo (em 2008) e a RPDC deve fazer tudo o que for possível para pressionar a Coreia do Sul a cessar as provocações e retomar as conversas.

    ResponderExcluir