CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Cidades da Coreia do Norte: Wonsan

Muitas pessoas, "comunistas" ou não, criticam o suposto fato de a RPDC concentrar todos seus esforços em melhorar a capital, que "mostram Pyongyang como uma cidade-cenário, totalmente diferente do resto do país, tomado pela fome e estagnação." Será isto verdade? Não, de maneira alguma. Pyongyang, como capital que é, sem dúvidas é a mais desenvolvida, como toda capital. Contudo, isso não significa que as demais cidades e províncias não sejam também desenvolvidas, onde lá os moradores desfrutam de uma vida feliz e confortável.

Por isso, pensamos que a série de publicações "Cidades da Coreia do Norte" será de grande valor para o esclarecimento aos leitores sobre outras cidades e províncias da RPDC. Começaremos com a cidade de Wonsan:

Wonsan (원산시) é uma cidade costeira que se encontra no Golfo de Tongjtchoson, a cerca de 200 km de Pyongyang, na província de Kangwon. Sua população, de acordo com censo de 2008, era de 363.127 habitantes. Foi nesta cidade onde se capturou o farmoso barco-espião norte-americano USS Pueblo. Wonsan, além de ser uma cidade portuária, com estaleiros e fábricas de transformação de produtos aquáticos, possui uma pequena indústria pesada, do setores de produtos químicos e produção de cimento.


Wonsan, sendo bombardeada na Guerra da Coreia

Wonsan à noite, nos dias de hoje


Assim como todas as cidades da RPDC, Wonsan foi completamente destruída na Guerra da Coreia de 1950-1953. Os grandes esforços do povo coreano, juntamente com o sistema socialista, levantaram esta cidade do monte de escombros. Assim como em todas as cidades da RPDC, a educação universal e gratuita é um dos pilares de Wonsan. Por isso, nela se encontram a Universidade de Economia de Wonsan, a Universidade Pesqueira de Wonsan, a Universidade de Agricultura de Wonsan, a Universidade Geum e a Universidade Tecnologica de Wonsan. Entre todas essas, chama atenção a Universidade de Agricultura de Wonsan. Ela se destaca por seus quilométricos campos de bosque e por possuir uma biblioteca com mais de 100 mil livros. Em tal universidade, estudam inclusive alunos do Vietnã, Camboja e Guiné.


Parte de frente Universidade de Agricultura de Wonsan

Grandes bosques da universidade

Além da educação superior, a educação obrigatória é sempre gratuita e de qualidade. Como se podem ver nas imagens seguintes, a educação e felicidade das crianças de Wonsan:





Em Wonsan é realizado, também, todos os anos, o Acampamento Internacional Songdowon. Este acampamento internacional reúne crianças de diversos países, como da própria RPDC, Rússia, Mongólia, China, Vietnã e Tanzânia. Os acampantes se preparam tanto física quanto espiritualmente. Reforçam laços de amizade entre si praticando esportes, atividades artísticas e jogos recreativos, celebrando o Dia Nacional da RPDC, e com outras atividades.

Quando o Acampamento Internacional de Songdowon, a área de instalações de Songdowon segue sendo utilizada. A área consta de 500 hectáres e dispõe de um jardim botânico e zoológico.




No caso de não quererem ir ao parque de atrações, podem relaxar com uma agradável visita à praia.

Também podem ir ao museu, ao cinema, teatro, etc. A cultura é outro dos pilares mais importantes da RPDC. Com a diferença de países capitalistas, onde a cultura é usufruida somente por quem possui dinheiro, na RPDC é um patrimônio de todo o povo:

Museu revolucionário de Wonsan
Cinema de Wonsan
Jovens de Wonsan se divertem em praia
 
Os meios de propaganda do imperialismo, por não terem argumentos para encontrarem alguma "pobreza" em Pyongyang, falam que todo o resto da Coreia do Norte estaria afogada na miséria, e que todas as demais cidades somente funcionariam para sustentar a "cidade-cenário" Pyongyang. A propaganda também que na RPDC existe um grande sistema de castas, onde os familiares que não participaram da Revolução ou que não estão a favor do governo estão fora de Pyongyang. Contudo, a realidade desmente as mentiras. Caso isso fosse verdade, certamente o governo socialista da Coreia estaria dando aos "dissidentes", ao invés de prisão, um verdadeiro paraíso.

Todas as fotos de Wonsan, cidade da província de Kangwon, estão disponíveis na página do Facebook do Solidariedade à Coreia Popular.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Regime fantoche sul-coreano instiga tensões na Península Coreana

Há alguns dias, o regime vassalo da Coreia do sul cobrou dos Estados Unidos uma "modernização" efetiva em seus equipamentos bélicos. Planeja-se estender os alcances de mísseis em posse do regime títere sul-coreano, com a clara intenção de usá-los num ataque contra a RPDC. Em razão disso, um porta-voz da Comissão Nacional de Defesa (CND) deu o seguinte depoimento, no dia 9 de outubro:

O regime títere sul-coreano tornou final política sua tal “declaração da política de mísseis”, no dia de 7 de outubro. Até então, esteve fora do conhecimento do público a tal “revisão de misseis teleguiados”, a despeito de grandes protestos da oposição tanto interna quanto externa.

A declaração dada visa estender o alcance dos misseis sul-coreanos para 800 km, capazes de atacar qualquer região da RPDC desde os previstos 300 km, aumentando o peso das ogivas para mais de 500 kg quando necessário, assim como equipar o exército com mais armas atômicas. O regime sul-coreano deixou com que oficiais de Chongwadae e o “Ministro da Defesa” darem alaridos, dando dar a entender que a “declaração política de mísseis” poderia satisfatoriamente as “ameaças” e provocações por parte da RPDC, assim como afetar o nordeste da China e região leste da Rússia, para não mencionar a área inteira da RPDC, com um míssil disparado de Taejon ou outras áreas do centro da Coreia do Sul.

A “declaração política de mísseis”, que o regime sul-coreano diz ser a “maior conquista” dada por seus patrões norte-americanos nos anos recentes, é na verdade produto de outra grande conspiração para levar a Península coreana à enorme tensão e levar a cabo outra guerra contra a RPDC a qualquer momento.

A declaração feita por Chongwadae, pelo “Ministério da Defesa” e pelo “Ministério de Assuntos Externos e Comércio” sul-coreanos foi devidamente aceitada pela Casa Branca, pelo Departamento de Defesa norte-americano e pelo Departamento de Estado. O presidente Obama também respondeu positivamente à imploração feita pelo traidor Lee Myung Bak.

Lee Myung Bak fez um requerimento para que Obama estendesse o alcance dos mísseis em várias ocasiões, especialmente em Julho e Março desse ano. Mal bastou que a declaração fosse dada para que a gerência Obama expressasse seu apoio à mesma, pondo-a como a “mais eficiente medida” para a tal situação.

Sob tais circunstâncias, a Comissão Nacional de Defesa da RPDC clarifica seus princípios:

Em primeiro lugar, o Exército e povo da RPDC levantar-se-ão como um só para por em prática o slogan ‘Aniquilemos os imperialistas norte-americanos, inimigos jurados do povo coreano!’, dado que a política hostil dos EUA se tornou ainda mais clara após a “declaração política de mísseis” da Coreia do sul.

Pouco tempo atrás, o presidente Obama declarou abertamente sua iniciativa de conversar pacificamente com a RPDC. A secretária de Estado Hillary Clinton também o fez. Autoridades do Conselho Nacional de Segurança dos EUA, assim como membros da Agência Central de Inteligência (CIA) disseram que os EUA não possuía uma política hostil para com a RPDC. Contudo, a situação mostra as mentiras em cada palavra dita pelos norte-americanos. Com a hostilidade claramente mostrada pela política norte-americana para com a RPDC, o Exército e o povo da RPDC deixam clara disposição de acertar contas com os EUA, inimigo mortal do povo coreano.

O regime títere sul-coreano não encontrará espaço para esconder sua ambição pela guerra, muito mal encoberta por seu entreguismo e submissão aos Estados Unidos.

Em segundo lugar, agora que o regime títere sul-coreano busca atacar a área inteira da RPDC através de misseis, instigado pelo seu mestre, o exército e o povo da RPDC preparar-se-ão de todas as maneiras para enfrentar tal situação. Não esconderemos que as forças armadas revolucionárias do Monte Paektu, assim como os mísseis estratégicos em posse do Exército, tem condições de destruir as bases das forças títeres e do exército agressor norte-americano, estacionados em sagrada terra de nosso país. Tem condições de liquidar não só as bases norte-americanas no sul de nosso país como também as bases norte-americanas no Japão, em Guam e mesmo em território dos EUA.

A RPDC está preparada para responder com um contra-ataque nuclear às manobras hostis dos EUA, da Coreia do sul, e outros países satélites envolvidos. O que falta para ser realizada é somente a ação resoluta, por parte da RPDC. É a firme vontade do nosso povo e exército fazer com que o imperialismo sinta o gosto do que é uma guerra.

Em terceiro lugar, gostaríamos de aproveitar esta oportunidade para apelar aos governos, partidos políticos, organizações democráticas e amantes da paz de todo o mundo que valorizam a justiça, que denunciem as práticas arbitrárias dos EUA e mantenham-se vigilantes contra elas. Por trás da “declaração política de mísseis”, tornada pública pelo regime títere sul-coreano, está a sinistra política de dominação mundial por parte dos EUA, uma estratégia de desestabilizar a paz e consolidar a hegemonia do imperialismo norte-americano no Leste Asiático e na Península Coreana.

Infelizmente, muitas pessoas no mundo ainda não se deram conta que a política de dominação mundial dos EUA está por trás da situação no Iraque, Afeganistão, Líbia e Síria. Nos dias de hoje, faz-se necessário aumentar a vigilância contra as práticas arbitrárias dos EUA e tomar ações concretas para frustrá-las.

O Exército e o povo da RPDC levantarão alto a bandeira da luta contra o imperialismo, com os EUA e as forças títeres sul-coreanas, e tomar ações dinâmicas para conquistar a reunificação do país e a independência mundial.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Kim Jong Un envia mensagens de condolência ao povo do Camboja

Presidente Kim Il Sung se encontra com o Rei Norodom Sihanouk

Faleceu hoje (15-10-2012) o Rei Norodom Sihanouk, do Camboja, líder histórico do Movimento dos Não-Alinhados e grande amigo do povo coreano. Publicamos por ocasião a mensagem de condolências enviada ao povo do Camboja pelo camarada Kim Jong Un, em nome do povo coreano.

Kim Jong Un, primeiro presidente da Comissão Nacional de Defesa da RPDC, enviou uma mensagem de condolências a Norodom Sihamoni, rei do Camboja, neste 15 de outubro.

A mensagem diz:

Por ter ouvido a triste notícia de que Sua Majestade Norodom Sihanouk faleceu, expresso aqui profundas condolências a Sua Majestade e, através de você, a sua família e ao povo do Camboja.

Sua Majestade, o Grande Rei Norodom Sihanouk, foi o pai da Nação do Camboja que dedicou toda sua vida a defender a independência e a soberania nacionais, conquistando a reconciliação e unidade nacionais através da paz e prosperidade do país. Ele foi também um proeminente ativista político internacional que teve grandes méritos no desenvolvimento do movimento dos não-alinhados e na causa da independência humana.

Ele foi um amigo próximo do povo coreano.

O Presidente Kim Il Sung e o Dirigente Kim Jong Il mantiveram profundas relações de amizade com Sua Majestade Norodom Sihanouk, e tais amizades proveram uma base eterna para a consolidação da amizade, solidariedade e cooperação entre os povos da RPDC e Camboja.

Mesmo que Sua Majestade Norodom Sihanouk tenha falecido, seus nobres méritos permanecerão nos corações dos povos dos dois países e da humanidade progressista.

Por KCNA

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Povo coreano comemora o aniversário de 15 anos da eleição de Kim Jong Il para secretário-geral do Partido do Trabalho da Coreia


Há 15 anos, no dia 8 de outubro de 1997, o dirigente Kim Jong Il foi eleito secretário geral do Partido do Trabalho da Coreia.

Em tal período, a Coreia Popular se encontrava numa situação verdadeiramente difícil. No período posterior à queda do socialismo nos países do Leste Europeu entre finais de década de 80 e início dos anos 90, os EUA e outras forças imperialistas, com o fim de extirpar o socialismo no planeta, intensificaram como nunca a extrema pressão político-militar, assim como sanções e bloqueios, contra a Coreia Socialista.

O povo coreano sofria o máximo martírio nacional: o falecimento, em 8 de julho de 1994, do Presidente Kim Il Sung, que liderou o país durante quase meio século. Além disso, inúmeros problemas como sucessivas calamidades naturais levaram o país à escassez de alimentos. Em meio a tal situação difícil, a RPDC levava a cabo uma severa luta para defender o socialismo.

Mal havia sido eleito secretário-geral do PTC, Kim Jong Il difundiu entre o povo a fé no futuro: apresentou o projeto para construir uma próspera potência socialista, onde tudo abunda e onde os cidadãos possam viver felizes, sem ter nada a se preocupar no mundo. Costumava-se dizer que o exitoso lançamento, em agosto de 1998, do satélite artificial Kwangmyongsong-1, manufaturado e lançado com tecnologia 100% nacional, foi a declaração solene do início da empresa da construção de país socialista próspero.

Kim Jong Il, com o fim de fortalecer o poderio ideológico-político e militar do país e rechaçar as manobras agressivas dos imperialistas, propôs a política Songun (primado dos assuntos militares), definindo-a como modo fundamental da política socialista e aplicou-a constantemente em suas ininterruptas visitas de orientação às unidades militares. 


 
Kwangmyongsong-1, primeiro satélite artificial da Coreia socialista



Membros da Guarda Vermelha Operário-Camponesa em treinamento



Militares contribuem em vários setores da edificação socialista


O PTC tomou várias medidas para lograr que em toda a sociedade prevalecesse o ambiente de dar importância aos assuntos militares, para que todos os civis aprendessem com o estilo militar revolucionário. Dessa maneira, a política Songun ganhou apoio e respaldo por parte do povo coreano.

O Exército Popular tomou para si difíceis tarefas na edificação socialista, desprendendo um abnegado espírito na construção de monumentais construções da era do Partido do Trabalho da Coreia, levando para uma etapa mais alta a unidade monolítica na sociedade.

O poderio nacional, em seu conjunto, testemunhou um extraordinário fortalecimento, chegando a dispor de uma potente capacidade de dissuasão nuclear. As políticas do Partido do Trabalho da Coreia se mostram exitosas no caminho para desenvolver com rapidez a economia nacional. Graças aos esforços do Exército Popular, foram construídas muitas centrais hidroelétricas. O povo coreano arou terras do país como extensas parcelas e abriu canais de irrigação por gravidade, cumprindo magnificamente as resoluções do PTC de consolidar a base do desenvolvimento da agricultura.

Acatando o famoso chamado de Kim Jong Il para dirigir os olhares para o mundo, porém com os pés bem postos no país, e com a ideia do Partido do Trabalho de superar o que havia de mais adiantado, o povo coreano se pôs à frente da tecnologia CNC, e adquire grandes conquistas também nas esferas de tecnologia nuclear, cosmonáutica, biotecnologia, etc. 


Complexo Metalúrgico Chollima


Dirigente Kim Jong Il inspeciona Complexo Vinalon 8 de Fevereiro


Indústria de construção de máquinas


Entregando-se de corpo e alma à causa da edificação de um Estado próspero e poderoso e à melhoria da vida populacional, continuou, sem descanso nem trégua, à marcha forçada, realizando inúmeras visitas de orientação, até falecer no dia 17 de dezembro do ano passado, 2011, em um trem, em meio ao cumprimento de seu dever, por conta do acumulado esgotamento físico e mental.

A IV Conferência do Partido do Trabalho da Coreia, realizada em abril de 2012, decidiu ter o Dirigente Kim Jong Il, que defendeu a dignidade e a independência da Coreia socialista com a direção Songun e fortaleceu e desenvolveu o Partido do Trabalho da Coreia como um invencível Partido revolucionário, como eterno secretário-geral do Partido do Trabalho da Coreia. Nesse momento, a RPDC fortalece a indústria leve e a agricultura para produzir saltos decisivos na melhoria da vida populacional e na construção de uma grande potência próspera. O Complexo de Vinalon 8 de Fevereiro, na cidade de Hamheung, centro industrial, situado no leste do país, foi modernizado e produz com matérias-primas autóctones uma grande quantidade de fibras de vinalon.

Na RPDC, foi estabelecido um novo sistema de produção de fertilizantes mediante a gaseificação do carvão (abundante no país), abrindo uma segura perspectiva de registrar saltos decisivos na produção agrícola. Em vários locais do país, foram construídas ou modernizadas modernas fábricas de indústria leve ou alimentícias, que nos dias de hoje funcionam em plena capacidade.

O Restaurante Okryu, especializado em comidas nacionais e pratos raros, como esturjão e tartaruga, assim como os estabelecimentos culturais a serviço do povo, como o cine Taedongmun, o Grande Teatro de Pyongyang e o Teatro Nacional de Drama, situados na parte central da capital Pyongyang, foram reconstruídos e ampliados magnificamente. Recentemente, na capital Pyongyang, foram construídos o Teatro do Povo, a Avenida Changjon, o Parque de Atrações do Povo Rungna, o Ginásio de Patinaria ao Ar Livre do Povo, assim como várias outras grandes construções.

O novo aspecto de Pyongyang, coerente com a imagem de uma Coreia próspera, é produto dos enormes esforços físicos e mentais do Dirigente Kim Jong Il e da abnegação patriótica do máximo Dirigente Kim Jong Un, centrados para a construção de um paraíso socialista sempre próspero. O Partido do Trabalho da Coreia está disposto a enaltecer o grande Dirigente Kim Jong Il como eterno secretário geral e, sob a direção do máximo Dirigente Kim Jong Un, ser fiel à sua causa e ideologia por todos os séculos.