CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Coreia Popular insiste em frustrar penetração da ideologia e cultura do imperialismo


Na atualidade, prevenir a penetração da ideologia e cultura do imperialismo se coloca como uma questão importante para consolidar a base ideológica e política do socialismo coreano.

Destacou o diário Rodong Sinmun em um artigo nesta segunda e segue:

O mais temível para os imperialistas que pretendem dominar e saquear outros países é a unidade dos habitantes politicamente despertados.

A medida em que se fortalece a luta dos povos pela independência, as forças reacionárias imperialistas dão grande importância à penetração ideológica e cultural e se valem de todos os meios e métodos para isto.

O principal na penetração ideológica e cultural é divulgar a outros países a ideologia burguesa e o modo de vida capitalista.

No passado, a ideologia e cultura reacionárias serviram de guia na agressão imperialista e hoje em dia cumprem um papel protagonista.

Nos últimos anos, os EUA e outras forças imperialistas derrotaram o governo de alguns países e estabeleceram o poder pró-ianque mediante a penetração ideológica e cultural e a campanha psicológica. Isto foi o difícil resultado para conquistar nas guerras de agressão que lhes causaram incontáveis mortos e feridos.

Agora os reacionários imperialistas, inclusive os EUA, se entregam freneticamente à demagogia anti-RPDC de todas as formas e atuam com persistência para difundir a ideologia e cultura capitalistas no interior da RPDC, já que não podem destruí-la com a força.

Se deve eliminar pela raiz todos os elementos perniciosos e não socialistas em todas as esferas da vida social e estabelecer as nobres características ideo-espirituais e o modo de vida socialista.

Da KCNA

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Coreia Popular rechaça a “sanção moral” defendida pelos EUA

Sobre os EUA falar de “sanção moral” acusando a República Popular Democrática da Coreia do “problema dos direitos humanos”, o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da RPDC declarou à KCNA a seguinte resposta:

Há pouco, o ex-“relator especial” da ONU sobre a situação de direitos humanos da RPDC realizou uma visita a Seul motivada pelos EUA.

Nesta ocasião, com o pretexto do inexistente “problema dos direitos humanos”, insistiu em exercer a “sanção moral” contra a RPDC tais como a restrição de sua participação nos Jogos Olímpicos e outros eventos esportivos internacionais e o bloqueio de intercâmbio esportivo com outros países.

É um sofisma ridículo de um psicopata e ignorante acerca do nobre espírito dos Jogos Olímpicos, cuja missão principal é a paz, a amizade, a solidariedade e a cooperação, e dos princípios reconhecidos pela sociedade internacional.

Quanto a este sujeito, durante todo o período que desempenhou como funcionário público da ONU, atuou como marionete dos EUA faltando completamente ao princípio de imparcialidade.

Se colocou à frente da campanha de “direitos humanos” anti-RPDC repetindo como um papagaio as mentiras inventadas pelas forças hostis.

A realidade evidencia novamente que foi muito justo que a RPDC não tenha tratado com ele sem sequer reconhece-lo desde o começo.

O mais ridículo do caso é que logo após esta escória disser a bobagem de restringir a participação da RPDC nos Jogos Olímpicos, o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA para Ásia Oriental e o Pacífico o tenha defendido afirmando que seu critério tem razão e é um assunto que deve ser discutido na ONU.

Ultimamente, o Secretário de Estado e o assistente do secretário para Ásia Oriental e Pacífico, o representante estadunidense ante a ONU e outras figuras oficiais dos EUA tentam censurar a “situação de direitos humanos” da RPDC a qualquer hora e a qualquer lugar e recebem os “fugitivos norte-coreanos”, lixos humanos.

E instigaram ao novo “relator especial” da ONU a submeter a consideração da Assembleia Geral da ONU, atualmente em plena sessão, o “informe de direitos humanos” anti-RPDC inventado com dados falsificados e embustes.

O fato demonstra que se tornou tão miserável a situação dos EUA, autodenominado como única superpotência do mundo e que chega a fase bastante imprudente sua política de hostilidade à RPDC.

Está muito equivocado os EUA sem pensam que poderiam assustar a RPDC com a “sanção moral” com a restrição da participação nos Jogos Olímpicos e outros torneios internacionais e a proibição de intercâmbios esportivos com outros países.

Não nos importa que seja discutido ou não este tema na ONU.

Contudo, a responsabilidade das imprevisíveis e graves consequências disto recairá inteiramente sobre os EUA e seus satélites.

domingo, 16 de outubro de 2016

90 anos de “Derrotemos o imperialismo”

Fazem 90 anos quando a Coreia estava sob a ocupação militar do Japão. Kim Il Sung (1912-1994), eterno Presidente da República Popular Democrática da Coreia, que arduamente havia empreendido a luta pela liberdade e independência do país, no distrito de Huadian na província de Jilin no noroeste da China, incorporando aos revolucionários da nova geração, fundou em 19 de outubro de 1926 a União para Derrotar o Imperialismo (UDI).

Na reunião de fundação efetuada em uma humilde casa, ele fez um discurso com o título “Derrotemos o Imperialismo”.

Em suas memorias “No Transcurso do Século” dissera: “Foi tarefa imediata da UDI derrotar o imperialismo japonês e conquistar a libertação e a independência da Coreia, e seu objetivo final residia na construção do socialismo e do comunismo aqui, e a longo prazo, destruir todos os imperialismos e realizar o comunismo em todo o mundo.

Sim, é assombroso que ainda em sua juventude ele tenha tomado a via da luta revolucionária pela salvação do país e do povo. Não há celebridade nem herói como ele em que numa idade tão jovem declarou decididamente que eliminaria todos os imperialismos da Terra.

A fundação da UDI constituiu um evento histórico que anunciava a nova etapa do movimento de libertação nacional, a luta anti-imperialista, da Coreia. Com a fundação da UDI, a revolução coreana teve esclarecida sua meta de luta e estratégia e deu seu primeiro passo significativo na prolongada e sagrada luta pela realização da causa anti-imperialista.

A revolução coreana assim lançada sempre se saiu vitoriosa no enfrentamento de 90 anos contra o imperialismo.

Sob a direção de Kim Il Sung os revolucionários coreanos lutaram durante 20 anos no processo que ficou conhecido como Luta Revolucionária Antijaponesa, e realizaram a 15 de agosto de 1945 a causa histórica da libertação do país. Posteriormente, o exército e o povo da Coreia, na guerra coreana dos anos 1950, pela primeira vez na história, derrotaram os Estados Unidos, este último que desencadeou o conflito e que se gabava da “supremacia mundial”, e assim defenderam a soberania e dignidade nacionais. Também no pós-guerra, a RPDC desbaratou as intermináveis provocações militares dos Estados Unidos que posteriormente seriam denominadas como o incidente do barco “Povo”, que era da espionagem estadunidense, do avião espião de grande porte “EC-121” dos anos de 1960, o de Panmunjon da década de 1970, etc.

A RPD da Coreia ajudou ativamente a luta anti-imperialista de vários países e contribuiu consideravelmente à realização desta causa em conjunto do mundo. Ofereceu ativa assistência política e militar à luta de Cuba, Vietnã e outros países socialistas contra a agressão dos Estados Unidos como acontecera na "Crise do Caribe" e no "Incidente do Golfo de Tonkin" e ajudou nos campos materiais e espirituais na luta anti-imperialista e de libertação nacional de muitos países africanos. Desempenhou o papel de protagonista e ativo para conseguir com o que o Movimento Não-alinhado acatasse fielmente ao ideal do anti-imperialismo e da independência.

O ideal da União para Derrotar o Imperialismo proposto por Kim Il Sung foi herdado ao pé da letra por Kim Jong Il (1942-2011), eterno presidente do Comitê de Defesa Nacional da RPDC.

No final do século passado quando vários países socialistas, rendidos ante o compromisso e a ofensiva de estrangulamento dos imperialistas, renunciaram ao princípio do socialismo e da luta anti-imperialista, a RPD da Coreia manteve erguida sem vacilar a bandeira da luta anti-imperialista. Nos países que se abstiveram de tal luta, que por fim o socialismo entrou em colapso, ocasião em que as forças aliadas imperialistas encabeçadas pelos Estados Unidos apertaram o cerco contra a RPD da Coreia a fim de suprimi-la, quando Kim Jong Il expôs ante os militares e civis um sério problema que era de ou de se tornarem escravos do imperialismo ou soldados independentes em defesa do socialismo, hasteando a bandeira do Songun (prioridade dos assuntos militares) impregnada de um firme espírito anti-imperialista e de independência.

Com uma vontade extremamente rígida contra o imperialismo e a irrevogável política do Songun, Kim Jong Il defendeu firmemente a soberania e dignidade nacionais e o socialismo, e converteu o país em uma invencível potência política e militar que ninguém se atreve a tocar, e no inexpugnável baluarte anti-imperialista e da independência.

A causa anti-imperialista iniciada pela UDI hoje é levada adiante com êxito por Kim Jong Un, Dirigente Máximo da República Popular Democrática da Coreia.

Este proclamou marchar na via da independência, do Songun e do socialismo, como estratégia de eterna duração da República Popular Democrática da Coreia e diante das maquinações draconianas de provocação de guerra nuclear dos Estados Unidos, apresentou uma linha de levar a cabo conjuntamente a construção econômica e a das forças armadas nucleares e fortalecer a força militar no conjunto do país, incluindo a capacidade de dissuasão nuclear, em todos os seus aspectos. A bomba atômica e os mísseis de índole agressiva dos Estados Unidos respondemos a altura, a suas provocações com uma resposta imediata e a sua guerra agressiva com uma justa e grande guerra de reunificação nacional, declarou Kim Jong Um, rechaçando categoricamente a linha dos Estados Unidos e de seus seguidores. Não somente não nos esquecemos nunca da agressão, da coação e da arbitrariedade dos imperialistas, como também estamos firmemente decididos a aproveitar a guerra que os EUA se atreve a desencadear na Península Coreana como uma ocasião para "botar pelos ares" todo seu território, a origem de todo o mal deste mundo e o reduto do imperialismo, do qual causa pavor ao império e seus lacaios.

O apelo "Derrotemos o Imperialismo", lançado há 90 anos, junto com o nascimento da União para Derrotar o Imperialismo, aproxima a extinção dos Estados Unidos.

sábado, 15 de outubro de 2016

Sobre o recrudescimento da campanha anti-RPDC do governo Obama



Aturdido diante do poder nuclear da República Popular Democrática da Coreia, o governo Obama intensifica a vigilância sobre a RPDC mobilizando as propriedades de reconhecimento de todo tipo e envia às escondidas ao espaço aéreo da Península Coreana os bombardeiros estratégicos nucleares B-1B.

Os satélites de alarme preventivo dos EUA vigiam 24 horas por dia a extensão geográfica da Península Coreana enquanto 4 aviões E0-5C, em uma base militar estadunidense no Sul da Coreia, recolhem dia e noite informações sobre a RPDC. Ao mesmo tempo, o avião E-8C, localizado na base estadunidense em Okinawa, se move para a Península Coreana para perseguir as ações militares da RPDC.

Por outro lado, os EUA destinaram US$ 16 milhões como fundos de apoio às entidades que desenvolvem e divulgam os programas a serem utilizados na guerra psicológicas anti-RPDC.

Tais manobras são os esforços agonizantes da administração Obama que se depara com o fracasso total de sua política de hostilidade à RPDC.

Como é conhecido por todos, a meta da política anti-RPDC da administração Obama é derrotar o regime socialista, considerado como um berço de vida e felicidade do povo coreano.

A natureza hostil desta política persistente não se modifica nunca, nem se debilita.

O trágico é que o poder de Obama pratica até o último momento do seu mandato a política de hostilidade intransigente contra a RPDC sem tirar lições do seu fracasso.

Os EUA, especificamente a administração Obama, empurrou a RPDC a redobrar os esforços para aperfeiçoar suas forças armadas nucleares pagando um preço muito alto.

A RPDC tomou múltiplas e consecutivas medidas de fortalecimento das forças armadas nucleares, o que foi uma opção inevitável e justa para defender a soberania e dignidade do país e o direito à sobrevivência da nação diante da pressão política e econômica e a ameaça militar dos EUA e seus seguidores.

Na atualidade, a RPDC tem todo o necessário e já passou a última etapa de aperfeiçoamento das suas forças armadas nucleares.

Portanto, esta potência nuclear do Oriente pressiona o império estadunidense com sua poderosa capacidade militar.

Ainda que os EUA mobilizem todas suas propriedades estratégicas e de reconhecimento e desperdice enormes fundos para o “apoio à campanha psicológica”, não mudará jamais a posição estratégica da RPDC nem a corrente da época.

Todos os coletivos operacionais das forças armadas revolucionárias coreanas converteram o modo de reação militar no do ataque preventivo frente às manobras de esmagamento dos inimigos e se mantêm na perfeita disposição para assestar o ataque demolidor se estes fizerem algum movimento suspeito.

Os políticos estadunidenses devem tratar racionalmente o problema da Península Coreana aprendendo as lições do passado e a realidade de hoje.

Da KCNA

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

O Partido que está a serviço do povo



No dia 10 de outubro se comemora o 71º aniversário da fundação do Partido do Trabalho da Coreia.

Um olhar retrospectivo nos permite perceber que sua trajetória de mais de 70 anos foi uma época em que serviu o povo e se esforçou para criar a felicidade dele.

O PTC é uma organização política a favor das massas populares, cujas linhas e políticas tomam como ponto de partida suas vontades e demandas.

O grande companheiro Kim Il Sung elaborou todas as linhas e políticas sempre em reflexo das aspirações e demandas e os interesses das massas populares. No tempo posterior à libertação do país, ainda em um apertado programa de atividades, se dirigia à província Phyong-na do Sul e outras localidades para se informar pessoalmente e em detalhes da realidade do campo e a demanda dos camponeses sobre a terra e apresentar uma correta orientação para a Reforma Agrária.

Todas as linhas e políticas do PTC, entre outras a orientação de praticar as reformas democráticas gerais, a orientação principal para a construção econômica socialista do pós-guerra que consistia em priorizar a indústria pesada simultaneamente à indústria ligeira e a agricultura e a orientação da cooperativização agrícola, ao refletir ao pé da letra a demanda da população, puderam manifestar grande vitalidade na prática. Também as linhas e orientações lançadas pelos grandes companheiros Kim Jong Il e Kim Jong Um, entre outras a orientação da construção de uma potência socialista, o da edificação econômica da época do Songun, assim como a linha estratégica de desenvolver paralelamente a construção econômica e a das forças armadas nucleares e a Estratégia Quinquenal para o desenvolvimento da economia nacional apresentadas nos últimos anos são cristalizações de respeito ao povo nas quais estão refletidas fielmente os interesses deste.

Assim, o PTC vem materializando de modo rigoroso a vontade das massas populares em todas suas linhas e políticas, fator importante que tornou factível levar à vitória a Revolução Coreana e sua construção por longo tempo e sem desvio algum. O PTC é como uma mãe afetuosa que atende o povo assumindo total responsabilidade pelo seu destino e vida.

Com o afeto maternal vem alinhando todas suas atividades a oferecer aos habitantes uma vida independente e criadora. Lhes assegurou a dignidade independente e direito do ser humano e os conduz para que como ente social forjem seu destino, razão pela qual confiam no Partido e o seguem como a sua mãe.

Pois, um homem, anteriormente um servo, poderia se desenvolver como um herói e uma mulher simples, como uma deputada da Assembleia Popular Suprema.

Atualmente na RPDC todos os habitantes, entre outros militares, operários, camponeses e intelectuais, desfrutam de uma vida digna como donos do Estado, como integrantes da sociedade.

Melhorar incessantemente a vida material e cultural da população constitui o supremo princípio das atividades do PTC. Seus esforços para assegurar aos habitantes uma vida feliz sempre preocupações pelo alimento, vestimenta e moradia, se expressam de modo confiável na medida em que beneficiam ao povo, entre elas a assistência médica e educação gratuitas e o acesso a casas de repouso e descanso, e exercem sua influência até nos pormenores da vida dos habitantes. Nos pitorescos montes Kumgang, Myohyang e Chilbo e todas as partes do país foram construídas instalações culturais e recreativas em favor da população como o Complexo de Piscinas de Recreacao de Munsu e o Clube de Equitação de Mirim e as modernas avenidas como o Complexo Mirae para os cientistas.

Todos estes fatos são frutos da política de virtudes do PTC que sob a palavra de ordem de “Tudo para o povo e tudo apoiando-se nas massas populares!”, toma como supremo princípio de suas atividades a melhoria da vida da população.

Por isto, o povo coreano confia no partido que aplica a política de virtudes que consiste no amor e na fé e o segue como a sua mãe e deposita inteiramente nele o seu destino.

Enquanto exista o querido companheiro Kim Jong Un, em quem está impresso as ideias e propósitos dos antecedentes Líderes, o PTC, que desfruta de uma absoluta confiança e apoio dos habitantes, se dignificará também no futuro como um partido mãe que está a serviço do povo.

Do Naenara