CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

RPDC envia mensagem de condolências ao governo brasileiro pela tragédia de Santa Maria

Kim Yong Nam expressa condolências à presidente Dilma Rousseff

Pyongyang, 29 de janeiro (ACNC) – O Presidente do Presidium da Assembleia Popular Suprema da Republica Popular Democrática da Coreia, Kim Yong Nam, enviou no dia 29 uma mensagem de condolências a presidente brasileira Dilma Rousseff por motivo das grandes perdas humanas causadas pelo incêndio ocorrido recentemente na cidade de Santa Maria. O remetente expressou profunda compaixão e condolências à mandatária, às vitimas e seus familiares.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Em nota, Coreia Popular volta a repelir política hostil dos EUA

O governo da República Popular Democrática da Coreia voltou a rechaçar a resolução de condenação do Conselho de Segurança da ONU, pelo lançamento de um satélite em dezembro. Em nota, o Comitê de Defesa Nacional afirma que a política hostil encabeçada pelos EUA contra seu país entra em sua fase mais perigosa. E adverte que continuará com o lançamento de satélites e mísseis de longo alcance.

Os coreanos asseguraram, ainda, que essas ações estarão dirigidas contra os Estados Unidos, nação chamada de inimiga. Segundo o comunicado, é "preciso concentrar todas as forças não na desnuclearização da Península Coreana, mas na das potências, incluindo os EUA".

A Coreia afirma ainda que, diante das hostilidades destas potências, entra agora no "enfrentamento total", para defender a sua soberania. Veja abaixo o comunicado.

Comunicado
O Comitê de Defesa Nacional da República Popular Democrática da Coreia publicou, nesta quinta-feira (24) uma declaração, que segue abaixo:

O lançamento bem sucedido da unidade número 2 do satélite artificial da Terra "Kwangmyongsong-3" foi um acontecimento jubiloso na história nacional, o que elevou o nível de dignidade e honra do país, e é uma vitória fulminante do programa de desenvolvimento espacial com fins pacíficos, reconhecido pelo mundo.

Os homens do mundo, que amam e a justiça e apreciam a consciência, se regozijam com este êxito surpreendente, alcançado por nosso pequeno país em dimensão territorial, considerando-o como seu.


Até os órgãos especializados do país inimigo, habituados a vetar os outros, tiveram que deixar a sua postura arrogante e reconhecer o sucesso do lançamento do nosso satélite com fins pacíficos.

No entanto, os Estados Unidos continuam este ano a qualificar esse trabalho de desenvolvimento espacial da RPDC de "disparo de míssil de longo alcance", "ato que quebra flagrantemente" a resolução da ONU e um "sério desafio" para a paz e segurança mundo.

Depois de tentar escandalizar com o mesmo tema, finalmente produziu uma nova resolução de sanções anti-RPDC, através do Conselho de Segurança da ONU.

O marco desta resolução foi preparado em negociações secretas patrocinadas pelos EUA, e ela foi aprovada por países membros do Conselho acostumados a obedecer cegamente ao império nas votações.

Este documento comprova que entra em uma nova etapa perigosa a política hostil dos EUA contra a RPDC.

Também sugere que até os países grandes, que devem assumir a liderança no estabelecimento de uma ordem mundial justa, estão faltando sem hesitação com os princípios elementares, sendo coibidos pelo despotismo e a coerção dos EUA

Ao mesmo tempo, mostra que mesmo o Conselho de Segurança da ONU, que deve assumir sua missão de garantir os direitos soberanos e a segurança dos países membros, se deformou como um aparelho internacional nominal em que não se pode depositar nenhuma esperança.

Com relação à aprovação da resolução extremamente injusta contra a RPDC, o Comitê de Defesa Nacional da República Popular Democrática da Coreia solenemente declara os seguintes pontos:

1. Rechaçamos todas as resoluções anti-RPDC, de caráter ilegal, aprovadas pelo Conselho de Segurança da ONU.

Não temos reconhecido desde o início as sujas resoluções de sanção anti-RPDC de qualquer tipo, inventadas por forças hostis para atacar a nossa soberania.

A soberania é a vida de cada país e nação.

Um país e nação privados dela são iguais a um cadáver vivo.

O lançamento do satélite artificial é um direito soberano e legítimo da RPDC e o exercício de sua soberania é reconhecido pelo direito internacional.

Portanto, EUA e outros países lançadores de satélites artificiais não têm qualquer justificativa ou razão para intervir neste trabalho.

Neste mundo, claro, não se aceita a estúpida insistência de que o lançado por si mesmo é satélite artificial e o lançado pelo outro é um míssil de longo alcance.

Os EUA devem perceber que o tempo mudou e evoluiu também o nosso exército e o povo.

Em meio à luta para defender a soberania, nossos satélites artificiais com fins pacíficos serão lançados um após o outro até o espaço cósmico.

2. Dado que entra na fase mais perigosa a política hostil dos EUA para a RPDC, é preciso concentrar todas as forças não na desnuclearização da Península Coreana, mas na das potências, incluindo os EUA.

A ameaça mais séria à paz e à segurança na Península Coreana é a política hostil dos EUA para a RPDC e de outras forças hostis e das enormes forças armadas nucleares do império que a sustentam.

Nesse sentido, o nosso exército e povo tiraram a conclusão final de que se conquistará a desnuclearização da península coreana e se garantirá a paz e a segurança da RPDC somente quando sejam desnuclearizados primeira e perfeitamente os EUA e o resto do mundo.

Os EUA se colocaram à frente dos ataques contra a soberania da RPDC, e as forças-satélite coordenam suas ações com este país, devido a que o Conselho de Segurança da ONU se tornou um aparato carente de impacialidade e equilíbrio.

Nestas circunstâncias, nós declaramos a todo o mundo que não existem mais as conversações de seis partes, nem a declaração conjunta de 19 de setembro.

A partir de agora, não haverá nenhum diálogo para discutir a desnuclearização da Península Coreana, embora se abram as negociações para a paz e a estabilidade na região, incluindo a Península Coreana.

3. Entraremos no enfrentamento total para defender a soberania do país e a nação, frustrando as manobras hostis dos EUA para a RPDC e de seus satélites insanos.

A resolução de sanção anti-RPDC aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU, sob o papel protagônico dos EUA, é a fase mais perigosa da brutal política hostil contra a RPDC.

Nosso exército e nosso povo não são os que permanecem na inação ante a violação da soberania nacional e dos mais altos interesses do país.

Dada a situação de agora, o nosso exército e o povo se levantarão unanimemente na batalha de confrontação total para defender a soberania, mais valiosa do que a sua vida, e frustrar as manobras dos EUA e de outras forças hostis que visam esmagar e isolar a Coreia do Norte.

A construção da potência econômica, a campanha para conquistar o cosmos já em nova etapa e o fortalecimento da dissuasão para a defesa nacional e a segurança do país, que impulsionam todos os nossos militares e habitantes, serão orientadas e submetidas à batalha de enfrentamento total.

Nessa batalha, nova etapa da luta anti-ianque que prossegue de século em século, nós não escondemos que os satélites artificiais de vários tipos, a serem lançados sucessivamente, os foguetes de longo alcance e o teste nuclear de alto nível a ser executado tomam por seu alvo os EUA, inimigo jurado do povo coreano.

Com os EUA, que toma a lei da selva como seu modo de existência, temos que acertar as contas não com palavras, mas com fuzis.

O mundo verá claramente como castigam as forças hostis de todos os matizes e se fazem vencedores finais o nosso exército e o nosso povo, que, convencidos da justeza de sua causa, marcham como torrente pela justa estrada na defesa de sua soberania.

Fonte: Portal Vermelho

La República entrevista Alejandro Cao de Benós (Em Espanhol)

Compartilhamos com os leitores do Blog a entrevista que o site do La República fez com Alejandro Cao de Benós, presidente da Korean Friendship Association.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

O capitalismo não tem futuro, salienta Rodong Sinmun


Pyongyang, 15 de janeiro (ACNC) – Na atualidade, muitas pessoas do Ocidente declaram por si mesmas o fim do capitalismo e cresce a tendência de se apreciar novamente o marxismo.

Isso comprova a verdade histórica de que o capitalismo se arruinará e triunfará sem falta o socialismo, afirma o diário Rodong Sinmun em um artigo individual publicado nesta terça-feira e continua:

Agora as contradições do sistema capitalista atingem o clímax.

Na medida em que se promove a acumulação de capital e se desenvolve a tecnologia nas sociedades capitalistas, se concentram os bens nas mãos dos monopolistas e se aumenta o número de empregados mentais subordinados aos capitalistas. Na sociedade capitalista que reina o princípio de vida baseado no dinheiro todo poderoso, a diferença, cada dia mais agravante, entre ricos e pobres agudiza ainda mais o antagonismo e as contradições classistas.

O capitalismo contem as contradições internas inevitáveis de seu destino final.

A classe capitalista fascistiza os aparatos de dominação reacionária e intensifica as manobras de agressão e guerra para manter sua posição privilegiada que se torna cada dia mais perigosa devido a crise política e econômica.

Sempre que a crise econômica se agrava, a classe capitalista e seus representantes, ou seja, os políticos ocidentais, se esforçam desesperadamente para manter seus regimes, intensificando mais a fascistização do sistema de dominação e realização reacionária da política.
 
Os capitalistas difundem em grande medida a ideologia e cultura antipopulares e reacionárias e o corrupto modo de vida burguês para adormecer a consciência ideologia independente das massas populares, subjugadas ao regime explorador capitalistas e converte-las em escravas do dinheiro. Por tal motivo, as pessoas se tornam mais ignorantes.

O arruinamento do regime capitalista se acelera por sua vida política reacionária, que deforma a vida material e o empobrece a vida mental e cultural das massas.

O tempo comprovará que o capitalismo desaparecerá da cena da história.
 

EUA temem avanço tecnológico da Coreia socialista



Não bastava os norte-americanos terem bombardeado a Coreia com bombas de napalm, entre 26 de junho de 1950 a 27 de julho de 1953, assassinando 1 em cada 3 coreanos, e posteriormente dividido o país, jogando irmãos contra irmãos, transformando a Coréia do Sul em uma base militar dos EUA, um verdadeiro depósito de armas, inclusive atômicas , agora os veteranos de guerras tentam criar uma nova agressão a RPD da Coreia – Coreia do Norte.

A Guerra da Coreia foi vencida pelos coreanos sob a liderança de Kim Il Sung, que avançou com suas tropas até Pusan, vencendo e humilhando o poderoso exército norte-americano. Derrotados, os norte-americanos recorreram às Nações Unidas e envolveram dezenas de países para continuar a guerra contra a Coreia e dividir o país.

Nas últimas décadas, os militares norte-americanos têm patrocinado e promovido exercícios militares de provocação à República Popular Democrática da Coreia. Após essa sucessão de crimes hediondos, os governos dos EUA continuam impunes, e através da ação nefasta de mídia venal procuram transformar as vítimas em agressores.

Atualmente as Associações de Veteranos de Guerras dos EUA trabalham junto ao Congresso Nacional para estimular mais uma guerra, alegando que a Coreia do Norte tem um míssil balístico intercontinental (ICBM) capaz de transportar uma arma nuclear para os Estados Unidos, como demonstrado pelo seu lançamento bem sucedido e a órbita de um satélite em 12 de dezembro. Eles afirmam que “certos especialistas mal informados tentam tranquilizar-nos que a Coréia do Norte ainda está a anos de distância de ser capaz de miniaturizar ogivas para transportar mísseis, mas existem provas sobre o desenvolvimento de mísseis suficientemente precisos para representar uma séria ameaça nuclear para os Estados Unidos”. Segundo o Ploughshares de São Francisco, um grupo de desarmamento nuclear, "a ameaça real do lançamento foi uma reação exagerada que levaria a mais gastos em sistemas de defesa desnecessários. O céu não está caindo. Não devemos entrar em pânico."

Para os veteranos a realidade é outra: “Na verdade, a Coreia do Norte é uma ameaça mortal nuclear aos Estados Unidos agora. A Coreia do Norte já testou com sucesso e desenvolveu armas nucleares. Também já miniaturizaram armas nucleares para transporte em mísseis balísticos, e armaram mísseis com ogivas nucleares. Em 2011, o diretor da Agência de Inteligência da Defesa, tenente-general Ronald Burgess, testemunhou ao Comitê de Serviços Armados do Senado que a Coreia do Norte desenvolveu seus dispositivos nucleares em ogivas de mísseis balísticos”.

A Coréia socialista trabalhou arduamente para desenvolver um míssil intercontinental capaz de atingir os Estados Unidos. Por quê? “Porque eles têm um tipo especial de arma nuclear que poderia destruir os Estados Unidos com um único golpe. No verão de 2004, uma delegação de generais russos advertiu que a RPD Coreia descobriu o pulso eletromagnético (EMP), e construiu uma nova arma decisiva nuclear - uma ogiva Super-EMP. Qualquer arma nuclear detonada acima de uma altitude de 30 km vai gerar um pulso eletromagnético que irá destruir toda a eletrônica e levar ao colapso a rede de energia elétrica e outras infra-estruturas críticas - comunicações, transporte, serviços bancários e de alimentos, finanças e água - que sustentam a civilização moderna e as vidas de 300 milhões de americanos. Tudo poderia ser destruído por uma única arma nuclear fazendo um ataque EMP. Mas um ataque de Super-EMP nos Estados Unidos causaria danos muito maiores e muito mais profundos do que uma arma nuclear primitivo, e as consequências seriam catastróficas e irreversíveis. Os testes nucleares norte-coreanos apontam para uma arma Super-EMP. Uma ogiva Super-EMP teria um rendimento baixo, e não foi concebido para criar uma grande explosão, mas para converter a sua energia em raios gama, que gera o efeito de EMP. Em 2012, um comentarista militar para a República Popular da China, afirmou que a Coreia do Norte tem Super-EMP em ogivas nucleares. A ogiva Super-EMP não pesa muito, e provavelmente poderia ser transportada por ICBM da Coréia do Norte. O míssil não tem que ser preciso, como o campo de EMP é tão grande que pode detonar em qualquer lugar sobre os Estados Unidos, e teria conseqüências catastróficas. A ogiva não precisa sequer de um veículo de reentrada. Um ataque EMP implica detonar a ogiva em alta altitude, acima da atmosfera”.

A Comissão EMP do Congresso estima que, dado o despreparo atual do país, dentro de um ano em um ataque EMP, dois terços da população dos EUA - 200 milhões de americanos - provavelmente desaparecerão, segundo os veteranos.

Para os sanguinários veteranos de guerras de ocupação dos EUA, “a Comissão deve emitir imediatamente uma ordem executiva, elaborado para a Casa Branca para proteger a rede nacional elétrica e outras infra-estruturas críticas de um ataque EMP. O Congresso deve aprovar a Lei SHIELD (HR 668) para fornecer às autoridades legais os mecanismos financeiros para proteger a rede elétrica da EMP. O Congresso deveria melhorar os programas do Departamento de Defesa Nacional para Defesa de Mísseis e programas de segurança para proteger infra-estruturas críticas. A administração e o Congresso deve a segurança das pessoas americano de um Apocalipse EMP”. Na verdade, os veteranos querem mais dinheiro para estimular a paranóia belicista que está levando guerra se destruição a dezenas de países.

Peter Vincent Pry, diretor executivo da Força Tarefa Nacional e na Segurança Interna, serviu no Congresso na Comissão de EMP, o Comitê de Serviços Armados da Câmara, e na CIA. É, portanto, um psicopata de guerra, interessado em executar os planos de dominação mundial elaborados por imperialistas e sionistas, segundo os quais os povos soberanos – como a RPD da Coreia – devem ser eliminados para não oferecer resistência à política de dominação mundial.

Fonte: Jornal Marcha Verde

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Discurso de Ano Novo - Kim Jong Un




Queridos camaradas,

Valorosos oficiais e soldados do Exército Popular e amado povo do país inteiro,

Fraternais compatriotas:

Despedimo-nos do ano de 2012 em  face a acontecimentos transcedentais para a história da nação, e acolhemos o Ano Novo de 2013, entusiasmados com fé e aspiração na vitória definitiva.

Antes de tudo, rendo minhas mais sinceras homenagens e saudações aos grandes camaradas Kim Il Sung e Kim Jong Il, pais da Nação e Sóis eternos do Juche, em nome do unânime sentimento de veneração de todos os militares e civis. Extendo minhas cordiais saudações a todo o Exército e o povo, unidos monoliticamente em torno do Partido e consagrados ao fortalecimento e à prosperidade da pátria. Assim mesmo, envio meus mais sinceros votos pela harmonia e bem-estar de todas as famílias do país.

Saúdo os compatriotas sul-coreanos e residentes no estrangeiro, que acolhem o Ano Novo com o anseio de ver a pátria unida, e com grande expectativa pela prosperidade da nação, assim como a todos os povos progresistas do mundo e amigos estrangeiros, amantes da justiça e da paz. O ano de que nos despedimos foi um ano histórico, que assegurou a brilhante continuação da causa revolucionária do Juche, com os grandes Generalíssimos como líderes eternos de nossa Revolução e sob a direção do Partido.

Os camaradas Kim Il Sung e Kim Jong Il são grandiosos líderes que nosso povo acolheu e enalteceu como a nenhum outro homem em sua milenar história. São símbolos eternos da potência Paektu e bandeira de todos os triunfos e vitórias. No ano passado, celebramos o centenário do natalício do grande líder Kim Il Sung, suprema festa nacional, e com grande orgulho fizemos o balanço dos cem anos da Coreia do Juche, e logramos a causa da imortalidade dos líderes, enaltecendo Kim Jong Il como eterno líder de nosso Partido e nosso povo. Graças a ele, pudemos glorificar o século do Juche como prolongação de triunfos e glórias para a culminação da vitória da grande causa revolucionárias do Juche, sob a bandeira do Kimilsungismo-Kimjongilismo.

Nosso Exército e nosso povo começaram o ano de 2012 em lágrimas, devido ao súbito falecimento do venerado General Kim Jong Il. Contudo, os mesmos se levantaram ante o chamamento do Partido, deixando clara a convicção inquebrável de que o grande camarada Kim Jong Il viverá para sempre conosco. Nosso povo se levantou como um só e seguiu a direção do Partido. Com enorme sentimento de lealdade, nobre sentido de obrigação e moral,  deram maior solenidade ao Palácio do Sol Kumsusan, supremo lugar sagrado do Juche, e levantaram estátuas de bronze dos Generalíssimos na colina Mansu e em várias unidades.

Seguiram o Partido, depositando nele absoluta confiança, e estabeleceram laços de sangue com ele, compartilhando alegrias e tristezas. Os importantes atos políticos efetuados, que receberam a atenção de todo o país, os dias e meses transcorridos do ano pasado não foram senão uma sucessão de momentos emocionantes onde se demonstrou a indestrutibilidade do Partido, do Exército e do Povo, inseparáveis por laços de irmandade.

No ano passado, nossos militares e civis colheram triunfos que entraram para a história de nosso país ao realizar toda uma campanha para materializar o propósito e o legado do grande General.

Mediante o exitôso lançamento do segundo Kwangmyongsong-3, satélite artificial da Terra, nossos grandes cientistas e técnicos tornaram realidade o legado do General e manifestaram em alto o alto nível de desenvolvimento espacial da Coreia do Juche no conjunto de suas potencialidades. A exitôsa fabricação e lançamento do satélite com fins pacíficos, fruto de nossas próprias forças, tecnologias e conhecimentos em cem porcento, constituiu um acontecimento que exaltou a dignidade e a honra da nação do Sol, assim como um evento de grande relevância, que animou os militares e civis, mostrando claramente que a Coreia cumpre o que se propõe a fazer.

Através da parada militar realizada para saudar o centenário do grande Líder, nossas forças armadas revolucionárias exibiram o inesgotável potencial do poderoso exército do monte Paektu firme em sua ideología e convicção, exibindo armamentos modernos, capazes de derrotar qualquer grande inimigo. Frustraram resolutamente todas as incessantes provocações militares do inimigo, assim como suas conspirações contra nossa República, preservando dignamente a segurança nacional. Com ímpeto enorme, os oficiais e soldados do Exército Popular e das Forças Internas de Segurança do Povo deram passos decisivos para avançar em todas as importante obras da construção de um Estado poderoso e próspero, realizaram muitos trabalhos úteis para o bem-estar do povo, sem falhar em honrar a confiança depositada nas forças armadas revolucionárias pelo Partido e o Povo.

Apesar da complexa e crítica situação do país, das terríveis calamidades naturais que se bateram sobre nós no curso do ano, nossos militares e civis mantiveram-se persistentes e deram agigantados passos de avanço na construção de um Estado socialista poderoso e próspero, e no melhoramento da vida da população.

Consolidamos as bases técnicas e materiais de nossa economia ao inaugurar a Central Hidroelétrica Huichon e o Porto de Tangchon, ao levantar muitas fábricas e empresas modernas e autóctones e ao introduzir os últimos logros técnico-científicos na reestruturação de importantes bases de produção da indústria de base.

O enorme fervor patriótico dos militares e civis tornou possível levantar em Pyongyang edifícios monumentais como a Avenida Changjon e o Complexo de Recreação do Povo Rungna, assim como vários outros estabelecimentos culturais que contribuíram para o bem-estar da população e para melhorar a fisionomia da Pátria.

Em virtude do decreto para a aplicação do ensino obrigatório geral de doze anos, nosso sistema educacional de caráter socialista de tornou ainda mais superior. Nossos esportistas honraram a Pátria com importantes êxitos nas competições internacionais. Nossos artistas revolucionários realizaram suas atividades com originalidade e espírito criador, através dos quais interpretaram a palpitante realidade de nossa sociedade e estimularam o empenho do povo.

Se pudemos lograr uma grande vitória no processo revolucionário e de construção socialista no ano passado, isso se deve ao Grande General, que traçou uma grande perspectiva para a construção de uma potência próspera e poderosa, e assentou sua sólida base. Os logros do ano passado estimulam e dão determinaçao a nosso povo de seguir a acertada orientação de apresentar ao mundo a Coreia de Kim Il Sung e Kim Jong Il.

Envio meus mais sinceros agradecimentos a todo o Exército e o Povo que, em acato ao enérgico chamemento do Partido, coroou com grande vitória o primeiro ano do novo século da era Juche.

Camaradas:

O ano de 2013 será repleto de criações e transformações que abrirão uma nova etapa na luta pela edificação de um Estado socialista poderoso e próspero, na marcha empreendida pela Coreia de Kim Il Sung e Kim Jong Il neste novo século.
Todo o povo e o exército, com grande orgulho que sentem como vencedores, e com o otimismo por um luminoso futuro, somar-se-ão na impetuosa marcha para a construção de um Estado poderoso e próspero.

O Juche é o único caminho que seguirá nosso Partido e nosso Povo. O grande Kimilsungismo-Kimjongilismo é a bandeira de todas as vitórias de nossa Revolução. Mantendo alta esta bandeira, marcharemos de maneira invariável e consequente pelo caminho da independencia, do Songun e do socialismo. Apoiando-nos em nosso próprio povo, o melhor do mundo, o Partido levantar-se-á para a construção de um Estado socialista poderoso e próspero, a maior potência do mundo, com nosso próprio estilo que é o estilo do grande General.

Este ano, comemoraremos o aniversario de 65 anos da fundação de nossa gloriosa Pátria, a República Popular Democrática da Coreia, e o aniversário de 60 anos da vitória na Guerra de Libertação da Pátria.

Por contar com os Generalíssimos, autores da imortal da façanha de haver fundado um genuíno Estado do povo, o primeiro deste tipo em cinco milenios de História, e de haver convertido-o em uma potência socialista, independente política, econômica e militarmente, e por contar com o grandioso mérito do grande Líder de haver colhido um grande triunfo na Guerra de Libertação da Pátria, com suas destacadas estratégias e táticas e obstinada direção, nosso povo vive um presente honroso e glorioso. Para nossa patria próspera, abre-se um futuro luminoso.

Neste significativo ano, devemos exaltar as proezas dos grandes Generalíssimos e prosseguir  incansavelmente na edificação de um Estado socialista poderoso e próspero, assim como na causa pela reunificação da Pátria.

A construção da potência econômica é uma das tarefas mais importantes para a causa da edificação de um Estado socialista poderoso e próspero.

Compete a nós consolidar os êxitos alcançados na construção econômica, melhorar a posição do país como potência econômica do novo século, e fazer realidade o desejo de toda a vida do grande General de dar ao povo uma vida próspera.

Todo o Partido, o Estado e o povo, com o mesmo ímpeto com o qual deram dignidade à Coreia Songun, mediante a fabricação e o lançamento de nosso próprio satélite, mobilizar-se-ão para producir mudanças decisivas na construção de uma potência econômica e no melhoramento da vida do povo.

“Abramos uma fase transcedental para a construção de uma potência económica, com o mesmo espírito com o qual alcançamos o espaço!”, tal é a consigna de luta que devem levantar este ano o Partido e o povo.

Em todos os setores e unidades da economia nacional, deveremos fazer uma intensa campanha para o auge produtivo, em resposta à enérgica consigna do Partido.

Durante este ano, todas as atividades econômicas encaminhar-se-ão para consolidar e aproveitar eficientemente a base já estabelecida da independência da economia nacional, incrementar ativamente a produção, estabilizar e melhorar a vida da população.

Cabe a nós adotar medidas decisivas para impulsionar o setor priorizado da economia nacional e a industria básica, conceder prioridade aos setores carvoareiros, elétricos, metalúrgicos e de transporte ferroviários, assim como construir um sólido caminho para a conquista da potência económica. Em particular, devemos inovar as indústrias carvoareira e metalúrgica, para reativar o conjunto da economia nacional.

Os êxitos na construção econômica devem se refletir na vida dos habitantes. Cabe a nós prestar grande empenho no desenvolvimento dos setores e das unidades que guardam estreita relação com a vida do povo e na produção do mesmos, de modo que os habitantes desfrutem de maiores benefícios.
Neste ano, a agricultura e a indústria leve seguem sendo os alvos principais da construção econômica. É mister focar esforços do Estado na agricultura, fazer mais científica e intensa a produção agrícola, alcançar sem falta a meta da produção anual de cereais, assim como adotar medidas corretas para o abastecimento de matérias-primas e outros materiais para a indústria leve e produzir mais artigos de qualidade para o consumo das massas.

É necessário desenvolver constantemente a pecuária, a pesca e a fruticultura, diversificar e enriquecer o regime alimentar da população. Os soldados do Exército Popular e membros das brigadas de choque que tiveram enorme valor na participação da construção da base pecuária de Sepho, seguindo o chamamento, continuarão a protagonizar novos progresos e façanhas históricas nos trablhos deste ano, para que desta maneira se abra uma ampla perspectiva para a causa de materializar o mais prontamente possível o grande projeto do Partido para a transformação da natureza.

Os trabalhadores esforçar-se-ão para aumentar a produção nas modernas fábricas e bases de produção nas quais o Grande General lutou para que, com tanto trabalho durante a Árdua Marcha, fossem construídas.

Em todos os setores e unidades da economia nacional, deve-se fomentar a emulação socialista para o aumento da produção, revitalizar a última e cumprir ao pé da letra o plano anual de economia nacional.

Devemos manter viva a chama da revolução industrial do novo século e, recorrendo à ciencia e tecnologia, abrir uma fase transcedental para a construção de uma potência económica.

A Revolução industrial no presente século é, em essência, uma revolução técnico-científica. Superar os demais países no desenvolvimento de tecnologia de ponta constitui o caminho para a construção da potência econômica. Assim como os cientistas que, com o lançamento do satélite, contribuíram para o desenvolvimento espacial, devemos fazer uma intensa campanha para alcançar outras nações no desenvolvimento de tecnologia de ponta e colocar o quanto antes o conjunto de nossa tecnologia em nível mundial. Em todos os domínios da economia nacional, deve-se prestar atenção primordial ao desenvolvimento de ciência e tecnología, promover sua aplicação na produção, aumentar a produção com nossos próprios recursos naturais e tecnologia e, em larga escala, aplicar a tecnologia CNC em equipamento e processos e automatizá-los completamente. É necessário renovar a direção e a administração da economia conforme as exigências da realidade em desenvolvimento.

Em todos os setores da economia nacional, abrir-se-ão todas as posibilidades para se dar um auge sem reservas no aumento da produção. Devemos traçar de maneira científica o plano imediato e a estratégia de desenvolvimento por etapas de longo alcance, e cumprir-los com entusiasmo e ao pé da letra. Atendo-nos ao principio de assegurar a preservação do sistema econômico socialista a nosso estilo e elevar a responsabilidade e o papel das massas trabalhadoras como protagonistas das atividades produtivas, iremos aperfeiçoar continuamente os métodos de gestão económica e generalizaremos as experiências positivas adquiridas em determinadas unidades.

Devemos seguir empenhados em consolidar por todos os meios nosso potencial político e militar.
A unidade monolítica de todo o exército e o povo em torno do Partido é nossa arma mais poderosa e grande força motriz para a construção de um Estado socialista poderoso e próspero.

Cabe a nós herdar de maneira invariável a orgulhosa tradição da unidade monolítica que fez lograr a harmoniosa fusão entre o Partido e o povo, baseada na confiança absoluta, e que vem registrando vitórias consecutivas para a bandeira vermelha da Revolução.

Na revolução Songun, todos os funcionários, membros do Partido e trabalhadores corpartilharão com o Partido a mesma ideologia, propósito, vitórias e derrotas, e constituirão um só corpo como autênticos companheiros consagrados ao bem-estar da Pátria e do povo. Devem subordinar todos os trabalhos à defesa e à consolidação da grande unidade, conhecer bem a opinião do povo, aglutinar as amplas massas em torno do Partido e fortalecer a base política e ideológica de nossa Revolução.
O poder militar equivale ao poder estatal: ao consolidar-lo por todos os meios, nasce uma potência e se assegura o bem-estar do povo. Com a bandeira do Songun alçada, seguiremos prestando grande atenção à consolidação das forças militares, preservaremos a segurança e a soberania nacionais e contribuiremos para a estabilidade da região e a paz mundial. Esse ano, em que se cumprem cinqüenta anos do lançamento da consigna “Um contra cem!” pelo Grande Generalíssimo Kim Il Sung, debemos produzir mudanças enormes na consolidação de nossas forças armadas revolucionárias e no aperfeiçoamento dos preparativos de combate.

O Exército Popular deve estabelecer o sólido sistema de mando revolucionário e o ambiente militar, férrea disciplina e possuir o aspecto de regulamento próprio do poderoso exército revolucionário de elite. Desencadeará furiosamente o mando de treinamento que teve sua origem no monte Paektu, para formar todos os militares como guerreiros capazes de aniquilar centenas de inimigos em combates reais. O Exército Popular estará sempre com o dedo no gatilho para derrotar implacavelmente todos os que se atrevem a lançar fogo contra nosso sagrado territorio pátrio e ganhar a guerra para a reunificação nacional.

Os oficiais e soldados do Exército de Segurança Interior do Povo da Coreia e os membros da Guarda Vermelha Operário-Camponesa intensificarão mais os exercícios militares e políticos e manter-se-ão em estado de alerta para defender o Partido e o Líder, a Pátria e o Povo, nossa terra natal.

O setor de indústria bélica produzirá mais armamentos autóctones dotados de tecnologia de ponta, que contribuirão para materializar a estratégia militar do Partido, e cumprirá com sua missão como arsenal do poderoso exército revolucionário inspirado no monte Paektu.

É necessário dar maior atenção à construção de um Estado socialista civilizado e abrir uma nova era de florecimento cultural do século XXI.

O Estado socialista poderoso e próspero que nos propomos a construir é um Estado onde todos os cidadãos, com ricos conhecimentos culturais, boa preparação física e nobre moral, gozam de uma vida plena nas condições e circunstâncias mais cultas, e onde reina um ambiente de rica e sana vida.

Em todos os setores da construção cultural, devem se materializar cabalmente as ideias, linhas e orientações do grande General e colocá-las à altura do avançado e civilizado Estado em todas as esferas da cultura, como o ensino, saúde pública, arte, literatura, esportes e moral.

Devemos tornar a cidade de Pyongyang, capital da Coreia do Juche e centro da cultura Songun, ainda mais majestosa e bonita. Devemos melhorar as avenidas, aldeias, rios e montanhas de todas as províncias, cidades e distritos do país como belas paisagens do socialismo e construir os mais modernos estabelecimentos culturais e de serviço público, jardins e parques de recreio, de maneira que os habitantes desfrutem de uma vida ainda mais culta na nova era.

Para se imprimir neste ano uma virada decisiva na construção de um Estado socialista poderoso e próspero, é indispensável renovar radicalmente as concepções ideológicas e os métodos e estilos de trabalho dos funcionários.

É verdade que o funcionário que o Partido necesita hoje é aquele que, com a mesma concepção do povo que tinham o Líder o General, vai às massas mesmo que isso vá desgastar o solo dos sapatos e, livre das velhas mentalidades e estereótipos, renova constantemente suas atividades e convoca as massas a superar as dificuldades. Os funcionários, em fiel acato à consigna “Tudo para o povo! Apoiemo-nos nas massas populares!” , devem dar mostras de sua grande abnegação. Com elevado senso de responsabilidade, afã e espírito criador, devem demonstrar ao máximo sua capacidade trabalho, e submeterão sua lealdade e prática à avaliação do Partido e do povo.

Convém elevar ainda mais a função combativa e o papel das organizações do Partido.

Todas as organizações partidárias, como Estados Maiores políticos das unidades correspondentes, devem se ater ao principio de executar a política do Partido e de se engajar no trabalho orgânico e político para produzir um grande auge em seus respectivos setores e unidades. Coma afeto maternal, protegerão e orientarão todas as pessoas, de maneira que estas sempre confiem seu destino no Partido e desempenhem com responsabilidade seus respectivos trabalhos nos postos.

O trabalho partidário deve se realizar como na década de 70, como nos tempos de guerra, e deve focar sua prática no patriotismo de Kim Jong Il.

O patriotismo de Kim Jong Il é o eterno espírito da nação de Kim Il Sung e meio para a construção de um país poderoso e próspero. As organizações partidárias orientarão todos o funcionários, militantes e outros trabalhadores para que, munidos com o patriotismo de Kim Jong Il, ponham em pleno manifesto seu entusiasmo patriótico e seu espírito de abnegação no sagrado empenho para o desenvolvimento da pátria socialista.

As organizações operárias, com suas devidas características, educarão substancialmente seus membros e os convocarão enérgicamente para a ofensiva geral deste ano. As Uniões de Juventude conduzirão todos os seus membros para que sempre avancem com o exemplo do Partido e se convertam em heróis que coroam com grandes méritos o atual auge nacional.

Reunificar a pátria é a tarefa suprema da nação, que não se pode adiar mais. É o desejo de toda a vida dos grandes Generalíssimos.

Os grandes camaradas Kim Il Sung e Kim Jong Il, pais da nação e faróis da reunificação nacional, fizeram tudo o que puderam para entregar para nós uma pátria reunificad, e prepararam uma sólida base para a reunificação independente, para a paz e a prosperidade nacionais.

Devemos preservar os principios e engrandecer seus méritos imperecíveis pelo fortalecimento da nação e, em acato à nobre ideia de suas eminentes figuras, lograr sem falta a causa histórica da reunificação, supremo anseio nacional.

Durante ese ano, a nação, una, levará a cabo uma luta patriótica a favor da reunificação e abrirã uma nova etapa para esta causa.

Um dos asuntos importantes para por fim à divisão da nação e reunificá-la é acabar com o estado de enfrentamento Norte-Sul, que não traz nada mais que a guerra, como demonstra a história das relações intercoreanas.

As forças sul-coreanas opostas à reunificação devem renunciar a sua política de enfrentamento com os compatriotas do norte e tomar o caminho da conciliação, unidade e reintegração nacionais.
Respeitar e implementar as declarações conjuntas intercoreanas são premissas fundamentais para melhorar as relações bilaterais e antecipar a reunificação.

Todos os compatriotas do Norte, Sul e no estrangeiro devem fazer esforços para implementar ao pé da letra a Declaração Conjunta de 15 de Junho e a Declaração de 4 de Outubro, grande programa comum da reunificação do noso século garantia para a paz e a prosperidade.

Devemos solucionar a questão da reunificação de maneira unificada e independente.

O sujeito da reunificação é toda a nação coreana, e se ela une suas forças, nada será impossível neste mundo. Todos os coreanos do Norte, Sul e no exterior debemos subordinar tudo para a grande causa da reunificação nacional, partindo do principio de conceder importância à nação e promover suas unidades. Ademais, devemos rechaçar a dominação, a ingerência, agressão e manobras de guerra das forças estrangeiras. Não tolerar jamais nenhum ato que impeça a reunificação. Mesmo que se apresentem severas provas e dificuldades em nossa luta pela reunificação nacional, levantaremos sem tréguas nesse território um Estado unificado poderoo e próspero, com a força unida da nação.
Hoje, a intervenção e agressão militares dos imperialistas contra os Estados soberanos ameaçam seriamente a paz e a segurança da humanidade. Em particular, a região da Ásia e do Pacífico, incluída a Península Coreana, é o ponto mais candente do mundo e origem de tensões permanentes.

Faz-se cada vez mais forte o desejo da humanidade de viver de maneira independente, em oposição a todo tipo de dominação e subjugação. Desse mesmo modo, ninguém poderá deter o curso da história para a independencia e a justiça.

A atual situação internacional exige que nossa República marche pelo caminho da independência, levantando a bandeira do Songun, tal como tem feito até a atualidade.

Sob o ideal da independência, paz e amizade, no futuro seguiremos ampliando as relações de amizade e cooperação com os países que respeitam nossa soberanía e nos tratam com agrado, e não pouparemos empenho para preservar a paz e a estabilidade na região, assim como verificar a independência no mundo.

Este ano novo nos oferece uma perspectiva ainda mais resoluta e promete a nosso povo somente glórias e triunfos.

Esforcemo-nos como todo o entusiasmo para o fortalecimento e a prosperidade de nosso país, nossa pátria, sob a bandeira do Kimilsungismo-Kimjongilismo, unidos monolíticamente em torno do Partido!