CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Kim Jong Il realiza visita extraoficial a China


Pyongyang, 30 de agosto (ATCC) -- El Dirigente Kim Jong Il, Secretario General del Partido del Trabajo de Corea y Presidente del Comite de Defensa Nacional de la Republica Popular Democratica de Corea, realizo del 26 al 30 de agosto una visita extraoficial a la Republica Popular China para cumplir la invitacion del Secretario General del CC del Partido Comunista de China y Presidente de la Republica Popular China, Hu Jintao.


Le acompanaron Kim Yong Chun, vicepresidente del CDN de la RPDC y ministro de las Fuerzas Armadas Populares; Kim Ki Nam, secretario del CC del PTC; Thae Jong Su, jefe de departamento del CC del PTC; Kang Sok Ju, primer viceministro de Relaciones Exteriores; Jang Song Thaek, Hong Sok Hyong, Kim Yong Il y Kim Yang Gon, jefes de departamento del CC del PTC; Choe Ryong Hae, secretario responsable del Comite del PTC en la Provincia de Hwanghae del Norte; Kim Phyong Hae, secretario responsable del Comite del PTC en la Provincia de Phyong-an del Norte; y Pak To Chun, secretario responsable del Comite del PTC en la Provincia de Jagang.

Los dirigentes del partido y el Estado y los habitantes de China dieron calurosa bienvenida al Dirigente quien volvio a visitar su pais y le trataron con toda sinceridad.

El Dirigente se reunio el dia 27 en la ciudad de Changchun con el Presidente Hu Jintao y departio cordialmente con el.

En la ocasion participaron por la parte china Ling Jihua, miembro del Secretariado y director de la Oficina General, del CC del PCCh; Dai Bingguo, consejero de Estado; Wang Jiarui, jefe del Departamento de Enlace Internacional del CC del PCCh; Yang Jiechi, ministro de Relaciones Exteriores; Zhang Ping, ministro encargado de la Comision del Desarrollo Nacional y Reforma; Chen Deming, ministro de Comercio; Liu Jieyi, subjefe del Departamento de Enlace Internacional del CC del PCCh; y el embajador chino en Corea Liu Hongcai.

En representacion del partido, el gobierno y el pueblo de China, Hu Jintao dio calurosa bienvenida al Dirigente Kim Jong Il por su visita a China y dijo que la visita del Dirigente a las provincias de Jilin y Heilongjiang, donde se echaron las raices historicas de la amistad China-Corea en medio de la lucha conjunta contra los agresores extranjeros reviste una importancia especial para llevar a una etapa mas elevada las tradicionales relaciones de amistad y cooperacion entre los dos paises.

El Dirigente Kim Jong Il volvio a visitar a China a los 4 meses desde su ultima visita realizada en mayo pasado y esto comprueba claramente que el concede mucha importancia a la tradicional amistad Corea-China, preparada por los dirigentes de la generacion veterana de los dos paises, afirmo Hu Jintao apreciando mucho el aporte del Dirigente al constante desarrollo de la amistad bilateral.

El Dirigente dijo que le complace reencontrarse con el Secretario General Hu Jintao a los 4 meses y agradecio profundamente al segundo por haberle acogido con amabilidad y tratado con hospitalidad despues de tomar el largo viaje hasta a Changchun aunque esta muy ocupado.

Los maximos dirigentes de los dos partidos y los dos paises se informaron en un ambiente camaraderil, sincero y amistoso la situacion de sus respectivos paises e intercambiaron francamente las opiniones sobre el desarrollo de las relaciones entre los dos partidos y los dos paises y otros importantes problemas internacionales y regionales de interes mutuo, de los cuales llegaron al consenso total.

Hu Jintao dijo que la tradicional amistad China-Corea es la valiosa riqueza de los partidos y pueblos de ambos paises y llevarla adelante junto con la epoca y transmitirla generacion tras generacion es la historica responsabilidad comun de ambas partes y agrego que consolidar las relaciones de amistad y cooperacion China-Corea es la orientacion invariable del partido y el gobierno de China.

En todas partes del nordeste chino estan grabadas imborrables huellas revolucionarias del Presidente Kim Il Sung y a traves de su larga lucha, el logro la independencia de Corea e hizo gran aporte tambien al triunfo de la revolucion china, recordo.

Fortalecer la cooperacion China-Corea conviene a impulsar mejor la construccion socialista en ambos paises y a defender y promover los intereses comunes, la paz, la estabilidad y la prosperidad de la region, destaco.

La parte china desea de veras defender y desarrollar junto con la parte coreana las relaciones de amistad y cooperacion entre los dos paises, asevero y expreso la voluntad de inyectar mas nueva vitalidad y dinamismo en la tradicional amistad China-Corea, promover y desarrollar con mas profundidad las relaciones de buena vecindad y de cooperacion entre los dos paises, para asegurar asi la mayor felicidad a los dos paises y los dos pueblos y hacer mayor contribucion a la paz, la estabilidad, la prosperidad y el desarrollo del Nordeste Asiatico y el resto del mundo.

El Dirigente Kim Jong Il senalo que la amistad Corea-China de larga tradicion, que supero las pruebas de la historia, no se puede cambiar aunque pase mucho tiempo y se sucedan las generaciones, y volvio a exponer la invariable voluntad y decision del partido y el gobierno de Corea de desarrollar mas las relaciones de amistad y cooperacion Corea-China.

El nordeste chino es la region inolvidable en que el Presidente Kim Il Sung realizo la ardua lucha revolucionaria durante mas de 20 anos junto con los revolucionarios y habitantes chinos tomando el agua y respirando el aire de esta zona, dijo y continuo que estaban siempre presentes en la mente del Presidente las montanas y llanuras entranables de esta region y los companeros chinos con quienes luchaba.

En la presente visita me quede muy impresionado viendo directamente el aspecto desarrollado del nordeste chino que cambia su fisonomia con el paso de los dias, subrayo el Dirigente y senalo que este cambio maravilloso deviene la demostracion de la justeza y la vitalidad de la estrategia de progresar esta region, presentada por el partido y el gobierno de China.

En las conversaciones fue evaluado que han sido fomentadas y desarrolladas mas conforme al ideal socialista las relaciones de amistad y cooperacion entre los dos partidos y dos paises despues de la cumbre Corea-China celebrada en varias ocasiones en los ultimos anos y fueron expresados el apoyo reciproco y la firme solidaridad con la lucha de los dos partidos y los dos pueblos por la construccion socialista y la reunificacion de la patria.

Hu Jintao evaluo altamente las medidas activas de Corea tomadas para defender la estabilidad, desarrollar la economia y mejorar la vida del pueblo y deseo de todo corazon que el pueblo coreano logre mayores exitos en la causa de construccion estatal bajo la direccion del PTC encabezado por su Secretario General Kim Jong Il.

Expreso el apoyo al partido y al pueblo de Corea que mantienen la direccion de desarrollo del socialismo y a los camaradas coreanos que exploran el camino de desarrollo conforme a la realidad de su pais. Y manifesto la conviccion de que bajo la guia del Dirigente Kim Jong Il, todo el partido y todo el pais lograran sin falta nuevos exitos en la lucha por cumplir la causa de construccion de un Estado prospero mediante la unidad mas estrecha y la lucha tenaz.

El Dirigente expreso la confianza de que bajo la direccion del PCCh encabezado por su Secretario General Hu Jintao, el pueblo chino logre incesantemente una nueva y gran victoria en el proceso historico de fortalecer el Poder del partido, poner en practica la concepcion del desarrollo cientifico y construir una sociedad armoniosa.

Ambas partes intercambiaron de manera sincera las opiniones sobre los problemas internacionales y regionales de interes mutuo, en particular sobre la situacion del Nordeste Asiatico, y llegaron a la completa identidad de criterios.

Hu Jintao ofrecio el dia 27 por la noche en la Casa Estatal de Huespedes de Nanhu de la ciudad de Changchun un banquete solemne para dar bienvenida al Dirigente.

Junto con el Dirigente, fueron invitados a la recepcion Kim Yong Chun, Kim Ki Nam, Thae Jong Su, Kang Sok Ju, Jang Song Thaek, Hong Sok Hyong, Kim Yong Il, Kim Yang Gon, Choe Ryong Hae, Kim Phyong Hae, Pak To Chun y otros acompanantes, asi como el embajador de la RPDC en la RPCh, Choe Pyong Gwan.

Tambien, estuvieron presentes Ling Jihua, miembro del Secretariado y director de la Oficina General del CC del PCCh; Dai Bingguo, consejero de Estado; Wang Jiarui, jefe del Departamento de Enlace Internacional del CC del PCCh; Yang Jiechi, ministro de Relaciones Exteriores; Zhang Ping, ministro encargado de la Comision del Desarrollo Nacional y Reforma; Chen Deming, ministro de Comercio; Liu Zhijun, ministro de Ferrocarriles; Liu Jieyi, subjefe del Departamento de Enlace Internacional del CC del PCCh; y Liu Hongcai, embajador de la RPCh en la RPDC; Sun Zhengcai, secretario del Comite del PCCh en la Provincia de Jilin; Wang Yulin, gobernador del gobierno popular de la Provincia de Jilin; Gao Guangbin, secretario del Comite del PCCh en la Ciudad de Changchun; y otros cuadros del centro y las localidades.

En la ocasion hicieron uso de la palabra Hu Jintao y Kim Jong Il.

El mismo dia, en el teatro de la Casa Estatal de Huespedes de Nanhu fue efectuada la funcion artistica preparada especialmente por los artistas chinos para dar bienvenida al Dirigente quien la disfruto en compania de Hu Jintao.

El Dirigente envio un cesto de flores felicitando los exitos de los ejecutantes logrados en la funcion.

El Secretario General Hu Jintao intercambio el cordial saludo de despedida con el Dirigente Kim Jong Il.

Durante 5 dias, el Dirigente recorrio varias ciudades de las provincias chinas de Jilin y Heilongjiang donde los habitantes le dieron una calida y sincera bienvenida.

El Dirigente visito la ciudad de Jilin, uno de los lugares relacionados con las actividades revolucionarias del Presidente Kim Il Sung.

En la estacion ferroviaria de Jilin, el Dirigente fue acogido por los cuadros del centro y localidades como Dai Bingguo, Wang Jiarui, Liu Zhijun, Liu Hongcai, Sun Zhengcai, y Chen Weigen, vice-gobernador del Gobierno Popular de la Provincia de Jilin.

El Dirigente departio cordialmente con Dai Bingguo.

Dai Bingguo subrayo que el Secretario General Hu Jintao, quien atribuye gran importancia a la amistad China-Corea, me envio a Jilin para acoger especialmente al Secretario General Kim Jong Il y felicito calurosamente la visita a China del Dirigente en representacion del camarada Hu Jintao, el CC del PCCh y el Consejo de Estado de la RPCh.

Destaco que la presente visita a China del Secretario General Kim Jong Il constituye un evento historico que se registrara con letras doradas en el fortalecimiento y el desarrollo de la amistad China-Corea y subrayo que el pueblo chino se regocija y felicita sinceramente por muchos exitos que bajo la guia del Dirigente, el pueblo coreano alcanza en la realizacion de la causa de la construccion de gran potencia prospera y otros diversos dominios.

Apunto que el colectivo central de direccion incluido el Secretario General Hu Jintao atribuye suma importancia a la amistad China-Corea y volvio a exponer la inconmovible posicion del partido y el gobierno de China de consolidar incesantemente las tradicionales relaciones de amistad y cooperacion entre los dos paises.

Guiado por Dai Bingguo y otros cuadros directivos del centro y localidades, el Dirigente recorrio diversos lugares de la ciudad de Jilin.

Primeramente, el Dirigente estuvo en la Escuela Secundaria Yuwen de Jilin donde el Presidente habia estudiado de 1927 a 1929.

Al llegar a la escuela recibiendo la calurosa bienvenida de los profesores, empleados y alumnos, el Dirigente rindio sublime homenaje al Presidente tras depositar ante su estatua de bronce el cesto de flores y recorrio el interior de la escuela que conserva su estado original.

Viendo con reverencia la mesa, la silla y otros objetos historicos donde estan empapadas las huellas del Presidente en sus dias escolares de hace mas de 80 anos, no pudo contener emociones de respeto.

Para el Dirigente que visito la escuela, el coro de estudiantes canto la "Cancion del General Kim Il Sung" con el sentimiento de infinita veneracion al Presidente Kim Il Sung, gran hombre sin igual.

Al termino de su recorrido, el Dirigente dejo al plantel docente el autografo como sigue: "Deseo que forme a mucho mas funcionarios competentes la Escuela Secundaria Yuwen, que es el simbolo de la amistad Corea-China y tiene la larga historia y tradicion. El 26 de agosto de 2010. Kim Jong Il".

La directora de este plantel He Manli subrayo que para la escuela, via de la amistad China-Corea, la visita del Dirigente que esperaba tanto, no solo es la maxima gloria y orgullo, sino tambien el precioso estimulo espiritual para ellos, expreso su determinacion de hacer florecer de generacion en generacion la amistad China-Corea y le deseo al Dirigente buena salud.

Luego, el Dirigente visito el templo Yaowangmiao en el Parque Beishan, uno de los lugares secretos que el Presidente usaba a menudo en sus primeras actividades revolucionarias.

Tras escuchar las explicaciones sobre las actividades revolucionarias del Presidente en el Templo, dio vueltas por el sotano, donde el Presidente realizo la reunion secreta y los edificios principales del templo.

El Dirigente expreso profundo agradecimiento por lo que el Partido, el gobierno y el pueblo de China conservan con sinceridad los objetos historicos del Presidente dandoles gran atencion.

Acto seguido, el Dirigente visito el Grupo de Fibra Quimica de Jilin que produce variadas fibras sinteticas y el historico edificio de Iglesia Catolica de la ciudad de Jilin y contemplo esta ciudad que se transforma nuevamente.

El Dirigente asevero que Jilin fue el lugar donde habia vivido antes y anadio que esta vez, volviendo a visitarlo estuvo muy emocionado y se sintio mucho en el lugar antiguo que logro gran cambio y el desarrollo digno de alegrarse.

Dai Bingguo ofrecio un banquete en honor del Dirigente.

El Dirigente recibio presente preparado con sinceridad por la ciudad de Jilin.

El visito la ciudad de Changchun, cabeza de la provincia de Jilin.

Fue acogido por Sun Zhengcai, Wang Yulin, Gao Guangbin, Cui Jie y otros cuadros directivos del partido y el gobierno de la provincia y la ciudad.

El Dirigente departio cordialmente con Sun Zhengcai.

Sun Zhengcai senalo que la visita del Dirigente a la provincia de Jilin en que conservan muchos objetos revolucionarios del Presidente Kim Il Sung, intimo amigo del pueblo chino, es gran honor y alegria para la provincia y felicito calurosamente la historica visita del Dirigente.

Anadio que la presente visita a China del Secretario General Kim Jong Il constituye el otro evento que tiene la historica significacion en el desarrollo de las relaciones de los dos paises y le expreso el mas profundo homenaje al Dirigente quien hace ingentes esfuerzos por el fortalecimiento y el desarrollo de la amistad China-Corea.

Sun Zhengcai aprecio mucho los exitos alcanzados por el pueblo coreano en la lucha por abrir las puertas a la gran potencia prospera y explico el estado de desarrollo de la provincia de Jilin.

Guiado por los cuadros de la provincia y en compania de los cuadros del centro, el Dirigente visito la Exposicion Agricola de Changchun y la Compania de Vagones de Changchun y contemplo el panorama nocturno de la ciudad de Changchun.

El evaluo altamente los exitos excelentes logrados por la provincia de Jilin y la ciudad de Changchun en desarrollo vertiginoso bajo la direccion del PCCh.

Para dar bienvenida al Dirigente por su visita a la provincia, el Comite del PCCh en esta provincia ofrecio un gran banquete y le hizo regalo.

El Dirigente Kim Jong Il visito la ciudad de Harbin, cabeza de la provincia de Heilongjiang.

Le acogieron en la estacion de Harbin el secretario del Comite del PCCh en esta provincia, Ji Bingxuan, el gobernador interino de la provincia, Wang Xiankui, y otros cuadros del partido y el gobierno de la provincia y la ciudad.

El Dirigente sostuvo conversaciones cordiales con Ji Bingxuan.

Ji Bingxuan dijo que es un gran jubilo de su provincia tener al Dirigente en esta provincia en el extremo norte del nordeste chino y le dio la calida bienvenida en representacion de todos los habitantes provinciales.

Prosiguio que los habitantes de la provincia estan complacidos de todos los exitos, logrados por el hermano pueblo coreano en la revolucion y la construccion bajo la direccion del Dirigente Kim Jong Il, considerandolos como los propios y le deseo mayores exitos en la construccion de la gran potencia prospera socialista.

El Dirigente expreso el agradecimiento a los cuadros directivos y los habitantes de la provincia de Heilongjiang por el agasajo sincero.

Bajo la guia de Dai Bingguo y otros cuadros acompanantes del centro y los funcionarios directivos de la provincia y la ciudad, el Dirigente recorrio la Compania de Alimentos Huijiang de Harbin, y el Grupo Electrico de Harbin.

El Dirigente subrayo que gracias a los esfuerzos creadores de los obreros y otros trabajadores de esta ciudad, la ciudad de Harbin se transforma cada dia mas modernamente y felicito sus exitos de trabajo.

El Comite del PCCh en la Provincia de Heilongjiang ofrecio un banquete solemne de despedida en honor del Dirigente, quien finalizo su visita a China, y le dio presente.

El Dirigente recibio el calido saludo de despedida de Dai Bingguo y los cuadros directivos de la provincia.

Recorriendo el nordeste chino de miles ries (10 ries equivalen a 4 kilometros), el Dirigente se entero profundamente de la idiosincrasia del laborioso e inteligente pueblo chino y de todos los dominios como la economia y la cultura.

Recibiendo el cordial saludo de despedida de parte de Wang Jiarui y Liu Zhijun, quienes guiaron con toda sinceridad al Dirigente durante toda la visita, y otros cuadros del partido y el gobierno de China, el Dirigente Kim Jong Il llego sano y salvo a la patria.

La visita extraoficial del Dirigente a la RPCh culmino exitosamente en medio de la especial atencion y la cordial hospitalidad de Hu Jintao, el partido y el gobierno de China.

El Dirigente se mostro satisfecho del resultado de su visita y expreso su agradecimiento sincero por el agasajo esmerado de los cuadros directivos del partido y el gobierno de China y los habitantes del nordeste chino.

Esta historica visita del Dirigente a la RPCh se registrara en letras doradas en los anales de la amistad Corea-China como evento trascendental que tiene gran importancia para consolidar la tradicional amistad bilateral que se desarrolla cada dia mas favorablemente.

Fonte: KCNA

sábado, 28 de agosto de 2010

Barbárie imperialista: Cem anos da ocupação japonesa na Coréia (Parte I)

Traduzimos aqui os comentários da Embaixada da República Democrática Popular da Coréia sobre um informe de um porta-voz do Ministério de Relações Estrangeiras da RDP da Coréia, por ocasião dos cem anos em que foi feito o tal “Tratado de Anexação Japão-Coréia”. Tal “tratado” foi, na verdade, um dos piores atentados do século XX à soberania de uma nação. É certo que a humanidade, em todas as épocas históricas, passou por atentados à soberania, pelo extermínio de populações inteiras. Porém, poucas superaram ou chegaram ao mesmo nível que a opressão japonesa na Coréia.


Recapitulação histórica


 A nação coreana, em praticamente todas as épocas, milenarmente, tratou-se de uma nação oprimida. Mesmo com uma bela cultura, com um grande povo, foi negado à nação coreana o direito ao desenvolvimento, à democracia, à soberania e à independência. O fato de estar geograficamente próxima às grandes potências sempre pesou sobre seu destino, e negou-se ao povo coreano o direito de resolver por seu próprio caminho os problemas nacionais. A Coréia aparece na História desde o século II a.C. Até então, a mesma encontrava-se dividida em tribos e no ano 108 a.C., o imperador chinês apodera-se da parte norte do país, cujo controle irá manter até o século IV d.C. Neste século, as tribos unificam-se por meio das guerras de conquista, que irá formar no atual território coreano três reinos principais: Silla (a leste), Paiktché (a sudoeste) e Kokuryo (este último compreendendo o atual território de Pyongyang, e o extremo norte da Coréia atual, a península de Liao-Tung e uma grande parte da Manchúria). No século VII realiza-se a unificação pelos reis de Silla e, em seguida, os chineses são expulsos. Nos princípios do século X, num período de tumultos, a dinastia dos Wang toma o poder, fixa a capital em Songdo (atual Kaesong) e dá ao Estado o nome de "Koryo".

A invasão dos mongóis irá por um fim à independência da Coréia, bem como à da China, de 1231 a 1392. Com a queda da dominação mongol, estabelece-se a dinastia dos Li (1392-1910). Tal dinastia representa o grupo favorável à dominação chinesa. Tanto que, durante este período histórico de 1392 a 1910, quase todas as instituições do país foram copiadas de acordo com modelo chinês, entre as quais os exames mandarins, o pagamento de um pesado tributo das massas camponesas ao rei, e o confucionismo como religião do Estado. Porém, a adoção do confucionismo como religião de Estado não deixou desaparecer o budismo e as crenças tradicionais baseadas no “chamanismo”.

Do século XVII ao século XIX, a história da Coréia seguirá um paralelo com a da China e a do Japão, o que irá resultar basicamente num “fechar a si mesmo” em relação ao resto do mundo. Porém, no final do século XIX, as grandes potências européias irão forçá-la, à base do canhão, uma “abertura” com relação ao resto do mundo. Abre-se as portas para a imigração japonesa. Como conseqüência da vitória destes na guerra russo-japonesa, teremos o estabelecimento do protetorado japonês na Coréia em 1905, até sua anexação em 1910.


Início da agressão japonesa


O que salta aos olhos, portanto, como já havíamos assinalado no início do texto, é que em nenhum momento de sua História, antes da libertação em 1945, o povo coreano teve a possibilidade de se desenvolver de maneira soberana, democrática e de garantir a si mesmo o direito à independência. A Ideia Juche, desenvolvida pelo Grande Líder, patriota sem igual e exemplo de combatente revolucionário marxista-leninista, Kim Il Sung, irá "botar um acento" na questão da independência. Temos aqui, portanto, quais são as raízes históricas dessa Ideia revolucionária. Kim Jong Il, em seu clássico Sobre a Ideia Juche, explica que a História da humanidade é a história da luta das massas populares pelo Zazuzong (que, em coreano, significa Independência), explica que as massas populares, outrora oprimidas e humilhadas, aparecem agora como donas do mundo e possuem autonomia para assinalarem o caminho mais correto para forjarem seu destino.

Com a ocupação japonesa na Coréia, mais de 200 mil mulheres foram transformadas em escravas sexuais do Exército Japonês
De 1910 a 1945, a Coréia passará pelo período mais sombrio e obscuro de sua História, como colônia japonesa. O Tratado de Anexação Coréia-Japão irá, de uma vez por todas, fazer com que tudo (inclusive os seres humanos) sejam propriedades do Estado fascista Japonês. Numa fase que se estende até o início dos anos 30, a Coréia é para os japoneses uma colônia rural de exploração que se espera transformar numa colônia de povoamento. Os japoneses se apropriaram de grande parte do solo. Em 1912, uma lei ordenou aos proprietários que registrassem suas terras. Só os grandes proprietários rurais, regra geral, puderam cumprir as disposições da lei. Os outros, por ignorância ou falta de meios, omitiram em proceder ao registro suas propriedades. As terras não registradas foram consideradas “bens vacantes” e passadas ao controle do Estado japonês. No ano de 1942, os japoneses possuíam cerca de 80% das florestas e 25% das superfícies cultivadas. Em 1925, contavam-se em cerca de 425 mil o número de japoneses na Coréia. Eles tinham em suas mãos toda a vida econômica do país: proprietários de arrozais, de terrenos de construção, pescadores, comerciantes, etc. A distribuição da população ativa agrícola traduz uma pauperização das massas da população camponesa.

Porém, a par da colonização, novas grandes forças produtivas são instaladas na colônia. As sociedades de colonização japonesa irão introduzir os primeiros ordenamentos modernos de irrigação e drenagem, e irão partir para o emprego de adubos.

A Grande Depressão Econômica mundial e a Segunda Guerra Mundial irão mudar o estilo de colonização japonesa na Coréia. Para atender às demandas do Japão na guerra e para sobreviver à crise econômica, os coreanos serão submetidos a uma exploração desenfreada e sem precedentes. Vejamos aqui, com dados na mão, no que consistia a exploração e a pauperização agravada das massas populares por decorrência desses dois acontecimentos históricos:

O Japão é deficiente em quase todas as matérias-primas industriais. Por causa disso, ele terá de buscar em suas colônias (Coreia e Manchúria) as matérias-primas indispensáveis para sobreviver aos últimos acontecimentos, buscando inclusive estabelecer em tais localidades algumas indústrias de base. Ora, a Coréia (sobretudo a Coréia do Norte) é rica em minerais e em fontes de energia. Dispõe de enormes reservas de minério de ferro, antracite, linhite, cobre, tungstênio, níquel, cobalto, etc. No nordeste, possui uma reserva de mais de 3,6 milhões de toneladas de magnesite. Estes recursos farão com que a Coréia, em 1944, seja primeira produtora de grafite no mundo.

A valorização desses recursos se dará num ritmo altamente acelerado. De 1932 a 1945, o volume da produção industrial tornou-se quinze vezes maior. Porém, esse desenvolvimento não é de forma alguma auto-centrado. Está destinado a cobrir as demandas da indústria japonesa: 100% do consumo de magnesite, grafite, mica e boro são destinados para o Japão, assim como 85% do consumo de molibdeno, 22% do consumo de bauxita, 14% do consumo de coque e 11% do consumo de aço. A indústria fornece, sobretudo, produtos semi-elaborados para serem utilizados como matéria prima: coque, fundição e aço, adubos ou equipamentos militares. As indústrias têxteis, alimentares, mecânicas, praticamente não existiam. Toda esta produção é dominada pelo capital japonês, que se constituía em 89% na economia coreana em 1938, e 97% em 1943.


A Coréia é libertada


O resultado deste crescimento econômico é que se constitui, no país, uma classe operária relativamente pequena (732 mil operários em 1943, dos quais 550 mil empregados da indústria). Olhemos, finalmente, o resultado deste crescimento colonial e dessa exploração desenfreada: de 1912 a 1936, o consumo de arroz por habitante diminui pela metade. Em 1936, ele é inferior a um terço da média japonesa, que em si já é pequena. Os salários são inferiores a metade do salário médio japoneses, que também é igualmente baixo. É sob esse contexto que se dá a libertação da Coreia em 1945, realizada em conjunto pelo Exército Popular da Coreia (liderado pelo Grande Líder, Camarada Kim Il Sung) e pelo Exército Vermelho da URSS.

Esta libertação realizada pelas forças revolucionárias dará às massas populares da Coréia, pela primeira vez em sua História, a possibilidade de decidirem sob seu destino de maneira independente, sem a intervenção de qualquer potência estrangeira, fosse ela os Estados Unidos ou a União Soviética. Porém, a independência da Coreia e a libertação de seu povo ainda não foram completamente realizadas. Até hoje, mesmo após a assinatura do armistício em 1953, as tropas norte-americanas ainda estão ocupando a parte Sul da Coréia e ainda mantêm trinta e oito bases militares na Península. Além disso, o país permanece dividido pelo imperialismo. Milhões de pais, filhos, irmãos e irmãs deixam de se ver pela simples vontade de círculos empresariais, que não se contentam em ver que existe um pequeno país, no extremo leste do continente asiático, no qual estes foram derrotados. Sim, foram derrotados na RDP da Coréia e o serão no mundo inteiro, esta é uma lei objetiva da marcha da História. Da nossa parte, nós, comunistas brasileiros, com um grande sentimento de solidariedade internacionalista e carinho para com nossos irmãos coreanos que constroem o socialismo e batalham constantemente para que o país não continue absurdamente dividido, manifestamos nosso apoio incondicional à luta destes. Estamos aqui postando e traduzindo os comentários da Embaixada da RDP da Coreia no Brasil sobre o informe, por ocasião dos cem anos da agressão japonesa à Coreia.
______________________________________________________________________


Porta-voz do Ministério de Relações Estrangeiras pede ao Japão para se desculpar e fazer a devida indenização

Pyongyang, 20 de agosto (KCNA) – Um porta-voz do Ministério de Relações Estrangeiras da República Democrática Popular da Coreia liberou um informe por acasião do centenário da odiosa fabricação do Japão do “Tratado de Anexação Coreia-Japão” pela força das armas, pela anexação ilegal da Coreia. “Não existem palavras para explicar os danos humanos, psicológicos e materiais causados pelos imperialistas japoneses ao povo coreano durante a tirania colonial”, diz o informe. “Mais de 1 milhão de coreanos foram mortos, ao menos 8,4 milhões de coreanos, entre jovens e adultos, foram arrastados para o trabalho escravo e viveram as chagas da guerra de agressão, e cerca de 200 mil mulheres coreanas foram arrastadas para selvageria da escravidão sexual”, noticiou mais uma vez o informe.

Sem dúvidas, existiu uma era colonial na História humana, mas não se conhece até hoje uma colonização como a japonesa, que impôs, inclusive, a bárbara política de impor sua cultura a outras nações, de privá-las de sua cultura nativa, de suas línguas natais, de suas escritas, proibindo-as de terem nomes nacionais, de seu povo. Tiveram a depravada a atitude roubar até arroz, talheres, utensílios básicos de cada casa. “O centenário que se passa aqui, é o centenário da história na qual o Japão cometeu crimes mas se recusa a se redimir destes, é a história na qual o povo coreano sofreu danos causados pelo Japão”, diz o informe, e prossegue:

O atual regime japonês deve pedir desculpas e indenizar todas as suas vítimas do passado, sem qualquer pré-condição ou preconceito. O Japão jamais poderá se livrar da obrigação de se desculpar e indenizar a RDP da Coreia pelos crimes do passado. O mesmo deve se desculpar imediatamente e indenizar o país pelos obscuros crimes cometidos contra o povo coreano depois de usurparem a soberania nacional através de fabricação de “tratados” inválidos. Se não o fizer, jamais receberá apoio da comunidade internacional.

O Japão deve honestamente se arrepender de todos os atos perpetrados contra da RDP da Coreia e contra a Associação Geral de Coreanos Residentes no Japão depois da derrota desta política hostil para com a RDPC. Fazê-lo será a mínima obrigação a ser feita pelo Japão, que está sob a influência cultural da Coreia e está no caminho para se redimir de seus crimes. Fazê-lo será um avanço na promoção da paz, da estabilidade da região e da segurança no Japão.


A Agência Central Coreana de Notícias (KCNA) bota o “Tratado de Anexação Coreia-Japão” como Terrorismo de Estado declarado

Pyongyang, 20 de Agosto (KCNA) – A Agência Central Coreana de Notícias declarou nesta quinta-feira a acusação segundo a qual “O ‘Tratado de Anexação Coreia-Japão’ é terrorismo de estado perpetrado pelas autoridades japonesas numa parte do século, desde que o Japão privou a Coreia de sua soberania nacional através da ‘anexação’”. A acusação diz:

“A ‘Anexação Coreia-Japão’ foi um terrorismo de estado cometido pelas autoridades japonesas contra um Estado soberano através do uso do governo e do poder militar. O Japão fez sistemáticas preparações para privar a Coreia da soberania nacional por um longo período de tempo. Depois da ‘Restauração Meiji’ em 1868, o Japão advogou a “Teoria da Conquista da Coreia” que dizia que “conquistar a Coreia pela força militar para a prosperidade do Japão e do Estado Imperial”, baixando uma política de fundação da “Anexação Coreia-Japão”.

Neste período subseqüente, o Japão fabricou o “Tratado de Cinco Pontos ‘Ulsa’”, o “Tratado ‘Jongmi’ de Sete Pontos”, etc. para ter em mãos o direito diplomático e o direito de administrar assuntos judiciais e internos do governo feudal da Dinastia Ri, dessa forma transformando a Coreia de fato numa colônia e construindo uma fundação política e diplomática para a anexação.

Em fevereiro de 1906, o Japão criou a “Residência-Geral” na Coreia com o intuito de levar a cabo a tão visada “Anexação Coreia-Japão”. O Japão fez grandes esforços com a força militar para atingir tal propósito. Na base destas preparações as autoridades japonesas fizeram um encontro em 1909 em que tomaram a decisão que dizia: “Este será o método mais definitivo que mostrará nossa habilidade na península coreana para anexá-la e torná-la parte do Estado Imperial”. Em outro encontro feito em julho de 1910, o Japão finalmente montou o cenário para ocupar a Coreia, dizendo que a mesma era uma “casa” da realeza e que era totalmente legítimo anexar seu território.

Dessa forma, o Japão forçou a anexação da Coreia e trabalhou duro para eliminar seu Imperador, o representante supremo da velha Coreia, da arena política. No tal “Tratado”, o Japão clamava por um documento legal que tornaria legitima a anexação da Coreia pelo Japão, tal documento dizia: “Sua Majestade, Imperador da Coreia, transferiu permanentemente todos os direitos para governar todo o território da Coreia e Sua Majestade, Imperador do Japão, aprovou transferi-lo do formal para materializá-lo, e aprovou a completa anexação da Coreia ao Império Japonês.

Os executores das políticas japonesas na Coreia fizeram desesperados esforços para destronar o Imperador da Coreia para reduzi-lo a um mero fantoche do Japão sob a direção e os desmandos das autoridades. “Mensagens da anexação da Coreia enviadas e recebidas”, mensagens confidenciais trocas entre a “Residência-Geral” e o Gabinete Japonês reportavam diariamente sobre a ocupação, continha escritos e estratégias específicos levadas a cabo pelas autoridades japonesas para realizar a anexação. A maioria destas continha detalhes sobre qual seria o nome da Coreia depois da anexação, e como mudá-la para satisfazer aos caprichos reais. Essa é uma clara prova sob o quão persistentemente o Japão tentou eliminar a representatividade da velha Coreia.

Absolutamente imperdoável foi a ação arrogante tomada pelo Japão para destronar o Imperador da Coreia para assim reduzi-lo a um mero fantoche do Estado Japonês.

A supressão da liderança de Estado da Coreia a mais evidente manifestação de terrorismo de Estado. Por causa da supressão e do insulto à liderança de estado, seu povo viveu sob o terror de ser membro de uma nação sem estado, sob o terror de o destino nacional ter sido levado à ruína. Os arqui-criminosos que fabricaram a “Anexação Coreia-Japão” foram o rei do Japão e seus lacaios, que agiram de acordo com suas ordens e diretrizes.

_____________________________________________________________________

Introdução ao texto: Blog de Solidariedade à Coréia Popular
Tradução: Blog de Solidariedade à Coréia Popular
Texto: Embaixada RDP da Coréia no Brasil

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Cinquenta anos defendendo o Socialismo mediante o Songun

Recebemos um texto da Embaixada da República Democrática Popular da Coreia, que fala sob a defesa de Kim Jong Il do socialismo, sob a bandeira de Songun, há cinqüenta anos. Ao lado da Ideia Juche, o Songun também constitui uma das filosofias que guiam o povo coreano na construção do socialismo. Confira:




No dia 25 de agosto de 1960, o dirigente Kim Jong Il começou sua direção mediante a política Songun (priorização de assuntos militares) visitando a divisão dos tanques 105 guarda “Seul” Ryu Kyong Su do Exército Popular da Coreia, o que viria a ser um grande capítulo na História da Revolução Coreana.

Esta, a História da Revolução Coreana, foi iniciada pelo fundador da Coreia Socialista, o Presidente Kim Il Sung (1912-1994). No princípio das suas atividades revolucionárias para resgatar o país da ocupação militar (1905-1945) do imperialismo japonês, formulou, junto com a Ideia Juche, o Songun, e fundou no dia 25 de Abril de 1932 o Exército Revolucionário Popular da Coréia (atencedente do Exército Popular da Coreia), e, depois de 15 anos da luta armada anti-japonesa, libertou a nação em agosto de 1945. Desenvolvendo sua linha de apreciar o rifle e os assuntos militares, deu na Guerra de Libertação da Pátria (conhecida aqui no Ocidente como Guerra da Coreia, 1950-1953) para os EUA, que deflagraram a guerra vangloriando-se da sua “supremacia” mundial, as primeiras e vergonhosas derrotas na sua História e salvaguardou honrosamente a soberania e a dignidade da sua nação.

Quem sentiu na pele, mais do que ninguém, a verdade de que sobre o rifle descansam o destino da nação e a paz, foi o Dirigente Kim Jong Il, que nasceu num acampamento da guerrilha, cresceu no fragor dos combates durante a luta armada anti-japonesa, e cultivou uma inteligência e espírito de eminente general à mesa de operação do Comando Supremo durante a guerra na Coreia. Assim foi como quando fez aquela visita aos tanques 105, oferecendo uma garantia decisiva à continuidade da história e a tradição da causa revolucionária do Songun.

Graças a sua direção, o Exército Popular da Coreia se reforçou de maneira invencível. Para seu reforço, o Dirigente prestou especial atenção à sua preparação política e ideológica. Implantando um firme sistema de direção do Partido do Trabalho, sobre ele consolidou a base da política de Songun, materializando a questão da identificação de todo o Exército com a Ideia Juche fortaleceu marcadamente seu poderio político e ideológico. Como resultado, o Exército se mostrou como um exemplo de firmeza e capacidade ideológica, guiados pelo espírito de defender o Líder até a morte e de não capitular frente a qualquer perigo, e sem hesitação defender a Pátria e o povo.

 
O Dirigente Kim Jong Il também tem como estratégia inflexível a firme do Exército no aspecto técnico-militar. Desde longa data, atribuindo grande importância para alcançar este objetivo, veio adotando sucessivamente as medidas para armar o Exército com estratégias e táticas apropriadas às exigências da guerra moderna e às condições topográficas e geográficas, intensificando sua preparação técnico-militar. Por isso, todos os membros do Exército, de oficiais a soldados, foram preparados intensivamente tanto no aspecto técnico quanto no físico, e todos os seus ramos e armas tiveram equipamentos modernos de alta capacidade de poder e mobilidade. Ante a esses equipamentos técnicos, além dos originais métodos de guerra, não podem também fazer efeito os ataques aéreos, golpes a distância e guerra eletrônica da qual se vangloriam os norte-americanos. A Coreia tem, inclusive, poderosas forças de dissuasão, que podem combater as tentativas e ambições de qualquer inimigo, não importando o quão forte ele seja.

O dirigente Kim Jong Il, com sua orientação mediante o Songun, dirigiu a Coreia Socialista pelo caminho da vitória. Com relação a isso, os anos 90 do século passado possuem especial importância. Com o colapso dos países socialistas, a ofensiva anti-socialista do imperialismo se concentrou na Coreia. Nesta situação, o Dirigente coreano formulou o princípio do Songun de que o Exército significa o Partido, o Estado e o Povo e definiu a política de Songun como a principal modalidade da política socialista. O exército é responsável, além da defesa nacional, pela execução das tarefas mais importantes e difíceis da construção econômica socialista. O forte e nobre espírito da luta que os militares demonstram serve de modelo ideológico-espiritual para todo o povo. Com essa potencialidade, o Exército e o povo da Coreia se impuseram sobre a ofensiva que a autodenominada “única superpotência” mundial implanta para pressionar este mesmo povo, e defende sua soberania, sua dignidade, e sua construção socialista. Hoje, produz um novo e grande auge revolucionário para deixar aberta totalmente a porta da grande e próspera potência socialista, até 2010 em que se cumpre o centenário do Presidente Kim Il Sung.

Sob a liderança do Dirigente Kim Jong Il, mediante o Songun, a Coreia Socialista será vitoriosa.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

A importância da orientação “Songun” para a Coréia do Norte



Neste mês de agosto de 2010 se comemora na República Democrática Popular da Coréia 55 anos da libertação da Nação do jugo militar japonês. Foram 15 anos de luta anti-imperialista. Esta grande tarefa foi obra do povo coreano sob a direção do Exército Popular da Coréia, organização criada em 25 de abril de 1932 pelo líder Kim Il Sung (1912-1994). No dia 25 de agosto de 1960, o atual dirigente Kim Jong Il assumiu suas responsabilidades de direção mediante a orientação política de priorização militar, chamada de “Songun”, quando visitou a divisão de tanques 105 do Exército Popular da Coréia. As contingências impostas pela Guerra Fria e o cerco imposto pelo imperialismo norte-americano fizeram com que a questão da defesa nacional se tornasse o problema central da luta pela soberania em território coreano.

É importante destacar que logo após a vitória sobre o imperialismo japonês em fevereiro de 1947 – com base nas vitórias das primeiras eleições democráticas realizadas na parte norte da Coréia -- foi estabelecido o Comitê Popular da Coréia do Norte, a primeira representação institucional popular na história do país. Kim Il Sung, que foi eleito presidente nesta oportunidade, propôs a retirada simultânea das tropas soviéticas e norte-americanas da península da Coréia. Os Estados Unidos reagiram e instrumentalizaram o Conselho de Segurança da ONU para manter a ocupação da Coréia do Sul. Frente a esta nova situação, Kim Il Sung promoveu uma reunião em 1948 para consultar os líderes de organizações sociais e políticas da Península coreana propondo a urgente proclamação da República Democrática Popular da Coréia, como forma de manter a independência nacional e impedir a divisão do país.

Em 25 de agosto de 1948 houve eleições para a Assembléia Suprema do Povo com uma participação de 99,97% do eleitorado na parte norte da península e com 77,52% dos eleitores da parte sul, afetada pelas pressões e restrições de forças reacionárias. Ao final, foram eleitos 572 representantes do povo de ambas as Coréias, do Norte e do Sul. Em setembro deste mesmo ano de 1948 transcorreu a primeira sessão da Assembléia Suprema do Povo, em Pyongyang, quando Kim Il Sung foi eleito Presidente do Conselho de Ministros e Chefe de Estado da República Democrática Popular da Coréia. Neste mesmo mês também foi proclamada a fundação da República. Os EUA então embarcaram numa aventura militar capitaneada pelo comandante militar americano na Ásia, o general Mac Arthur, que em 1953 foi o responsável ao lado do então presidente americano Eisenhower pela histórica primeira derrota americana após o fim da segunda Guerra Mundial. Neste ano foi assinado o armistício pelo qual os EUA reconheceram a vitória do povo coreano na chamada Guerra da Coréia e no qual a Coréia do Norte salvaguardou a soberania e a dignidade da Nação.

Graças ao heroísmo e determinação do povo coreano, à direção correta do Exército Popular da Coréia, ao apoio de voluntários do Exército de Libertação da China e de manifestações de repúdio ao imperialismo norte-americano ocorridas em todo o mundo, inclusive no Brasil, os EUA foram derrotados. Nesta guerra a política de “Songun” foi fundamental para o enfrentamento político e ideológico dos invasores inimigos que tentavam recolonizar a Coréia. Desde estes fatos ocorridos no início da década de 50 do século passado até hoje, a RDP da Coréia vem se desenvolvendo, enfrentando as limitações impostas pelo imperialismo e as provocações do governo pró-americano da Coréia do Sul. A última delas foi o afundamento da canhoneira Cheonan por parte de agentes do serviço secreto americano e sul-coreano no Mar Amarelo. Com este argumento o comando americano no Pacífico organiza exercícios navais na região do Mar do Japão para intimidar a RDP da Coréia, que por sua vez tem rechaçado estas provocações e ao mesmo tempo vem se preparando para responder todas as investidas que por ventura os governos dos EUA e da Coréia do Sul possam cometer contra a soberania nacional.

Pedro Oliveira

Fonte: Portal Vermelho

domingo, 22 de agosto de 2010

Liberdade para o reverendo Han Sang Ryol

O pastor sul-coreano Han Sang Ryol é um conhecido pacifista e incansável lutador pela reunificação da Coréia. O pastor visitou a República Popular Democrática da Coréia para participar das comemorações do 10º aniversário da publicação da Declaração Conjunta de 15 de Junho, expressando assim a vontade das massas populares sul-coreanas em verem uma pátria reunificada. Ao voltar para a Coréia do Sul, foi preso pelas autoridades locais e enquadrado na brutal “lei de segurança nacional”, podendo até mesmo ser executado pelo estado fascista sul-coreano.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Crescimento: Blog firma parceria com Portal Vermelho

No dia 11 de agosto de 2010 foi oficialmente firmada uma parceria entre o blog Solidariedade à Coreia Popular e o Portal Vermelho, principal referência da esquerda brasileira na internet.

A parceira foi fixada após uma conversa entre 2 representantes do Blog e o editor-chefe do Vermelho, José Reinaldo, que elogiu o blog.

Esta parceria irá muito além da divulgação mútua, pois servirá também para a troca de experiências e informações entre estes 2 meios de comunicação que mantêm viva a chama do socialismo em meio as trevas da grande mídia pró-imperialista.

Toda solidariedade dos trabalhadores brasileiros aos povos em luta!

Para conferir o link do nosso blog no Portal Vermelho acesse a seção "outros blogs"

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Guerra da Coreia: A primeira derrota militar estadunidense

Há 60 anos eclodiu a guerra da Coreia. Este episódio, definitivamente, marcou o século 20. Foi primeiro conflito armado entre os dois campos nos quais se dividia o mundo: o socialista e o imperialista. Os Estados Unidos e seus aliados se utilizaram dos métodos mais bárbaros, como bombardeios massivos de alvos civis e utilização de armas bacteriológicas.

Por Augusto Buonicore *

Também foi ali que a principal potência capitalista sofreu sua primeira derrota numa guerra. Foi vencida pelo aguerrido exército popular norte-coreano, comandado por Kim Il-sung e pelos voluntários chineses.

Em outubro de 1949 foi proclamada a República Popular da China. O povo chinês, dirigido por Mao Tse-Tung, havia imposto uma grande derrota aos planos hegemonistas do imperialismo na Ásia. Alguns meses depois, o presidente Mao era recebido, com todas as honras, por Stalin na União Soviética. Os governos daqueles dois grandes países – agora dirigidos por forças socialistas – assinaram importantes acordos de cooperações econômico e militar. Formou-se, assim, um vasto campo democrático-popular que abarcava o leste da Europa e parte significativa do território asiático.

O avanço socialista e a guerra fria

Um pouco antes, outro acontecimento havia tirado o sono do governo dos Estados Unidos e de seus aliados ocidentais. A URSS explodiu seu primeiro artefato nuclear e quebrou, assim, o monopólio atômico estadunidense.

Desde então, a histeria anticomunista propagou-se nos principais países capitalistas. O ex primeiro ministro inglês Winston Churchill, num discurso feito nos Estados Unidos, declarou que uma “cortina de ferro” havia descido sobre a Europa oriental. Este era o sinal para o inicio do que se chamaria guerra fria.

Até a vitória da revolução chinesa, as próprias autoridades militares estadunidenses afirmavam que a península coreana estava fora do seu perímetro de segurança. Ou seja, sua localização geográfica não ameaçava diretamente os interesses daquela potência imperialista.

No entanto, nos círculos mais conservadores dos Estados Unidos, fortalecia a opinião de que todo planeta deveria ser considerado seu perímetro de segurança. Não era se deveria ceder um milímetro ao avanço das forças simpáticas ao socialismo. Haveria agora dois mundos antagônicos: o mundo comunista e o “mundo livre”. Deste último, comandado pelos EUA, fazia parte os regimes fascistas da Espanha e Portugal – e, também, as ditaduras latino-americanas.

A guerra quente na Coreia

A península da Coreia havia sido ocupada por mais de 40 anos pelo imperialismo japonês, que tentou transformá-la numa colônia, destruindo sua cultura e identidade nacional. Uma dura luta de resistência foi travada pelos comunistas, liderados pelo jovem Kim Il-sung. Durante a Segunda Guerra Mundial, eles conseguiram um aliado imprevisto: os Estados Unidos. Este último, atacado pelo Japão, entrou na guerra e concentrou suas ações militares na Ásia.

Nos primeiros anos da guerra, os soviéticos travavam lutas titânicas contra os poderosos exércitos de Hitler na frente européia. Depois de derrotá-los, passou a dar um maior apoio à libertação da China e da Coreia, contribuindo decididamente na expulsão dos invasores japoneses. Mas, o território coreano – como aconteceu com a Alemanha – acabou sendo dividido em duas zonas de ocupação militar, demarcadas pelo paralelo 38. O sul ficou sob supervisão dos Estados Unidos e o norte da URSS. O objetivo a médio prazo era unificar as duas partes numa única nação.

Porém, em agosto de 1948, desrespeitando o ritmo das negociações, os Estados Unidos promoveram a eleição de um governo títere no sul, fundando a República da Coreia. O novo presidente era Synghmam Rhee, um ardoroso anticomunista, que pensava unificar a península sob sua batuta, integrando-a ao campo imperialista. Como resposta, em setembro, foi constituída a República Popular da Coreia, presidida por Kim Il-sung.

Após a proclamação das duas repúblicas coreanas, os exércitos dos Estados Unidos e da URSS saíram da região. Acabava, assim, a tutela internacional. Contudo, as tensões entre os dois países – que não se reconheciam – aumentaram cada dia mais. As lideranças norte-coreanas denunciavam a ocorrência de constantes atos de provocação armada na sua fronteira. Esta foi a justificativa para que elas empreendessem uma grande ofensiva militar contra o governo de Synghmam Rhee, visando a unificação do país.

O Exército Popular da Coreia do Norte, em poucos dias, conquistou a capital sulista, Seul. A guerra parecia estar chegando ao fim, com uma vitória magistral das forças populares e socialistas. Este, com toda certeza, teria sido o resultado da guerra se a contenda tivesse ficado apenas nas mãos do povo coreano.

Invasão estrangeira e genocídio na Coreia

Os Estados Unidos, aproveitando-se da ausência da URSS, aprovou no Conselho de Segurança da ONU uma condenação à Coreia do Norte. Eles conseguiram também que a entidade formasse uma força especial de combate para “defender” a Coreia do Sul, ameaçada pelos comunistas. Os motivos para ausência dos soviéticos, que tinham direito a veto no Conselho de Segurança, são ainda desconhecidos.

Depois da fatídica decisão, que desmoralizou a ONU como instrumento da paz, soldados de 15 países foram mobilizados para combater na Coreia, embora o grosso das forças que lutaria naquele conflito viesse mesmo dos EUA. Por isso, o comando das operações militares coube ao general Douglas MacArthur, o mesmo que comandara os aliados na luta contra os japoneses no Pacífico.

Depois das várias derrotas desmoralizantes, que quase jogou seu exército de volta para o mar, encurralado numa estreita faixa de terra no sul da península, os EUA foram obrigados a mobilizar um aparato bélico ainda mais poderoso – o maior desde o final da Segunda Guerra Mundial. Seus aviões iniciaram os bombardeios criminosos por trás das linhas inimigas.

Começava nesse momento uma das páginas mais tenebrosas da história do século 20. Milhares de aviões despejavam diariamente toneladas de bombas sobre cidades e aldeias indefesas da Coreia do Norte. Todos os centros urbanos foram arrasados. Na capital não ficou nenhum edifício de pé. Pela primeira vez, foram usadas armas químicas e bacteriológicas em grande escala contra população civil. Os exércitos dos Estados Unidos e da ONU podiam, sem dificuldades, serem comparados aos de Hitler. Este era um claro sinal que tempos sombrios estavam chegando.

A entrada em cena dos aviões de caça soviéticos ajudou melhorar a situação, mas não pode quebrar a grande superioridade aérea dos Estados Unidos. A URSS era muito cautelosa para não ser acusada de estar envolvida no conflito ao lado dos norte-coreanos, contra uma decisão da ONU. Contudo, não há dúvida que sua ajuda foi decisiva, quer preparando os quadros militares norte-coreanos quer fornecendo os armamentos necessários. Vários pilotos e assessores soviéticos chegaram mesmo a participar dos combates.

O lado estadunidense não respeitou os acordos de Genebra. Os oficiais da Coreia do Sul mandavam degolar os soldados inimigos aprisionados. As fotos dessas cabeças decepadas, que correram o mundo, causaram embaraços para as forças da ONU. Também chocaram o mundo as imagens de mulheres e crianças carbonizadas sob os destroços das aldeias.

Cabe destacar o papel da URSS e do Movimento Comunista Internacional no desencadeamento de uma grande campanha – uma das maiores já vista na história – contra a agressão imperialista à Coreia, pela interdição das armas bacteriológicas e atômicas.

As tropas dos Estados Unidos e da ONU, desrespeitando o que fora lhes delegado, avançaram para além do paralelo 38, conquistando Pyongyang, capital nortista. Ficava claro que o plano era esmagar o Exército Popular, unificar a Coreia sob a batuta de Synghmam Rhee e transformá-la num protetorado americano na Ásia. O imperialismo teria assim uma importante “ponta de lança” contra a China.

A cartada chinesa

Os exércitos inimigos chegaram, perigosamente, muito próximos da fronteira chinesa, pondo em risco sua soberania e suas conquistas revolucionárias. Diante de tal ameaça, Mao Tse-Tung resolveu reagir, incentivando a formação de um Exército de Voluntários para combater ao lado do Exército Popular da Coreia do Norte, liderado por Kim Il-sung.

A partir de novembro de 1950 mais de um milhão de combatentes chineses atravessaram o rio Yalu e foram reforçar a luta de libertação do povo coreano. A ação, que pegou de surpresa os Estados Unidos, inverteu a sorte da guerra.

As tropas norte-coreanas e os voluntários chineses ultrapassaram o paralelo 38 e ocuparam novamente a capital da Coreia do Sul. O duro inverno – mais de 20 graus abaixo de zero – molestava as tropas invasoras. O quadro era bastante desolador para os Estados Unidos.

As derrotas sucessivas fizeram com que o general MacArthur apresentasse a proposta de bombardear o território chinês, expandindo a área de conflito, ameaçando transformá-lo numa guerra mundial. Diante da perspectiva real de vitória dos comunistas, o general chegou propor a utilização de armas atômicas contra a Coreia do Norte e a China.

Vários países aliados, como o Reino Unido, se alarmaram com tal possibilidade. Grandes manifestações foram realizadas em todas as partes do mundo pela paz na Coreia e contra utilização das armas atômicas. Por fim, o próprio presidente Truman não endossou as propostas temerárias do aventureiro MacArthur e o destituiu do comando das operações.

Profundamente desgastado pelos resultados da guerra, Truman desistiu de concorrer para um novo mandato presidencial e, em novembro de 1952, o candidato democrata foi derrotado pelo general republicano Dwight Eisenhower. Quase ao mesmo tempo em que os Estados Unidos “trocavam sua guarda”, em março de 1953, morria o líder soviético Joseph Stalin. Os novos dirigentes de Moscou se empenharam em dar um fim definitivo ao conflito.

A paz: uma derrota do imperialismo estadunidense

Apesar de todos os esforços realizados – que incluíram a re-conquista de Seul –, os exércitos estadunidenses não conseguiram ir muito além do paralelo 38. A guerra entrou numa espécie de “ponto morto”. Nenhum dos dois lados parecia ter condições de vencê-la. Iniciou-se, então, um longo e tortuoso processo de negociação de paz, que levaria vários anos. Durante todo período que durou as negociações, os EUA continuaram com sua política genocida contra a população norte-coreana. O armistício de Panmujon foi assinado em 27 de julho de 1953. Era o fim da Guerra da Coreia.

Segundo cálculos feitos pela própria ONU mais de 3 milhões de coreanos perderam suas vidas neste conflito. Toda infra-estrutura da Coreia do Norte foi destruída pelos sucessivos bombardeios. Agora a grande tarefa que se apresentava ao povo norte-coreano era a de reconstruir o país, a partir de suas próprias forças, e preparar-se ainda mais contra futuras agressões externas. Este era o preço que teriam que pagar pela manutenção de sua independência.

Os Estados Unidos perderam, entre mortos e feridos, 150 mil soldados. Eles só haviam tido tamanho número de baixas nas duas guerras mundiais e na Guerra Civil nos tempos de Lincoln. Outra consequência negativa para o país foi o fortalecimento do complexo industrial-militar que passaria ser o maior incentivador – e beneficiário – da política intervencionista estadunidense.

Sem dúvida, podemos dizer que a Guerra da Coreia representou a primeira grande derrota militar dos Estados Unidos, que até então eram considerados imbatíveis numa guerra. Foram derrotados pelo exército de um pequeno país asiático e pelos voluntários chineses. Encerrava-se, assim, o segundo grande capítulo da luta pela emancipação da Ásia, o primeiro foi a Revolução Chinesa. Outras páginas heróicas ainda seriam escritas no Vietnã, no Camboja e no Laos.

Augusto Buonicore é historiador e secretário-geral da Fundação Maurício Grabóis.