CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Cinquenta anos defendendo o Socialismo mediante o Songun

Recebemos um texto da Embaixada da República Democrática Popular da Coreia, que fala sob a defesa de Kim Jong Il do socialismo, sob a bandeira de Songun, há cinqüenta anos. Ao lado da Ideia Juche, o Songun também constitui uma das filosofias que guiam o povo coreano na construção do socialismo. Confira:




No dia 25 de agosto de 1960, o dirigente Kim Jong Il começou sua direção mediante a política Songun (priorização de assuntos militares) visitando a divisão dos tanques 105 guarda “Seul” Ryu Kyong Su do Exército Popular da Coreia, o que viria a ser um grande capítulo na História da Revolução Coreana.

Esta, a História da Revolução Coreana, foi iniciada pelo fundador da Coreia Socialista, o Presidente Kim Il Sung (1912-1994). No princípio das suas atividades revolucionárias para resgatar o país da ocupação militar (1905-1945) do imperialismo japonês, formulou, junto com a Ideia Juche, o Songun, e fundou no dia 25 de Abril de 1932 o Exército Revolucionário Popular da Coréia (atencedente do Exército Popular da Coreia), e, depois de 15 anos da luta armada anti-japonesa, libertou a nação em agosto de 1945. Desenvolvendo sua linha de apreciar o rifle e os assuntos militares, deu na Guerra de Libertação da Pátria (conhecida aqui no Ocidente como Guerra da Coreia, 1950-1953) para os EUA, que deflagraram a guerra vangloriando-se da sua “supremacia” mundial, as primeiras e vergonhosas derrotas na sua História e salvaguardou honrosamente a soberania e a dignidade da sua nação.

Quem sentiu na pele, mais do que ninguém, a verdade de que sobre o rifle descansam o destino da nação e a paz, foi o Dirigente Kim Jong Il, que nasceu num acampamento da guerrilha, cresceu no fragor dos combates durante a luta armada anti-japonesa, e cultivou uma inteligência e espírito de eminente general à mesa de operação do Comando Supremo durante a guerra na Coreia. Assim foi como quando fez aquela visita aos tanques 105, oferecendo uma garantia decisiva à continuidade da história e a tradição da causa revolucionária do Songun.

Graças a sua direção, o Exército Popular da Coreia se reforçou de maneira invencível. Para seu reforço, o Dirigente prestou especial atenção à sua preparação política e ideológica. Implantando um firme sistema de direção do Partido do Trabalho, sobre ele consolidou a base da política de Songun, materializando a questão da identificação de todo o Exército com a Ideia Juche fortaleceu marcadamente seu poderio político e ideológico. Como resultado, o Exército se mostrou como um exemplo de firmeza e capacidade ideológica, guiados pelo espírito de defender o Líder até a morte e de não capitular frente a qualquer perigo, e sem hesitação defender a Pátria e o povo.

 
O Dirigente Kim Jong Il também tem como estratégia inflexível a firme do Exército no aspecto técnico-militar. Desde longa data, atribuindo grande importância para alcançar este objetivo, veio adotando sucessivamente as medidas para armar o Exército com estratégias e táticas apropriadas às exigências da guerra moderna e às condições topográficas e geográficas, intensificando sua preparação técnico-militar. Por isso, todos os membros do Exército, de oficiais a soldados, foram preparados intensivamente tanto no aspecto técnico quanto no físico, e todos os seus ramos e armas tiveram equipamentos modernos de alta capacidade de poder e mobilidade. Ante a esses equipamentos técnicos, além dos originais métodos de guerra, não podem também fazer efeito os ataques aéreos, golpes a distância e guerra eletrônica da qual se vangloriam os norte-americanos. A Coreia tem, inclusive, poderosas forças de dissuasão, que podem combater as tentativas e ambições de qualquer inimigo, não importando o quão forte ele seja.

O dirigente Kim Jong Il, com sua orientação mediante o Songun, dirigiu a Coreia Socialista pelo caminho da vitória. Com relação a isso, os anos 90 do século passado possuem especial importância. Com o colapso dos países socialistas, a ofensiva anti-socialista do imperialismo se concentrou na Coreia. Nesta situação, o Dirigente coreano formulou o princípio do Songun de que o Exército significa o Partido, o Estado e o Povo e definiu a política de Songun como a principal modalidade da política socialista. O exército é responsável, além da defesa nacional, pela execução das tarefas mais importantes e difíceis da construção econômica socialista. O forte e nobre espírito da luta que os militares demonstram serve de modelo ideológico-espiritual para todo o povo. Com essa potencialidade, o Exército e o povo da Coreia se impuseram sobre a ofensiva que a autodenominada “única superpotência” mundial implanta para pressionar este mesmo povo, e defende sua soberania, sua dignidade, e sua construção socialista. Hoje, produz um novo e grande auge revolucionário para deixar aberta totalmente a porta da grande e próspera potência socialista, até 2010 em que se cumpre o centenário do Presidente Kim Il Sung.

Sob a liderança do Dirigente Kim Jong Il, mediante o Songun, a Coreia Socialista será vitoriosa.

7 comentários:

  1. Devemos esperar que as pessoas na coréia do norte tenha a mesma liberdade que temos para postar livremente na net
    Quando isso acontecer venho aqui confraternizar com vcs

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Luciano, lute pela saída dos EUA da península coreana, pela reunificação pacífica da península e pelo fim do bloqueio econômico militar ao país, que suas reivindicações provavelmente serão atendidas. Abraços!

    Gabriel Martinez

    ResponderExcluir
  4. Os coreanos e suas liderenças deve ter autonomia para fazer suas escolhas,seja qual for elas.

    ResponderExcluir
  5. Uma vez que qualquer mídia pode (e é) enviesada, é dificil analisarmos o que é verdade ou não. Esse é um dos problemas do pensar sobre o mundo: Até onde eu defendo uma opinião por achar ela correta? Onde começa o "defender incondicionalmente"?

    Não tenho uma opinião formada sobre o assunto da península coreana. Mas uma coisa me dá dúvidas: Por que é tão trabalhoso um estrangeiro entrar na Coréia do Norte? Por que é praticamente impossível para um jornalista circular livremente no pais?

    Eu acredito que quando a liberdade de expressão é podadada é porque há algo acontecendo.

    ResponderExcluir
  6. Renan, não podemos analisar os fatos sem levar em conta o contexto histórico dentro dos quais esses fatos acontecem. A Coréia é um país em guerra, bloqueado pelos EUA, Japão e Coréia do Sul. Além disso, está ocupado por trinta e oito bases militares norte-americanas estacionadas no Sul da península. Portanto, nada mais normal do que as restrições a turistas e jornalistas estrangeiros. Lembremos aqui, antes de tudo, que a imensa maioria dos “jornalistas” que entram lá, o fazem não para que o resto do mundo conheça o país nem para noticiar nada, mas sim para difamar Kim Jong Il, para difamar a luta do povo coreano. É por essas e outras que as dificuldades para entrar no país são grandes.

    ResponderExcluir
  7. O Capitalismo e o Comunismo são apenas uma forma de se conquistar um objetivo maior. Tanto faz quem domina, o que importa é a GRANDE OBRA final.

    Abraços aos comunistas, nós amamos vocês.

    ResponderExcluir