CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE

sábado, 11 de junho de 2016

Mensagem aberta aos Estados Unidos


Os participantes da conferencia conjunta do governo, dos partidos políticos e das entidades da República Popular Democrática da Coreia enviaram no dia 10 uma carta aberta aos Estados Unidos da América que destaca:

Alcançar a eterna prosperidade nacional e construir a pátria próspera reunificada no mundo pacífico é a aspiração invariável e a demanda do povo coreano.

A linha e as orientações de reunificação da pátria, apresentadas novamente no recém VII Congresso do Partido do Trabalho da Coreia, é a declaração histórica que tem grande significado na solução do problema da Península Coreana e a garantia da paz do mundo.

Todos os homens que tem o correto pensamento e juízo simpatizarão com a posição da RPDC de solucionar o problema da reunificação do país com as próprias forças unidas conforme a vontade e a demanda da nação coreana e reconhecerão sua justeza.

Mas, ao invés de aceitar nossa justa demanda, os EUA impedem obstinadamente a corrente da história rumo a paz e a reunificação com a injusta insistência e ação bélica e introduz até mesmo forças seguidoras.

Sobre a situação criada na conferência conjunta do governo, dos partidos políticos e das entidades da RPDC, convocada no dia 9 de junho decidiu enviar aos EUA uma mensagem aberta com nossa posição dos seguintes princípios:

1. Os EUA devem tomar a decisão de abandonar sua política hostil contra a RPDC, que não deve ser mantida por mais tempo.

Esta política, que perdura da fundação da RPDC até hoje, constitui um brutal desafio à aspiração, a vontade e a causa justa do povo coreano para defender sua ideia e regime e salvaguardar sua soberania e seu direito à existência.

Ainda que seja tarde, os Estados Unidos devem fazer um juízo racional para si mesmo e tomar uma decisão política de erradicar a hostilidade contra a RPDC, incorreta desde o início e que pode gerar consequências gravíssimas.

Tomar o novo pensamento e nova prática libertando-se da anacrônica política hostil à RPDC que oprimiu durante longo tempo o pensamento e ação dos EUA, será o mais sábio procedimento que pode ser efetuado somente pelos EUA e que seria digno de aplausos.

2. Os EUA devem cessar agora mesmo as tentativas de aumento armamentista no Sul da Coreia e os exercício de guerra anti-RPDC, que geraram a tensão da situação atual, e entrar em nova trajetória para garantir a paz e a segurança verdadeiras da Península Coreana.

Não são os EUA, mas a RPDC quem saiu vitoriosa no aspecto político, militar, espiritual e moral no confronto histórico de século em século.

O império norte-americano, que esperou ansiosamente a “queda” da RPDC concentrando toda a força no isolamento, bloqueio, esmagamento militar e provocação de guerra contra esta, poderia entender hoje em dia quanto absurdo e ignorante o é.

O mesmo EUA tem que apresentar o método de solução à contraparte, possuidora de armas nucleares.

Será melhor que recorde a lição da história refletida nas palavras de um comandante estadunidense derrotado: a guerra coreana foi a travada em um lugar inapropriado e em um tempo inadequado contra o rival equivocado, e que aceite de bom coração a justa iniciativa e proposta pacífica da RPDC antes de perder esta oportunidade.

3. Os EUA não devem intervir nos assuntos internos da nação coreana para incitar a confrontação e por obstáculos ante a reunificação independente da Coreia.



O perturbador principal da reunificação da Coreia são os EUA, que intervém nos assuntos internos da nação para instigar a hostilidade e confronto e agravar a tensão entre o Norte e o Sul da Coreia.

A regra e a pauta para resolver o destino da nação coreana e a reunificação da pátria vem do desejo, aspiração e demanda da mesma nação coreana e os Estados Unidos não tem nenhuma relação nem direito de meter-se nisto.

Os EUA devem dar uma resposta clara a esta pergunta séria da nação coreana: Se impulsionará vergonhosamente após ser castigado ante o mundo? Ou se retirará por si mesmo deixando de se intrometer nos assuntos coreanos, sendo “cavalheiro” americano?

O império não deve mais frear o curso da história nacional rumo a independência, paz, reconciliação, unidade, reunificação e prosperidade e deixar de colocar joio entre os compatriotas e promover a confrontação, instigando um punhado de lacaios pró-ianques.

Não é uma palavra vã nossa advertência aos EUA.

O comprovará a história e o tempo.

Aproveitando esta oportunidade, expressamos a esperança de que as personalidades de diversos estratos e habitantes conscientes e justos dos EUA respondam ao chamado da RPDC de caráter imparcial, pacifista e sincero.

Da KCNA

Nenhum comentário:

Postar um comentário