CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE

sábado, 3 de março de 2012

Alejandro Cao de Benos: A respeito do recente acordo EUA-RPDC

No dia primeiro de março de 2012, a imprensa nacional e internacional anunciou o acordo assinado entre os Estados Unidos e a Coreia Popular, segundo a qual a segunda teria aberto mão de seu programa nuclear em troca de ajuda alimentar. O braço midiático do imperialismo, como sempre, seguiu atirando. A assinatura do acordo abriu brecha para análises especulativas, segundo as quais o povo da Coreia estaria realmente passando fome e que, ao abrir mão de seus programa nuclear, a Coreia estaria capitulando ante o imperialismo norte-americano e que seu socialismo estava prestes a cair. Em resposta a tais tontarias, o camarada Alejandro Cao de Benós, presidente da Associação de Amizade com a Coreia, escreveu um artigo esclarecendo o que foi o acordo de fato, e a situação benéfica na qual a RPDC se situava em tal acordo (ao contrário do que foi espalhado pela imprensa). Pensamos que o camarada Alejandro prestou um serviço enorme ao movimento de solidariedade internacional à Coreia Popular e que, ao tomar contato com esse artigo, o leitor concluirá que, ao contrário do que a mass-media burguesa vocifera, o socialismo coreano segue firme sob a direção do Dirigente Kim Jong Un e não capitulou ao imperialismo durante um segundo sequer.

Confira aqui nossa entrevista com Alejandro Cao de Benós, feita no final do ano de 2010.




Aclarações acerca do recente acordo RPDC-EUA sobre o assunto nuclear
Por Alejandro Cao de Benós 


Devido à especulação internacional e às análises totalmente errôneas a respeito, escrevo esse artigo para deixar clara a situação e o posicionamento de nosso governo a respeito do recende acordo de 1 de março de 2012, onde os EUA se comprometem a doar 240 mil toneladas de cereais em troca de uma moratória no projeto de enriquecimento de urânio e de mísseis de longo alcance.

A RPD da Coreia possui somente 20% de terrenos cultiváveis, e por isso, todavia, nos vemos obrigados a importar muitos grãos (principalmente soja e arroz) do sudeste asiático. A população, atualmente, não passa fome alguma, porém temos que gastar milhões de dólares todos os meses para comprar cereais. Como todo o mundo sabe, o preço dos alimentos aumenta constantemente devido à manipulação capitalista e a ferramentas como a FOREX (mediante a qual podem inverter milhões em arroz ou café, aumentando seu valor de forma artificial e especulativa). A doação dos Estados Unidos supõe economizar 240 milhões de dólares que podemos usar em investimentos em quaisquer outros setores, como na construção de 100 mil novas moradias gratuitas que estarão terminadas em abril, incluindo na modernização tecnológica e em armamentos.

A RPDC dispõe, há anos, da quantidade necessária de mísseis intercontinentais e ogivas nucleares, que atuam como forma de dissuasão para defenderem sua soberania e defender seus território de uma invasão norte-americana (como aconteceu no Iraque, Afeganistão ou Líbia). Não necessitamos de mais. O atual enriquecimento de urânio está sendo feito com fins civis, como para as novas cusinas nucleares de grafite (que estarão sendo inauguradas em abril de 2012). Como os EUA estão preocupados que o urânio enriquecido possa ser utilizado para exportação, se comprometeram a entregar reatores nucleares de água rápida (como prometeu George Bush Jr. durante seu mandato), em troca de reatores de água pesada.

O Departamento de Estado dos EUA e seu presidente Barack Obama parecem ter dado uma virada de 180 graus com respeito à política para com a Coreia, e o atual acordo se deve a isso. Nossa posição tem sido sempre a mesma (queremos a paz, porém não a mendigamos, jamais conquistaremos a paz a custa de servilismo). Foram os norte-americanos que mudaram sua política e não só prometeram ajuda em cereais, como também tentarão iniciar um intercâmbio cultural, científico e desportivo que poderá levar à abertura de relações diplomáticas e à assinatura da paz definitiva da Guerra da Coreia (que passou por uma trégua, com a assinatura do armistício em 27 de julho de 1953).

Desde o armistício, a RPDC vem buscando a assinatura do tratado de paz. Porém, os Estados Unidos a tem negado, pois sem a assinatura a Coreia poderia ser atacada mais uma vez, sem a necessidade de aprovação internacional.

Nossa política exterior é de amizade com todos os povos (incluindo EUA, Israel, etc.) que respeitem a nossa soberania e não interfiram nos assuntos internos (basicamente: Paz, Amizade, Independência e benefício mútuo).

Assim como a RPD da Coreia não se intromete nas decisões soberanas de outras nações (de que lado estão, se possuem reis ou princesas, o que fazem com seu país, etc...), é hora para o império norte-americanos e seus lacaios aprenderem a ENTENDER a decisão soberana da Coreia do Norte e que a respeitem.

Em resumo:

- Nosso General Kim Jong Un é exatamente igual e segue os mesmos passos e instruções dadas por nosso Grande Líder Kim Jong Il. Está sendo ajudado pelos melhores veteranos revoluconários e líderes de nosso governo, aprendendo diariamente com eles.

- Não haverá NENHUMA MUDANÇA na forma de governo e nem política Juche da RPDC. A Comissão Nacional de Defesa, o Partido do Trabalho da Coreia e a Suprema Assembléia Popular atuam como soldados fiéis ao Presidente Kim Il Sung.

- Apareceram muitos auto-denominados "analistas" que, devido à sua prepotência e ignorância, estavam crendo que ao falecer nosso Grande Líder Kim Jong Il, a Coreia do Norte retrocederia ao capitalismo e se desintregaria. O tempo põe cada um em seu lugar e, como de demonstra, a união na RPDC existe, e a população permanece coesa com uma alta educação e responsabilidade ideológica.

- A RPDC não se vende por comida. No passado, nosso país aceitou ajudas internacionais frente a desastres naturais e jamais concedeu um milímetro quadrado de seu território ou comércio de princípios em troca de alimentos, incluindo nos momentos mais difíceis da Árdua Marcha (1995 a 2000), quando os trabalhadores morriam em seus postos de trabalho por inanição. Quando os países ditos "socialistas" renunciavam a suas idéias, a RPDC manteve seus princípios levantando alto a bandeira vermelha do socialismo.

- O presente acordo se deve à proposta e à iniciativa dos Estados Unidos, que agora (por diferentes motivo e, provavelmente, por conta das eleições) opta por conversação ao invés de pressões e ameaças. Inclusive, prometeram a suspensão do bloqueio comercial e financeiro.

- O acordo se baseia numa MORATORIA, não num DESMANTELAMENTO das bases militares ou do arsenal (como foi feito na Líbia). Se os EUA violarem suas promessas, a Coreia continuará no seu caminho original como sempre tem feito.

- Nosso slogan é: A RPDC está pronta tanto para a paz quanto para a guerra.

- A RPD da Coreia nunca se desarmará enquanto existirem superpotências que ameacem sua existência, cultura e direito à vida.


Nenhum comentário:

Postar um comentário