CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Informe de Kim Jong Un no pleno do Comitê Central do PTC



Informe apresentado no pleno de março de 2013 do Comitê Central do Partido do Trabalho da Coreia


Companheiros:

Hoje efetuamos uma sessão plenária do Comitê Central do Partido para analisar e decidir a importante linha estratégica dirigida a antecipar o triunfo da causa revolucionária do Juche empreendida no monte Paektu, de acordo com as exigências da situação atual e da revolução em desenvolvimento.
Sob a acertada direção dos grandes companheiros Kim Il Sung e Kim Jong Il, nossa revolução tem percorrido invariavelmente pelo caminho da gloria e das vitórias, superando valorosamente as piores adversidades e desafios em sua larga e cruenta luta contra a aliança imperialista.

Atemorizado pelo grande ímpeto do nosso Exército e do resto dos cidadãos que, confiantes, avançam frente à vitória definitiva seguindo a direção do Partido, o inimigo mobiliza toda a sua potência político, econômico e militar para sua desenfreada manobra encaminhada a exilar e sufocar nossa República, a qual tem levado a beira de uma guerra.

Neste momento enfrentamos a importante tarefa de lograr decisivas vitórias no enfrentamento total com os Estados Unidos para frustrar as cada dia mais sinistras maquinações com que o inimigo pretende asfixiar a República e glorificar eternamente a pátria socialista do Juche como potência Paektusan (inspirada no vigor do monte Paektu – N.T.) que ninguém no mundo jamais se atreverá a agredir.

Partindo do imperativo da atualidade da revolução em desenvolvimento, o CC do Partido apresenta a nova linha estratégica consistente em impulsionar paralelamente a construção econômica e a das forças armadas nucleares.

Com essa diretriz pretendemos consolidar ao máximo a capacidade defensiva do país mediante o desenvolvimento das forças nucleares que nos havia legado o grande General Kim Jong Il e, ao mesmo tempo, pôr grande empenho na edificação econômica para erguer um Estado poderoso e próspero no qual o povo desfrute plenamente de todos os benefícios do socialismo.

Isto torna-se também um requisito indispensável da atual situação.

Nosso intento de concentrar-nos na construção econômica, baseando-se na força de dissuasão da guerra para a própria defesa que nos haviam preparado os grandes Generalíssimos ao longo de toda sua vida, de modo que o povo goze de todas as riquezas do regime socialista sem necessidade de apertar o cinto por mais tempo, enfrenta uma grande dificuldade.

Ao questionar nosso lançamento de um satélite com fins pacíficos em dezembro passado, os Estados Unidos e seus seguidores inventaram descaradamente uma “resolução de sanções” do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o qual constitui um flagrante ato de hostilidade que qualifica de ilegal o legítimo direito de um Estado soberano a lançar seus satélites.

Perante a situação criada, não nos restou mais remédio que proceder a terceira prova nuclear subterrânea para nossa própria defesa, como parte das nossas contramedidas reais para salvaguardar a soberania e a segurança da nação.

Esta medida levou ao delírio da América do Norte e outras forças hostis que, enquanto fabricavam outra “resolução de sansões” de maior intensidade, mobilizavam um grande número de forças agressivas para exercícios militares conjuntos “Key Resolve” e “Foal Eagle” com o objetivo de desencadear uma conflagração nuclear.

Nossos militares e a população em geral, aglutinados compactamente em torno do CC do Partido, se têm alçado como um só homem na confrontação total com os ianques, dispostos a responder a guerra agressiva com uma justa contenda pela reunificação nacional. Que o inimigo, paralisado de pânico ante nossa reação ainda mais intransigente, não saiba que fazer nem se atreva a provocar-nos, não significa que tenha abandonado a vossa ambição de sufocar a nossa República.

Nosso empenho de caráter pacífico por construir a economia e melhorar a vida do povo leva acoplada uma cruenta luta com o inimigo. Será duradoura a intentona estadounidense de enforcar-nos com sanções e perseguições, privar-nos da capacidade de dissuasão nuclear e derrotar nosso sistema socialista.

Nossos meios de dissuasão nuclear, caracterizados por seu pequeno tamanho, pouco peso e grande diversidade, provocam um terror louco a América do Norte. Esta, consciente de que a prosperidade econômica da nossa República, possuidora de armas nucleares, significa o fim da sua política de hostilidade, recorre a todos os intentos desesperados.

Se essa política se faz mais perversa ultimamente, se deve a que os EUA têm transladado para a região da Ásia-Pacífico o foco estratégico para sua hegemonia mundial e aponta a nossa República como seu primeiro flanco de ataque.

É por tal razão que este país agrava a tensão de maneira artificial, questionando sem nenhum fundamento o lançamento de nosso satélite com fins pacíficos e, com este pretexto introduzem a numerosas forças agressivas para seus intermináveis exercícios conjuntos de grande envergadura. Seu objetivo radica em recorrer a todos os meios e métodos para lograr nosso desarmamento nuclear e o derrocamento do nosso regime.

Os trágicos acontecimentos ocorridos recentemente em vários países nos ensinam que uma nação débil não pode preservar sua soberania e dignidade nem garantir sua felicidade e prosperidade.

Não esqueçamos jamais as lições que nos dão alguns países da Península Balcânica e do Médio Oriente que, iludidos com as potências, não pensaram em dispor de uma poderosa capacidade de defesa própria, se deixaram levar pela pressão e a tentação do imperialismo até que renunciaram aos meios de dissuasão da guerra com que contavam e se converteram em vítimas da agressão.

Hoje o inimigo, enquanto nos ameaça dizendo que o progresso econômico é impossível sem a renúncia aos artefatos nucleares, nos seduz com a promessa de ajudar-nos a viver folgadamente se optarmos por uma nova alternativa.

Suas artimanhas fazem mais firmes nossa determinação de empunhar mais firmemente nossos eficazes meios nucleares e desbravar o caminho frente ao fortalecimento e a prosperidade.

Impulsionar simultaneamente a construção econômica e a das forças nucleares tornou-se hoje uma demanda legítima da nossa revolução em desenvolvimento.

A causa revolucionária do Songun (prioridade dos assuntos militares – N.T.) a qual haviam consagrado toda a sua inapreciável vida os grandes Generalíssimos, acolhe hoje uma nova era de mudanças históricas.

Nos responde consolidar por todos os meios o poderio do Songun e, apoiando-nos nele, levantar a todo custo a maior potência e um paraíso onde o povo leve uma vida invejável. Nosso Partido se mantem firme na sua decisão de proporcionar ao nosso povo, que o há seguido invariavelmente, vencendo todas as provas, a maior felicidade e comodidades do mundo, em virtude do Songun.

Só com o respaldo de potentes forças militares e nucleares podemos esperar êxitos do nosso empenho pelo progresso econômico e o melhoramento da vida do povo. Nos compete sincronizar a defesa da pátria e a edificação de uma potência econômica com o mesmo espírito com que exploramos o cosmos e com o mesmo ímpeto com que efetuamos exitosamente a prova nuclear de alto nível, para assim assegurar sem falta o bem-estar do povo e a prosperidade da potência Paektusan.

Construir de simultaneamente a economia e as forças nucleares é uma demanda urgente para rechaçar categoricamente a dominação e ingerência das forças forasteiras e lograr quanto antes a histórica causa da reintegração, o mais veemente desejo da nação. Nossas forças nucleares tornam-se um inestimável acervo de toda nação, eterna garantia do florescimento da reunificação da pátria.

Nossa linha estratégica é justa, pois permite elevar consideravelmente nossa capacidade de dissuasão da guerra e dar maior estímulo à construção econômica, fatores que contribuem para conquistar de modo brilhante a causa da construção de um Estado socialista poderoso e próspero.

Nossos artefatos nucleares constituem fidedignas forças de dissuasão da guerra que asseguram a defesa da soberania. Ao longo de quase sete décadas após o aparecimento das armas nucleares, o mundo esteve submetido a um largo período de guerra fria e tem experimentado grandes e pequenos conflitos em suas distintas latitudes, sendo os países possuidores das armas nucleares os únicos que não sofreram agressões militares.

Se alguém é capaz de assestar com seus artefatos nucleares os golpes precisos aos agressores e a suas bases, estejam onde estiverem, ninguém se atreve a ataca-los. Quanto maior e mais eficiente seja sua capacidade de ataque nuclear, tanto maior é sua capacidade de frear a agressão inimiga.

Em nosso caso, nos atem consolidar quantitativa e qualitativamente as forças nucleares, porque nosso rival são os Estados Unidos que possuiem mais armas nucleares que qualquer outra nação do mundo e também porque ele nos mantem sob uma constante chantagem nuclear. Tanto a paz como a prosperidade e o bem-estar do povo descansam sobre as potentes forças nucleares.

A linha estratégica se ajusta a realidade, pois aperfeiçoa os efeitos do progresso econômico e o fortalecimento da capacidade de defesa nacional, conforme as condições do país.

O que querem os Estados Unidos e seus seguidores é ver-nos envolvidos na corrida armamentista e entorpecer por todos os meios nossos esforços para a construção da potência econômica e o melhoramento da vida do povo. A linha do Partido nos permite elevar a capacidade de defesa com poucos gastos, sem necessidade de incrementa-los, e também pôr grande empenho na edificação econômica e em elevar o nível de vida da população.

A já referida linha é apropriada por garantir o fortalecimento das forças nucleares e ao mesmo tempo solucionar o diligente problema da eletricidade, apoiando-nos em nossa própria indústria de energia atómica. Também é justa, pois nos permite enfrentar com iniciativa a situação criada e a sua vez materializar satisfatoriamente o projeto e o proposito de nosso Partido de proporcionar ao povo uma vida feliz, livre de toda preocupação.

É a continuidade e o aprofundamento da linha de impulsar paralelamente a econômica e a defesa nacional, apresentada pelo grande Líder Kim Il Sung e aplicada ao pé da letra pelo grande General Kim Jong Il.

Foi na V Sessão plenária do IV período do CC do Partido efetuada em dezembro de 1962 quando o grande Líder apresentou essa original linha e lançou a consigna revolucionária, Com o fuzil em uma mão e a foice e o martelo na outra! Graças a ele, quem elucidou essa linha e possibilitou criar nossa própria econômica nacional e capacidade de defesa, temos podido defender firmemente as conquistas da revolução, incólumes em meio do vórtice que trouxe como resultado o derrubamento do bloco socialista.

Por sua parte, o grande General, eminente político do Songun, colheu consecutivas vitórias no encarniçado enfrentamento nuclear com os estadounidenses e desta maneira logrou a grande causa da possessão de armas nucleares, defendendo o socialismo do Juche e lançando cimentos para conquistar um Estado poderoso e próspero.

Hoje podemos frustrar resolutamente as sinistras manobras dos EUA e seus seguidores encaminhados a afastas e sufocar a nossa República e fazermos tudo o que nos propomos segundo nossa convicção, vontade e decisão, o qual se deve a potente capacidade de dissuasão nuclear da que nos haviam dotado os grandes Generalíssimos ao longo de toda sua existência. Sua proeza de fazer enaltecido ante o mundo a nosso país como possuidor de armas nucleares ficará registrada eternamente nos anais da história nacional.

A linha do Partido, consistente em consolidar ainda mais a capacidade de defesa nacional com as forças nucleares como pilar e impulsionar a construção de uma potencia econômica, é um remédio eficaz que permite acelerar a edificação de um Estado socialista poderoso e próspero e antecipar a reunificação nacional e é uma bandeira com a qual defenderemos fidedignamente, geração após geração, a soberania e a dignidade da nação.

Refletir a firme vontade do nosso Partido e levar a feliz termo a causa revolucionária do Juche, seguindo pelo caminho da independência, do Songun e do socialismo que haviam empreendido e continuado os grandes Generalíssimos.

Nos atem tomar firmemente em nossas mãos e materializa-lo ao pé da letra.

Acelerar a construção de uma potência econômica e melhorar de modo transcendental a vida da população é a tarefa mais importante e urgente que assume o Partido.

Erguer uma potência econômica no amado solo pátrio e proporcionar ao povo uma vida cômoda e invejável foi o sonho de toda a vida do grande General. Devemos impulsionar a construção de uma potência econômica e elevar o mais pronto possível o nível de vida da população tal e como desejava o General.

O êxito ou o fracasso na construção de uma potência econômica se decidem antes de tudo pela reativação do setor priorizado da economia nacional e a indústria básica. Só quando as indústrias elétrica, carbonífera e metalúrgica e o transporte ferroviário tomarem a dianteira, será possível reavivar e fazer avançar o conjunto da economia nacional. Como precursores da construção da potência econômica, o setor priorizado da econômica nacional e a indústria básica abrirão a brecha para a vitória na atual marcha do grande auge.

É preciso registrar novas mudanças na agricultura e na indústria ligeira, linhas principais para a construção da potência econômica.

É necessário aumentar as inversões estatais na agricultura, aplicar os logros científicos e técnicos na produção agrícola segundo as exigências do método de cultivo autóctone e alcançar sem falta a meta da produção cerealífera, definida pelo Partido.

No setor da indústria ligeira, no fiel acato ao chamado do Partido de fazer ressoar um grande ribombar que alimente o grande avanço para o melhoramento da vida da população, por as fábricas em pleno funcionamento e produzir mais artigos de qualidade e de grande demanda para o consumo massivo.

Temos de reavivar a chama da revolução industrial no novo século, adaptar ainda mais a nossa realidade a econômica nacional e moderniza-la, convertendo-a em conhecimento.

Na época atual na qual a audácia e a velocidade do desenvolvimento da econômica e da sociedade se determinam pelas ciências e a tecnologia, a potência que pretendemos construir deve caracterizar-se por uma economia de conhecimentos que tenham como força motriz a ciência e a tecnologia.

Devemos resolver as matérias primas, o combustível e outros materiais que se requerem imperiosamente para a edificação da potência econômica apoiando-nos em nossos recursos e tecnologias. Em especial, temos que por grande empenho em adequar a realidade de nosso país as indústrias básicas como a metalurgia e a química.


Em todos os ramos da econômica nacional criar grupos de desenvolvimento de novas tecnologias e mudar organicamente as ciência, tecnologia e economia, para remodelar as fábricas e empresas com modernas tecnologias.

Ademais, é preciso prestar a devida atenção para a cosmonáutica para desenhar e lançar mais satélites práticos como o da telecomunicação.

Em vistas a registrar uma virada na edificação da potência econômica é necessário renovar a direção e a administração da economia.

O conselho de ministros e os órgãos econômicos estatais traçaram viáveis estratégias de desenvolvimentos e planos por linhas e por etapas, os cumprir ao pé da letra e se esmerar na organização e direção da produção direcionadas a cobrar um grande auge, aproveitando eficientemente a base econômica já preparada.

Se faz necessário estudar e aperfeiçoar um autóctone método de administração econômica com fim à exigência da realidade em desenvolvimento.

Sustentado na ideia Juche, devera ser um método de administração empresarial com caráter socialista que defenda com firmeza a propriedade socialista dos meios de produção e promova todas as empresas, sob a única direção do Estado, realizem sua gestão de maneira independente e criadora, para que as massas cumpram com sua responsabilidade e papel como donos da produção e administração.

É indispensável imprimir o caráter multilateral do comércio exterior e diversifica-lo para poder neutralizar as sanções e o bloqueio das forças hostis e abrir uma fase favorável a construção da potência econômica.

As regiões de Wonsan e do monte Chilbo e outros lugares do país serão condicionadas apropriadamente como atrativas e animadas zonas turísticas, enquanto nas províncias criar-se-ão zonas de desenvolvimento econômico que se ajuste a suas condições e as encorajarão de modo singular.

Enquanto continua a ameaça nuclear do imperialismo, devemos manter como linha invariável a construção das forças nucleares, junto com a econômica, e elevar por todos os meios a capacidade de dissuasão nuclear.

Este torna-se um justo meio para defender a soberania nacional, prevenir a guerra e preservar a paz. Dotados de sua grande capacidade, não temos porque temer o ataque do inimigo, por muito numerosos que sejam, e nos entregaremos tranquilamente à construção econômica e ao fomento do bem-estar do povo.

O setor da indústria de defesa nacional dará outro passo gigantesco em seu empenho por fazer de nosso país uma potência nuclear sem rival.

Fabricará mais armas nucleares de grande precisão e reduzido tamanho e meios para o seu transporte e renovará constantemente a tecnologia para faze-las mais poderosas e perfeitas.

Modernizar a indústria de energia atômica e assentar-lhes sobre uma base cientifica constitui o requisito elementar para obter maior quantidade de substâncias nucleares, elevar a qualidade dos produtos e chegar a uma fase superior das atividades encaminhadas a faze-los mais pequenos e ligeiros. Nesse setor farão tenazes esforços para superar a outros no desenvolvimento tecnológico de ponta, introduzindo o CNC (controle numérico computadorizado – N.T.) nos equipamentos e processos e automatizando-o por completo.

Nos compete introduzir na indústria de energia atômica os mais avançados logros científicos e técnicos de acordo com a exigência do novo século e desenvolver uma independente indústria de energia nuclear para resolver o diligente problema da eletricidade do país.

Ao Exército Popular lhe incumbe elevar o papel principal das forças nucleares em todos os aspectos das estratégias para a dissuasão e a execução da guerra e aperfeiçoar continuamente os preparativos dessas forças para o combate.

Nos propomos ampliar como lei a tarefa de elevar constantemente a capacidade de dissuasão nuclear, legada do grande General.

Urge desenvolver com iniciativa as atividades com o exterior com vistas a criar circunstâncias favoráveis para pôr em prática a linha de simultaneamente desenvolver a construção econômica e as forças nucleares.

Ao impulsionar com coragem em função da dignidade e do poderio da potência nuclear, velaremos pela imagem internacional do nosso Partido, seguiremos mantendo uma posição independente e criaremos no exterior as condições e circunstancias que contribua a impulsionar a construção de um Estado poderoso e próspero.

Desenvolver com iniciativa as atividades exteriores para desmascarar o caráter reacionário e injusto da política estadounidense de hostilidade à RPD da Coreia, fato principal que nos impulsiona a consolidar as forças nucleares, e divulgar a justa opinião e linha que adoptamos irremediavelmente, engrossando as fileiras dos que apoiam e simpatizam com nossa causa.

Como possuidor de armas nucleares consciente de sua responsabilidade, nosso país contribuirá para a desnuclearização do mundo com seu ativo esforço pela paz e segurança da Ásia e do resto do planeta e cumprindo com honradez seu dever de não proliferação nuclear que assumiu ante a comunidade internacional.

Todos os funcionários, membros do Partido e demais trabalhadores, com a firme fé na vitória e no espírito de materializar ao extremo a linha do Partido de desenvolver simultaneamente a construção econômica e a das forças armadas nucleares, se esforçarão denodadamente para cumprir esta tarefa e anteciparão o dia da edificação de um Estado socialista poderoso e próspero.

Lutar com maior resolução, por muito complexa que seja a situação e muito difícil que seja a tarefa, fiel a sua opção e convencido da justeza e da vitória de sua causa, é o temperamento revolucionário e a tradição de luta dos militares e cidadão coreanos, educados pelos grandes Generalíssimos.

Todos, unidos hermeticamente em torno do Comitê Central do Partido, antecipemos a vitória final impulsionado simultaneamente e energicamente a construção econômica e a das forças nucleares conforme as exigências da situação atual e da revolução em desenvolvimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário