CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE

sábado, 30 de março de 2013

Por que foi anulado o Acordo de Armistício? - Segunda parte

Compartilhamos com nossos leitores a segunda parte do artigo demonstrando as razões de a RPDC ter anulado o Acordo de Armistício.

A decisão de anular o Acordo de Armistício foi uma opção justa do Exército e do Povo da RPDC para por um fim aos atos hostis dos EUA contra através de ações armadas gerais.

EUA e Coreia do Sul realizam provocações militares conjuntas,
através do exércicio anual Foal Eagle
A política dos EUA para com a RPDC tem como objetivo derrubar seu sistema para assim eliminar a Coreia socialista da terra. O Acordo de Armistício era a alavanca principal através da qual os EUA executavam sua política hostil.

Os EUA abusavam do Acordo de Armistício levando a cabo sua estratégia anti-RPDC de manter constantes os confrontos e o estado de guerra na península coreana, tentando dessa maneira estrangular a RPDC pela força das armas. É provável que o mundo não saiba cada detalhe do quão grande foi a dor que o povo coreano sofreu por conta do estado de guerra imposto pelos EUA por mais de meio século.

O cessar-fogo na Península Coreana foi na verdade a continuação de uma guerra de maneira encoberta, sem que ela fosse declarada. Os EUA tentaram sabotar todos os grandes esforços da RPDC para construir o socialismo e melhorar o padrão de vida do povo por mais de meio século. Agravaram as tensões de maneira incessante na península coreana para bloquear o avanço da RPDC, que atualmente se encontra na linha de frente da luta pela independência e contra o imperialismo.

Essa situação levou a RPDC a destinar enormes recursos humanos e materiais para desenvolver suas forças armadas, ao invés de direcionar tais recursos para o desenvolvimento econômico e para a melhoria da vida das massas. Tudo isso fez com que o povo coreano, o melhor do mundo, apertasse seus cintos. A quantidade de danos humanos e materiais causados contra a RPDC, até o ano de 2005, totalizaram pelo menos 64,9 trilhões de dólares. Incontáveis danos mentais, políticos, morais e culturais foram causados pelos EUA contra o povo coreano através de suas persistentes manobras de guerra e ameaças de agressão em todas as etapas da construção socialista da RPDC, sem exceção.

Estados Unidos enviam para a Coreia do Sul o bombardeiro B-52,
capaz de transportar armas nucleares

O estado de cessar-fogo foi uma razão legal para o prolongamento da instabilidade da Península Coreana. Frequentes conflitos militares em Panmunjom e nas águas do Mar Oeste, incluindo o incidente da Ilha de Yonphyong, assim como outros incidentes que chocaram o mundo, não aconteceram por foça do acaso, mas por estarem diretamente relacionados ao mecanismo do cessar-fogo.

Os EUA fizeram com que a Coreia do sul preservasse a ilegal “linha de limite ao Norte”, abusando das limitações que o Acordo de Armistício possuía. Consequentemente, não passou sequer um dia sem que as cinco ilhas do Mar Oeste da Coreia permanecessem em paz. Tais áreas foram o epicentro dos conflitos, que mostravam claramente o perigo do Acordo de Armistício, e mostravam a possibilidade real de estourar uma nova Guerra da Coreia.  Tornou-se claro, através de fatos incontestáveis, que o Acordo de Armistício não poderia prevenir uma nova guerra na Península Coreana.

A soberania da Coreia e de sua nação não deve ser deixada para que outros a defendam.

Se a RPDC se deixasse curvar ante o Acordo de Armistício, e permanecesse passiva ante os atos hostis dos EUA contra a RPDC, que se tornaram intoleráveis em todos os aspectos, o povo coreano sofreria de novo todos os obstáculos, sofrimentos e tragédias que sofreu por mais de meio século.

Nenhuma grande potência esteve até agora feliz de ver a Coreia se tornar um só e próspero país.

Nos últimos dias, os EUA e seus aliados levaram a cabo suas manobras para impor sanções e pressões de guerra contra a RPDC por conta de seu lançamento de satélite e do teste nuclear subterrâneo. Tais atos estiveram em coerência com a política hegemonista das forças que estavam insatisfeitas com os esforços da RPDC de construir uma próspera potência reunificada. A conclusão que a RPDC tomou após ser exposta ao perigo de guerra por várias décadas é de que é impossível construir uma nação, uma vida estável e feliz, assim como a prosperidade nacional, enquanto o Acordo de Armistício se mantivesse intacto.

O ódio do povo coreano contra os EUA está no seu ápice, e a paciência da RPDC já passou dos limites.

É por isso que a RPDC tomou a importante decisão de acabar com a causa-raiz que atenta contra sua soberania nacional, contra a dignidade, a paz e a prosperidade, e expressou sua vontade de tomar contra-ações militares decisivas, incluindo o exercício de direito de montar ataques nucleares com precisão. Agora que os militaróides sul-coreanos, em conluio com os EUA, fazem manobras para estalar uma guerra nuclear contra o Norte, em violação ao Acordo de Armistício, a RPDC declara anulados todos os acordos de não-agressão feitos entre o norte e o sul, entre aqueles do não uso da força armada contra o outro lado, a prevenção de conflitos militares acidentais, a resolução pacífica de disputas, e a questão da não agressão nas fronteiras norte-sul. São passos coerentes com a anulação do Acordo de Armistício.

A RPDC está totalmente preparada para tomar duras contra-ações que possam forçar o eixo anti-RPDC a testemunhar seu miserável fim, até a rendição completa do mesmo.

9 comentários:

  1. Os EUA estão retrocedendo.Eles estão vendo que agora a coisa ficou séria e estão tentando um armistício político para que a questão possa ser resolvida sem a necessidade de um conflito armado direto.Pois sabem eles que a República norte-coreana tem uma vantagem militar imensurável sobre a do sul,e caso um conflito direto deflagre os sul-coreanos não teriam nenhuma chance sem uma intervenção direta dos EUA,e se caso os EUA fizessem a mesma perderiam,por exemplo,o mercado europeu que já não está muito afável com a política econômica dos EUA há muito.Neste momento de crise,tal ação iria desencadear uma reação em cadeia que iria atingir todo o mundo,tanto em termos políticos como comerciais.

    ResponderExcluir
  2. Receio que se essa guerra acontecer, a Coreia do Norte seja a maior prejudicada, visto que a Coreia do Sul possui o que há de mais moderno em tecnologia militar, pois os EUA exportam armas para eles, e se essa guerra acontecer de verdade a coisa ia ficar feia.

    Os Norte Coreanos possuem vantagem em quantidade de soldados. Espero que a China e a Rússia ajudem a Coreia Socialista, pois agora, mais do que nunca, eles precisam de todo o apoio internacional! Rússia e China tem grande poder nesse aspecto. Que a Nação Coreana seja vitoriosa!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabriel, você já viu um confronto entre o poderoso escorpião e a pequenina formiga? O escorpião tem uma arma mortífera, porém, as formigas, em maior número, destroem o escorpião. Os americanos tiveram todo o tempo do mundo para invadir a Coréia do Norte, não o fizeram por medo. Sim, claro, já ouviu falar do vexame americano no Vietnã. O Iraque não tinha a força, a unidade, nem as armas (inclusive nuclear) que a Coréia do Norte tem. A Coréia do Norte é a terceiro maior forças armadas do mundo e eles são extremamente organizados e doutrinados. Diferente do americano, que está lá, sem nem saber porque REALMENTE está lá, do outro lado do mundo, defendendo com sua própria vida um outro país.

      Excluir
  3. vocês são tão retardados que não conseguem nem mesmo colocar uma foto correta de um B-52. Façam um favor e se mudem pra Coreia do Norte. Com certeza o QI médio do povo brasileiro vai subir uns 10 pontos com isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais um alienado pela mídia capitalista. Vejam a que ponto chega a ociosidade da burguesia que, sem nada para fazer de útil na vida, perde tempo analisando as armas dos maiores assassinos da humanidade. Vai morar na Rocinha, Capão Redondo, Jardim Ângela, Heliópolis, ou nas incontáveis favelas espalhadas por este país, sem saneamento básico, sem escola, sem saúde, sem futuro e sem dignidade, onde a violência mata mais que qualquer guerra.

      Excluir
  4. De fato houve um erro e o da foto é um B2, não um B52. Ambos vem sendo usados na onda de provocações.

    No mais, o comentário é desrespeitoso do anônimo é só mais um demonstração de um ego frágil e inseguro que tem que projeta a própria sombra nos outros - ele necessita dos "retardados" para se sentir bem, apesar de ninguém ser "retardado" por errar o nome de um avião militar, somente por manter esse tipo de postura.

    ResponderExcluir
  5. Vocês que têm mais conhecimento de lá, como está a situação bélica do país? Tem alguma estrutura comprada ou adquirida da China ou da Rússia? Pois o pior inimigo da Coreia não acho que seja a sua vizinha. São os EUA. E com eles, tem que ter muita lenha pra queimar, como os rebeldes afegãos queimam até hoje.

    Dentre o pouco que 'descobri' da Coreia com as visitas recentes no blog, o objetivo do povo é realmente viver em paz. Só que um país, que deveria viver no anonimato como qualquer outro que não segue os padrões, só aparece para a população para duas coisas: Ser piada ou ser alvo. Eu achava que ele era a piada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Augusto. As forças armadas da Coréia do Norte são completas (marinha, exército e aeronáutica), é o terceiro maior contingente do mundo (1º China e 2º Índia) e, o mais importante, não é um Iraque (fraco, despreparado e sem bomba atômica), porque se assim fosse, os EUA já haviam invadido. Por isso que a Coréia do Norte se vê obrigada a gastar com as forças armadas. Quem está com medo não é a Coréia do Norte, são os EUA, claro. Certamente aconteceria novamente o vexame do Vietnã. Com relação ao anonimato, isso é o desejo da Coréia do Norte, porém, devido ao território ser apenas 15% cultivável, eles precisam comprar alimentos e os EUA fazem um embargo criminoso que termina gerando essa tensão na região.

      Excluir
  6. Pessoal, a Coréia do Norte só demonstra seu poder terrestre. E sua marinha e aeronáutica?

    Não sou conhecedor da Coréia do Norte mas alguém pode me explicar o poder bélico da aeronáutica e marinha?

    ResponderExcluir