CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Kim Il Sung e o 66º aniversário da RPDC



Kim Il Sung (1912-1994), eterno Presidente da República Popular Democrática , figura enaltecida pelo povo coreano.

Desde cedo, com o propósito de levantar um país para os explorados e oprimidos, sem se restringir nem pelas teorias existentes, nem pelas experiências alheias, aclarou o caminho de construção de um poder que defendesse os interesses dos operários, camponeses, soldados, intelectuais e outros setores de trabalhadores. 

De sua direção, sobre a contrução do Poder popular o que merece mais atenção é a instituição, no período da Luta Armada para libertar o país da ocupação militar (1905-1945) japonesa, do governo popular que defendia os direitos e a liberdade das pessoas nas bases guerrilheiras. 

Apoiando-se nele, imediatamente depois da libertação do país (agosto de 1945), Kim Il Sung planteou uma linha de construção do Estado conveniente com a realidade do país e em fevereiro de 1946 instaurou um poder de novo tipo, democrático, baseado na aliança operário-camponesa dirigida pela classe operária e apoiada na Frente Única dos amplos setores do povo: o Comitê Popular Provisório da Coreia do Norte. Como poder popular democrático que cumpria a tarefa imediata da revolução democrática, anti-imperialista e anti-feudal, o qual tornou possível que o povo coreano, exercendo com firmeza o poder como dono da sociedade, impulsionasse vigorosamente o empenho para realizar reformas democráticas. 

Visando satisfazer as necessidades e desejo secular dos camponeses que por aquele tempo representavam a esmagadora maioria da população, proclamou no dia 5 de Março de 1946 a Lei da Reforma Agrária, de transcendência história e, em seguida, a Lei do Trabalho, a Lei de Igualdade dos Direitos do Homem e da Mulher, a Lei da Nacionalização das Principais Industrias, etc., e aplicou políticas democráticas nos setores da educação, cultura, administração jurídica, fiscalização.  Como resultado, na Coreia do Norte, as reformas democráticas foram realizadas em um curto espaço de tempo, graças a qual em todas as esferas da vida social os remanescentes coloniais e feudais foram liquidados, a industria nacional começou a crescer e se estabeleceu regimes democráticos na educação e na cultura. Em outras palavras, se preparou o terreno sócio-economico da nova Coreia democrática. 

Com o exitoso cumprimento da tarefa da revolução democrática, antiimperialista e anti-feudal, o Comitê Popular Provisório da Coreia do Norte foi transformado em fevereiro de 1947 no Comitê Popular da Coreia do Norte, que cumpriu a tarefa de transição gradual ao socialismo e que serviu de fundamento para a RPD da Coreia, tarefa que foi comprida arduamente. 

Imediatamente depois da libertação da Coreia, a situação interna e externa do país era muito complexa e tensa. Com o fim da Segunda Guerra Mundial, Estados Unidos, utilizando o pretexto do “desarmamento” do derrotado exército japonês, ocupou o Sul da Coreia, e como consequência a nação coreana passou a correr o risco de ser divida. Estados Unidos dissolveu a força os comitês populares estabelecidos segundo a vontade da população e praticou a administração militar como um novo meio de dominação colonial. 

Frente a esta grave situação, Kim Il Sung se esforçou para frustrar as maquinações de divisão nacional dos Estados Unidos e agrupar estreitamente todas as forças patrióticas do Norte e Sul sob a bandeira da independência nacional. Em virtude disso, em abril de 1948 teve lugar em Pyongyang a Conferência Conjunta dos Representantes dos Partidos Políticos e Organizações Sociais do Norte e Sul da Coreia. A união dos democratas patrióticos de ambas as partes serviu de terreno sócio-politico para a instauração de governo central unificado. 

Em maio de 1948 os Estados Unidos fabricou as “eleições separadas” na Coreia do Sul e agravou mais a crise de divisão da nação coreana. Em junho do mesmo ano Kim Il Sung convocou os dirigentes dos partidos políticos e as organizações sociais da Coreia do Norte e do Sul para uma reunião consultiva, onde planteou uma orientação de realizar sem demora as eleições gerais da Coreia do Norte e do Sul para instituir um governo de todo o país. Em agosto do mesmo ano se efetuou eleições gerais da Coreia do Norte e Sul e em setembro a histórica primeira sessão da Assembléia Popular Suprema. Em 9 de Setembro foi instaurado a RPD da Coreia, primeiro Estado democrático popular no oriente. 

Kim Il Sung, fundador da RPD da Coreia, ocupou o supremo cargo desta durante quase meio século, orientando o país e o povo. Sob sua direção a RPD da Coreia, a menos de dois anos de fundada, venceu o agressor norte-americano que se gabava de sua “supremacia” na guerra coreana (1950-1953) e defendeu honrosamente a soberania e a dignidade nacionais e depois do cessar fogo, terminou em curto tempo a reabilitação da economia e sua construção sobre os escombros, a revolução socialista e em seguida efetuou com êxito a construção socialista de várias etapas. 

Por motivo do 66º aniversário da fundação da RPD da Coreia, invencível país socialista, rendemos homenagens a Kim Il Sung.

Fonte: Embaixada da RPDC no Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário