CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Na volta às aulas, Coreia socialista luta para consolidar novo sistema educacional


A última terça-feira (1 de abril) marcou a volta às aulas nas escolas da Coreia Popular. Por conta da ocasião, foram feitas cerimônias em diversas escolas por todo o país, celebrando os avanços feitos no decorrer da aplicação do sistema educacional socialista. A República Democrática e Popular da Coreia (nome oficial da Coreia do norte) foi o primeiro país asiático a erradicar por completo o analfabetismo, no ano de 1949. No ano de 1972, época de grandes sucessos da construção socialista na Coreia, o país estabeleceu a nível nacional o sistema educação universal, gratuito, obrigatório e compulsório de 11 anos. Após 40 anos, no ano de 2012, foi aumentado para doze anos o ensino obrigatório na Coreia do Norte. Atualmente, autoridades do país e quadros à frente do sistema educacional norte-coreano estimam que, até 2015, o sistema universal e gratuito de 12 anos de educação já estará consolidado e existirá a nível nacional.

Estiveram presentes durante as cerimônias recentes realizadas nas escola do país, professores, pais e dirigentes do Partido do Trabalho da Coreia.

Ri Kyong Hui, mãe de Kim Ho Ung, estudante da Escola Primária Ryusong, na região central de Pyongyang, elogiou Kim Jong Un pelos avanços feitos pelo país no trabalho para criar as crianças e jovens de modo que sejam suficientemente preparados para serem os genuínos sucessores da Revolução coreana.

So Sung Hyok, professora da Escola Secundária Junior Kinjae, no bairro de Sosong, explicou um pouco sobre o novo sistema educacional estabelecido em 2012, onde no período secundário junior os estudantes adquirem conhecimentos básicos sobre tecnologia, falando também sobre novos métodos que foram elaborados para garantir aos estudantes um bom aprendizado.

Crianças voltam às aulas na Coreia socialista
Kim Song Il, diretor do Ministério de Educação geral, prometeu trabalhar duro para transformar os estudantes em pilares do país, em calorosa resposta à política educacional levada a cabo pelo Partido do Trabalho da Coreia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário