CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

O governo sul-coreano mente sobre a situação da Coréia do Norte depois de prender três cidadãos que tentavam desertar para o norte

Reproduzimos abaixo um texto publicado no blog espanhol Corea Socialista. Ao contrário do que muitos pensam a Coréia do Sul não é um país democrático. O estado títere fascista sul-coreano prende militantes de esquerda, comunistas e patriotas, enquadrando-os na brutal “Lei de Segurança Nacional”, também conhecida como Lei Anticomunista. Importante notar que para os delitos considerados graves (ser comunista, por exemplo) a brutal lei prevê a pena de morte. 
 ____________________________________________________________________________

La agencia gubernamental surcoreana Yonhap ha dado a conocer recientemente dos noticias de interés sobre Corea del Norte.

En primer lugar, se recoge una información de la fiscalía surcoreana del pasado viernes, relativa al arresto de tres ciudadanos surcoreanos, por intentar desertar a Corea del Norte.

Sólo se ha facilitado el nombre de uno de ellos, un médico de apellido Shin, que tenían planes de pedir la residencia en Pyongyang, ingresando en el país a través de China.

Emigrar a Corea del Norte es delito según las leyes surcoreanas. Incluso visitar el territorio coreano al norte del paralelo 38 es delito, si no media un permiso especial del gobierno, que sólo se conceden con carácter excepcional.

Estos delitos se recogen dentro de la Ley de Seguridad Nacional, conocida bajo el régimen militar como Ley Anticomunista, pero que nunca fue derogada. La simple posesión de un libro escrito en Corea del Norte, así como el contacto con ciudadanos norcoreanos o cenar en uno de los restaurantes que el gobierno norcoreano ha abierto en diferentes países de Asia, pueden acarrear penas de varios años de cárcel. Para los delitos más graves, se contempla la pena de muerte.

Además de la deserción, la fiscalía ha presentado cargos contra los tres ciudadanos por destruir "evidencias", acusación muy frecuente en casos de visitas no autorizadas al norte y referida a que los acusados no tienen visado norcoreano en su pasaporte.

En la acusación se recogen como pruebas los comentarios hechos por los tres detenidos en una web, en la que reconocían estar "hartos de la sociedad surcoreana".

Por otro lado, y casi a modo de "respuesta", Hyun In-taek -el mal llamado Ministro surcoreano para la "Unificación"- declaró que en Corea del Norte hay entre 150 000 y 200 000 presos políticos. No citó fuentes, ni aportó ningún nombre. Tampoco justificó cómo podían tomarse por serias unas estimaciones en las que no importa contabilizar 50 000 presos arriba que abajo.

Yonhap señalaba que el motivo por el que 200 000 personas estarían presas es por huir del país, suponiendo esto una fuga masiva de la que no existe ninguna prueba documentada.

Un compañero de partido de Hyun, Gu Sang-chan (del Gran Partido Nacional, antiguo partido único de la dictadura), declaró que los prisioneros se repartían entre seis prisiones. Un sencillo cálculo nos daría como resultado que en la pequeña Corea del Norte existen las cárceles más grandes del mundo, con un mínimo de entre 25 000 y 33 333 presos cada una.

En este caso, ni Yonhap ni ningún miembro del GNP, aportaron pruebas de sus acusaciones. Por su parte, la República Popular Democrática de Corea negó que en el país exista ningún preso político, ni tampoco violaciones de los derechos humanos.

8 comentários:

  1. Alexis de Tocqueville27 de outubro de 2010 11:32

    Engraçado ver que a Coreia do Sul é enquadrada como um regime "brutal e despótico" por causa de uma lei anticomunista enquanto que a Coreia do Norte, onde se prende e mata gente por muito menos, é uma "vítima" das "calúnias" ocidentais. Engraçado também que o blog refuta as acusações à Coreia por "falta de provas". Fácil requerer provas de informações do regime mais paranoico e ditatorial do mundo, já que se sabe que qualquer pessoa que ouse levantar uma sobrancelha de reprovação ao grande líder acaba no paredão. Não se precisa de mais provas do que a simples observação das fronteiras da Coreia do Norte. O fato de existirem mil barreiras, guardas, armas e paranoias já deixa bem claro que tem alguma coisa ali dentro que não deve aparecer. Veja se algum estado democrático no mundo tem barreiras de dimensão semelhante nas suas fronteiras. Veja também a restrição de movimento de qualquer estrangeiro no país: para entrar lá, somente com agências de viagem estatais e "tours" bem definidos. Porque não se pode deixar as pessoas andarem livres pelo país? O que se tem a esconder? Além disso, basta conversar com alguns dos sortudos que conseguiram fugir do regime, apesar das barreiras acima, para ter uma noção do terror que é aquele país. O que me entristece, sobremaneira, é ver como ainda existem pessoas dispostas a defender um regime despótico e sanguinário com argumentos arbitrários para a defesa de uma ideia podre que já deveria ter sido extinta há muito tempo. Eu espero sinceramente pelo dia onde a sensatez da liberdade vai conseguir acabar com esse câncer. URSS já foi. China já foi. Cuba já foi. A Coreia é a próxima. E então, depois disso, espero que nunca mais um imbecil levante a voz pra defender aquilo que a história derrotou.

    ResponderExcluir
  2. Se prende e mata gente por muito menos? Como tem tanta certeza para afirmar, caro “Alexis de Tocquevile”? Seu comentário está recheado de clichês anti-coréia do norte, que são difundidos há anos pelos meios de comunicação do grande capital. Talvez você não sabia que na Coréia do Sul se prende e mata comunistas. Se sabia e considerava normal, já sabemos que tipo de pessoa é você e de que lado está.

    ResponderExcluir
  3. Alexis de Tocqueville27 de outubro de 2010 17:55

    Simples, meu caro moderador do blog. Existem milhares de refugiados que podem contar a história deles a qualquer momento. Existem fotos: http://ngm.nationalgeographic.com/2009/02/north-korea/chang-photography . Existem dados: http://web.archive.org/web/20070303203248/http://www.hrnk.org/refugeesReport06.pdf . Existem histórias: http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,131024,00.html .

    Agora, a velha desculpa comunista de "imprensa do grande capital" é uma ótima falácia (mentira) lógica que desculpa praticamente qualquer coisa. Óbvio que se pode ignorar todas as evidências, porque ela vem da "imprensa do grande capital". Logo, a única verdade é aquela em que eu quero acreditar. Desse jeito é fácil e possível obter uma paz de espírito com a sua ideologia caduca, sim? Ignorando as milhares de evidências e acreditando na orwelianíssima KCNA?

    E sim, realmente, eu não sabia que se prende e mata comunistas na Coreia do Sul. Mas, sabendo disso, eu nunca defenderia uma prática como essa. Agora, na Coreia do Norte se prende e mata basicamente qualquer um. Você sabe disso, e defende. Logo, já sabemos de tipo de pessoa é você e de que lado está: do lado que divulga mentiras para desculpar regimes tirânicos e genocidas. Parabéns, caro moderador. É realmente massacrando uma população que se consegue o verdadeiro "governo do povo", não é? Não estranha que a mesma família esteja no poder há décadas, passando-a para frente como uma monarquia? Somente um cego, um idiota ou um completo perverso não seria capaz de perceber que, assim como aconteceu em todas as outras ditaduras sanguinárias comunistas (Stálin, Pol Pot, Mao, Castro), a loucura de um único "grande líder" levou à ruína todo um povo.

    Mais uma vez, eu espero ansiosamente pelo dia onde nem sequer uma única pessoa levante a sua voz pra falar bem do comunismo. Esse dia será uma vitória da humanidade.

    ResponderExcluir
  4. A Coréia do Sul é SIM um país brutal, despótico e fascista. Minto: Não é a “Coréia do Sul” que se configura como tal, mas sim seu Estado fantoche e completamente servil aos interesses norte-americanos. O que é a História senão uma ironia? Ora, na época da Revolução Francesa (Alexis de Tocqueville, haha) era a burguesia que levantava voz para defender a “nação”, a “soberania”, os “direitos humanos”. Entretanto, nos dias de hoje, a própria burguesia na prática levanta-se contra tais valores. Os Estados Unidos jogam no lixo a palavra “soberania” ao ocuparem mais de 60 países no mundo. Os Estados Unidos esmagam o conceito de “nação” ao fazerem questão de transgredirem todas as culturas nacionais com sua “cultura” degenerada. Os Estados Unidos levantam-se contra o conceito de “direitos humanos” ao assassinarem na Coréia do Sul estudantes desarmados, religiosos e entre outros “terroristas perigosos” que nada pedem além da liberdade para seu povo, nada pedem além do fim da divisão do país que dura há mais de 60 anos.

    Qual é sua fonte para dizer “na Coréia do Norte se mata por muito menos”? Simplesmente não existem fontes. Não existe nada além de boatos isolados, fragmentários, com o intuito de caluniar a grandiosa Coréia Popular. Infelizmente, os meios de comunicação de massa estão nas mãos do imperialismo e nossa força contra-hegemônica ainda é pequena frente à lavagem cerebral em massa feita nas pessoas aqui no Ocidente. Já que você tocou no assunto “regime paranóico e ditatorial”, posso muito bem citar que esse ano fizeram 30 anos do Massacre do Gwangju, na qual o exército títere sul-coreano abriu fogo contra uma manifestação pacífica de estudantes na cidade, matando mais de 100 pessoas em menos de 1 hora. Tratou-se uma cena animalesca, medieval e que lembrou bastante o “Domingo Sangrento” de 1905 na Rússia.

    ResponderExcluir
  5. Ora, houve ao menos uma única nota divulgada na grande imprensa declarando solidariedade às famílias dos estudantes? Não. Lembrou-se muito do tal conspirador chinês que ganhou o “Prêmio Nobel da Paz”. Os que mereciam o Prêmio Nobel da Paz, de fato, eram os gloriosos patriotas que tombaram naquela tarde de 1980. Tenho certeza que, ao ler essas linhas, você sequer deve saber do que estou falando. É claro que quem se recusa a analisar a realidade de maneira objetiva, radical, não irá muito além do fanatismo anti-comunista que aparece na Folha de São Paulo ou na Veja.

    Você reclama contra as “restrições” a turistas no país. Obviamente, um país como a Coréia Popular, que sofre um bloqueio internacional terrível, que está exatamente na mira do eixo EUA-Japão-Coréia do Sul, não poderá permitir livremente a passagem de pessoas do país justamente por conta do perigo da espionagem. Desde a fundação da RDP da Coréia, em 1948, os imperialistas tentaram inúmeras vezes espionar o país e provocar o seu povo. Nos anos 60, tivemos o incidente do navio espião norte-americano “Pueblo”, que tentou adentrar às águas da Coréia Socialista (caracterizando uma violação grave da soberania de um país). Hoje em dia, nada disso mudou. Praticamente todas as semanas os norte-americanos e sul-coreanos realizam simulações de guerra com o intuito de provocar e desestabilizar o sistema socialista do Norte da Coréia, violando desta maneira a Declaração Universal dos Direitos Humanos, que estabelece que cada povo tem o direito de se organizar da maneira como bem entender. Num contexto como esse, não só é necessário como também OBRIGATÓRIO restringir de maneira rígida a entrada de turista no país.

    “Regimes tirânicos e genocidas” foram as ditaduras que os Estados Unidos estabeleceram na época da Guerra Fria. Por “regimes tirânicos e genocidas”, entendem-se todos os países que os EUA ocupam, mandam e desmandam. Hipocritamente, esses canalhas anti-comunistas ainda querem vir falar de “direitos humanos”. Se é massacrando uma população que se faz um governo do povo, então podemos dizer que a Coréia do Sul é um país genuinamente popular e socialista, pois até hoje os norte-americanos insistem em massacrar a população do país e manterem suas tropas estacionadas no sul da Península Coreana.

    Quem está no poder da Coréia Socialista não é uma “monarquia”, mas sim as massas populares lideradas pelo Partido do Trabalho da Coréia, o poder constitui-se numa unidade monolítica entre o Partido, o Líder e o Povo, fazendo cair por terra o velho clichê da “monarquia stalinista”.

    Você diz que seria “contra” a prisão e a morte de comunistas na Coréia do Sul. Entretanto, logo depois fala que “espero ansiosamente pelo dia onde nem sequer uma pessoa levante a sua voz para falar bem do comunismo”, mostrando muito bem o tipo de “democrata” que é. O “democrata” que apóia ocupações e matanças de patriotas e de genuínos democratas.

    Creio eu que já passou da hora de criarmos uma espécie de “FAQ” para os clichês anti-Coréia. Esses caras enchem o saco mesmo, hehe.

    ResponderExcluir
  6. O Alexis fala como se fosse facil entrar nos EUA. Nao é na coreia do norte que voce pode ser preso no aeroporto só por ter um nome suspeito arabe ou por proceder de paises como Siria, Libano ou etc.


    A vitoria da humanidade sera quando acabarmos com essa economia de mercado de uma vez por todas.

    ResponderExcluir
  7. Os comentários de vocês são tão surreais que eu tenho a impressão de que esse blog inteiro é uma grande piada de mau gosto.

    ResponderExcluir
  8. Surreais para a realidade que o senhor Matheus Simonato cria, obviamente. Se um cara desses tivesse vivido há mil anos atrás, certamente daqueles que acreditariam que a Terra era plana, hahaha.

    ResponderExcluir