segunda-feira, 10 de abril de 2017

O cinismo dos EUA manifestado no tema da reunião da ONU

 
Deixa consternada a comunidade internacional o cinismo dos ianques que tentam trocar o branco pelo preto.

Há pouco, a representante estadunidense na ONU disse que são irrealistas as negociações sobre o Convênio de Proibição de Armas Nucleares devido a “ameaça nuclear proveniente do Norte da Coreia”.

Ao acusar a RPDC para justificar a decisão dos EUA de não participar do Congresso da ONU para as negociações sobre o convênio de proibição de armas nucleares, ela disse que “quem pode acreditar que o Norte da Coreia se porá de acordo com a proibição de armas nucleares?” e “não se dirá que pode proteger ao povo ao proibir a possessão de armas nucleares aos EUA e outros países, que se esforçam para defender a paz e a segurança, e permitir a mesma dos países malvados”.

Este sofisma da sinistra tentativa dos EUA de ocultar seu crime de ter usado a arma nuclear no mundo e causado a corrida armamentista nuclear de alcance mundial com a ameaça e a chantagem nucleares.

Na história do desenvolvimento destes meios de destruição em massa, Estados Unidos e outras potências jogaram o papel de protagonista na fabricação dos convênios internacional para impedir a possessão de armas nucleares pelos Estados desnuclearizados e participaram ou não nos mesmos segundo suas conveniências.

É natural que a RPDC, convertida na potência nuclear do Oriente ante a ameaça de guerra nuclear dos Estados Unidos que perdura há várias décadas, não participe no referido Congresso da ONU que toma por premissa a renúncia nuclear.

Sendo caudilho da proliferação nuclear, os EUA não vacilam em impor os desastres nucleares à humanidade para realizar sua ambição de hegemonia mundial, infringem os tratados internacionais sobre a redução de armas nucleares e tolera e ajuda este desenvolvimento por seus satélites.

Agora, se escutam nos EUA, que insistia mais do que ninguém no “mundo sem armas nucleares”, opiniões tais como “as forças armadas nucleares dos EUA estão atrasadas em comparação com as de outros países” e “é necessário fortalece-las para manter a posição absolutamente vantajosa na capacidade militar”.

Os Estados Unidos impulsionam constantemente a modernização de armas nucleares que iniciou a administração anterior preconizando a “paz pela força” e custa um bilhão de dólares. E advoga sem escrúpulos para cancelar os tratados de redução de armas nucleares assinados com outra potência militar.

É ilógico e o cumulo do cinismo que tal diabo nuclear questione as forças armadas nucleares da RPDC, produto direto de sua chantagem nuclear.

Enquanto exista o possuidor de armas nucleares em relações hostis com a RPDC, a segurança estatal e a paz da Península Coreana serão defendidas somente com o fidedigno dissuasivo nuclear.

Os Estados Unidos devem conhecer bem esta firme posição da RPDC.

Enquanto prossigam a ameaça e a chantagem nucleares dos EUA e seus satélites, se ampliarão e se fortalecerão sem cessar a capacidade de autodefesa nacional e a de ataque preventivo da RPDC centradas nas forças armadas nucleares.

Da KCNA

Nenhum comentário:

Postar um comentário